Quinta-feira, 16 de Abril de 2009

As artes e os varões assinalados...

E quem disser que isto não é Arte, é porque mente!

 


Adenda, em resposta à provocação da RF sobre a prática desta arte em autocarros:

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 17:37
link do post
24 comentários:
De Margarida a 16 de Abril de 2009 às 18:00
Demais...
De Ana Vidal a 17 de Abril de 2009 às 20:43
Em todos os sentidos, Margarida... :-)
De RF a 16 de Abril de 2009 às 18:26
Ora! Foi minha aluna!
De Ana Vidal a 17 de Abril de 2009 às 20:43
Mas ficou aprovada com distinção, tens de admitir...
De Mad a 16 de Abril de 2009 às 19:27
Caramba!!! Alguém sabe onde se aprende?...
De Rita Ferro a 16 de Abril de 2009 às 19:52
Começa-se no autocarro, a ir para o liceu...
De Mad a 16 de Abril de 2009 às 20:31
Ah bom!, pensei que era ali mais pró lado do Caixodré... :)
De Luísa a 17 de Abril de 2009 às 01:17
Pois eu, nos meus autocarros, não tinha espaço para aqueles requebros, Rita. Em que número é que andava? ;-D
De Rita Ferro a 17 de Abril de 2009 às 01:23
38 :-))
De Ana Vidal a 17 de Abril de 2009 às 20:44
A propósito deste teu comentário, já vou acrescentar ao post uma fotografia. Ora Vê...
De RF a 17 de Abril de 2009 às 23:10
Já vi? Vês? Treinavam-se todas no 27 e no 38! E tu não eras nada mal, se não me falha a memória!! Ahahahahahahahaha!
De Ana Vidal a 17 de Abril de 2009 às 23:12
E ainda faço umas flores, quando o "rómático" não aperta... lol
De mike a 16 de Abril de 2009 às 22:48
É arte sim senhora. E é uma arte mais interessante que aquela com que a Rita nos presenteou no post anterior. lol
De Rita Ferro a 16 de Abril de 2009 às 23:44

«Contra os canhões, marchar, marchar...» - Não é, Mike?
De mike a 17 de Abril de 2009 às 00:30
lol
De Luísa a 17 de Abril de 2009 às 01:20
Não vou desmentir, Ana. Estes seis minutos deixaram-me sem forças para tanto. ;-)
De Ana Vidal a 17 de Abril de 2009 às 20:52
Num autocarro perto de si, Luísa... o meu era o 27!
De Luísa a 18 de Abril de 2009 às 01:07
Pois o meu, Ana, era o 3 e tinha dois andares... ;-D
De Ana Vidal a 18 de Abril de 2009 às 01:14
Ena, Luísa... isso já corresponde a um mestrado! ;-)
De Pedro Barbosa Pinto a 17 de Abril de 2009 às 10:13
Arte circense e da boa, Ana.
Vi até ao fim e, não, não foi na esperança de ver a menina despir qualquer coisa mais do que o casaquinho e o chapéu! Foi a criança que há dentro de mim que tinha a esperança que depois dela entrassem os palhaços.
De Ana Vidal a 17 de Abril de 2009 às 20:53
LOL.
Pedro, não duvide de que entram sempre os palhaços, depois disto... ;-)
De Pedro Barbosa Pinto a 18 de Abril de 2009 às 11:02
TOUCHÉ! :-)
De Shi a 17 de Abril de 2009 às 19:06
Se eu começar hoje, acho que antes de morrer consigo tirar o chapéu com a graça que a moça consegue... rs. Arte pura! :-D Bjo!
De Ana Vidal a 17 de Abril de 2009 às 20:59
Ora, Shi, aposto que ela nunca saberá escrever como você! A cada um a sua arte... :-)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds