Sexta-feira, 1 de Maio de 2009

Lapsus Linguae

João Paulo Cardoso

 

A Gripe Soez

 

Chamam-lhe Gripe Suína.

Ok, o nome de código não é sonante como "Guerra dos 100 anos" ou "Batalha de Waterloo", mas poucas designações seriam tão desprezíveis como esta, uma Gripe Suína assaz soez.

 

A quase pandemia, que pandemónio se tem tornado como furacão, terá tido origem nos porcos do México, país mais conhecido pelos burritos.

E aqui chegado refiro-me àquelas mistelas meio picantes que se levam à boca e não aos simpáticos asnos que nos levam no dorso.

 

Houve um familar já ancião, não me lembro quem, talvez Moisés, que passava a vida a alertar para os perigos da gula por toxinas camufladas por molhos coloridos, fossem elas tacos, enchilladas, chili ou burritos, isto só em relação às bodegas mexicanas.

Afinal o perigo estava com os porcos.

 

O mesmo familiar ancião, talvez Adão, repetia sempre que ia ao médico "Se queres conhecer teu corpo, mata um porco".

E isto porque as semelhanças anatómicas estão no estômago, nos dentes, no fígado, no coração.

 

A porcaria de investigação que efectuei permitiu saber também que os porcos são ainda susceptíveis a algumas das mesmas doenças que afligem os humanos, como cancro, reumatismo, artrite e... gripe.

 

Posto isto, até já sabíamos muito sobre os porcos engripados e sobre os porcalhões que espirram sem pôr a mão à frente da boca, agora sobre os mexicanos...

 

O que é que sabemos sobre os descendentes de Pancho Villa?

 

Que gostam de comida picante, já vimos.

Têm praias afamadas, já sabemos.

O passado é rico em referências Maias ao invés de um presente cheio de reverências à Maya, como acontece em Portugal, não se sabe porquê.

 

Diz também que são especialistas em saltos, seja arame farpado nas fronteiras com os Estados Unidos, seja para as águas quentes de Acapulco.

 

Ah, é verdade.

Há aquela coisa da hola.

Uma multidão ululante em torno de um acontecimento desportivo que, a dado momento, alça o rabo e levanta os braços.

 

Mas os braços levantam-se para quê?

Para colocar aquelas máscaras de protecção contra perdigotos mortais.

 

Era um código só decifrado agora, quase 25 anos depois do Mundial de Futebol do México, onde terá aparecido a hola pela primeira vez.

 

E é aqui que a porca torce o rabo.

Vamos esperar mais 25 anos para que os mexicanos enviem outro sinal à humanidade?

Poderá ser tarde.

 

Proponho que um grupo mais afoito siga este Verão para Cancun, desta vez não para trabalhar para o bronze, mas para trabalhar em prol da humanidade.

Vamos descobrir o que se passa.

Vamos saber mais.

Vamos conseguir.

 

Yes, we Cancun.

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 09:30
link do post
6 comentários:
De Luísa a 1 de Maio de 2009 às 16:09
Tem razão o seu familiar ancião sobre os perigos da gula por bodegas mexicanas. E tem razão o João sobre os perigos dos «porcalhões que espirram sem pôr a mão à frente da boca». Inocentes nisto tudo só mesmo os porcos propriamente ditos. Depois deste seu oportuno e profundo «post» sobre «A Gripe Soez», impõe-se, João, um «post» muito revoltado sobre «O Caso Suez». Pois não é que no Egipto, à conta desta gripe, erradicaram o desgraçado suíno do número das espécies locais!!!
De Ana Vidal a 2 de Maio de 2009 às 12:06
Não bastava a depressão em que todos andamos, ainda tínhamos de ser achincalhados com uma gripe "suína"? Não há direito, tens razão! ;-)

beijo
De DaLheGas a 6 de Maio de 2009 às 21:13
lolll tu tens piada mulher
De DaLheGas a 6 de Maio de 2009 às 21:15
ah não eras tu Vidal, ehehehe João, obrigada :)
De Ana Vidal a 7 de Maio de 2009 às 01:15
Claro que não era eu, DaLhe... comparada com o João Paulo não tenho graça nenhuma!
De filomeno a 9 de Maio de 2009 às 12:10
Méjico Lindo y Querido.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds