Sexta-feira, 10 de Abril de 2009

Lapsus Linguae

João Paulo Cardoso

Carta ao Coelho da Páscoa

 

Caro, ann... coelho:

Eu sei que não é costume escrever cartas ao Coelho da Páscoa ou a qualquer outro coelho, em primeiro lugar porque os coelhos não sabem ler e só servem para fazer caganitas redondinhas enquanto fornicam como se não houvesse amanhã.
Peço desculpa mas é o que eu acho dos da sua laia.

E se vocês soubessem ler, com esses olhinhos vidrados de quem mastiga palhinhas ilícitas, decerto seriam míopes e toda a gente sabe que não há óculos que sirvam para coelhos, derivado de terem os abanos espetados para cima e não do lado esquerdo e direito da cabeça como nós.
O mais que poderia ser feito, seria criar uma bandolete com óculos mas já tentaram isso para o Nuno Gomes acertar com as balizas contrárias e nada feito.

Em segundo lugar, não se escrevem cartas a si, Coelho da Páscoa porque vossemecê tem todo o ar de que não existe.
Desconheço a capacidade de os coelhos desatarem a pôr ovos, mais para mais, de chocolate. Há-de convir que essa habilidade não convence ninguém e, a ser verdade, já vossemecê trabalharia a recibos verdes com o Victor Hugo Cardinali.

Defender-se-á o meu caro dizendo que tudo isto existe na Ilha da Páscoa, aquele lugar com umas cabeçorras quase maiores do que o ego do Mourinho, mas ainda assim não me convences, ó espécie de ratazana com espanador na cauda.
E hei-de ir a essa ilha averiguar tudo muito bem como se fosse da ASAE, deixa-me só tirar o passe L-666 e embarco num cargueiro rumo ao sul.

De aldrabões está o mundo cheio e
só te fazia bem seguires o exemplo do teu primo, o coelho da Playboy.
Esse sim, é um coelho que trabalha no duro, embora temos que convir que é quase impossível ficar mole diante daquelas coelhinhas boazonas com rabos redondinhos e mamilos espetados como canivetes na noite do Porto.

Pois esse coelho malandro da Playboy tem revistas, canais de televisão e merchandising variado. E os teus ovos de chocolate?
O mais que conseguem são umas prateleiras nos Modelos e nos Feiras Novas.
E umas cáries nos dentes dos putos amarfanhadores de bostas açucaradas como gomas com formato de lagarta das couves.


Alegará o excelentíssimo que há muito mais coisas que não fazem qualquer nexo na Páscoa, como não se poder comer carne na Sexta-feira Santa e depois desatar tudo a comer cabrito e borrego.
Ora... se vossemecê está com inveja de não ser comido por milhões de pessoas, ponha-se na fila atrás do José Castelo Branco e do Cláudio Ramos.
Não me venha para aqui com desejos frustrados.
Oriente-se.
Sente-se em cima de uma cenoura, ou outra coisa qualquer, quero lá saber.

A cerimónia do lava-pés?
Esta nem deveria comentar... que culpa tenho eu se é um roedor tão badalhoquito, valha-lhe Deus, que não lava os pés como todos nós?
Imagino a porcaria que vai para aí agarrada a essas patas compridas.

Quanto ao facto de Jesus Cristo ter ressuscitado nesta altura e só falar com a Alexandra Solnado, não seja herege por favor. Se ninguém põe a vista em cima do Messias é porque ele anda à procura da Maddie por esse mundo fora.

E em relação ao facto de existir a tradição de comer um bolo chamado folar, que tem um grande ovo no meio da testa como se fosse um ciclope, fique a saber o orelhudo que existem galinhas tibetanas capazes de cagar ovos cozidos no meio de um bolo fôfo.
Isto dá-se na mesma quinta onde as amendoeiras dão amêndoas coloridas com uma generosa calda de açúcar à volta.

Agora... Coelho da Páscoa? Nan... isso não existe.
Deixe-se de enganar as pessoas e arranje um emprego a sério, na polícia, por exemplo.
Assim poderá descobrir quem tramou Roger Rabbit.

 

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 09:30
link do post
7 comentários:
De Pedro Barbosa Pinto a 10 de Abril de 2009 às 10:36
LOL & LOL
20 VALORES!
De Ana Vidal a 10 de Abril de 2009 às 13:30
Também acho, Pedro. O nosso JP superou-se, desta vez! :-)
De Pedro Barbosa Pinto a 10 de Abril de 2009 às 21:02
:-) Beijinho e boa Páscoa Ana.
Boa Páscoa para todos.
De Ana Vidal a 10 de Abril de 2009 às 21:49
Para si também, Pedro.
Um beijinho
De Si a 10 de Abril de 2009 às 18:22
Já não se pode ser coelho nesta terra!!
Vou pegar na lista telefónica e avisar uns quantos....
: ) : )
De Luísa a 11 de Abril de 2009 às 01:30
Meu caro João Paulo, saiu alguém ileso desta sua correspondência com o láparo? Entre o Nuno Gomes, o José Castelo Branco e as noites tripeiras, poupou alguém? É extraordinário o humor das suas associações, porque são inesperadas mas, ao mesmo tempo, tão a propósito! Um texto com que, como sempre, me diverti imenso.
Com ou sem coelho, votos de uma excelente Páscoa! :-)
P.S.: … Lembrando, ainda assim, que o tempo está para os coelhos, com a nova lei da «parentalidade»… ;-D
De ritz_on_the_rocks a 11 de Abril de 2009 às 17:14
... sim... sim... muita piada
:-)
bjs

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds