Segunda-feira, 6 de Abril de 2009

Porque hoje é... Måndag

 

Os meus actores favoritos:

 

Geoffrey Rush

 

publicado por Ana Vidal às 00:15
link do post
10 comentários:
De fugidia a 6 de Abril de 2009 às 10:09


Hum... e eu á procura de boas vistas...
De Ana Vidal a 6 de Abril de 2009 às 21:43
sorry... :-)
De mike a 6 de Abril de 2009 às 19:00
Excelente escolha, Ana.
De Ana Vidal a 6 de Abril de 2009 às 21:45
Óptimo actor, também acho. Inesquecível em Shine (e não só).
De mike a 6 de Abril de 2009 às 23:49
E em Elizabeth, Shakespeare i Love e nos Piratas das Caraíbas. Na linha de outros excelentes actores australianos.
De Luísa a 6 de Abril de 2009 às 22:58
Ana, tive de ir consultar a Wikipédia para identificar os filmes em que ganhei a familiaridade que tenho com a figura. O Alfaiate do Panamá foi o que me saltou logo à vista. Mas também me lembro dele numas quantas personagens históricas em filmes relacionados com a era «elisabethiana». Tenho ideia de um actor sóbrio e convincente nesses vários papéis, às vezes um bocadinho formal, e sem relevante «sex appeal»… ou sem o necessário, pelo menos, para que se me fixasse na memória de forma menos vaga. Mas, lá está, os critérios de selecção são os que são. Não vi o Shine e parece que fiquei a perder... :-)

De Ana Vidal a 6 de Abril de 2009 às 23:13
Ah, Luísa, não deixe de ver o Shine: é o papel da vida dele e até lhe deu o oscar nesse ano. É um grande filme, sobre uma história verídica, que ele interpreta primorosamente.

Quanto ao resto, concordo... não deixa grande memória. ;-)
De fugidia a 6 de Abril de 2009 às 23:52
Adorei o "sem relevante «sex appeal»…"

A Luísa escolhe tão bem as palavras certas!
:-) :-) :-)
De Pedro a 7 de Abril de 2009 às 12:55
no Shine é um portento
De espumante a 7 de Abril de 2009 às 15:45
o inesquecível alfaiate do Panamá...

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds