Quarta-feira, 1 de Abril de 2009

Sabedoria


 
Y uno Aprende
 

Después de un tiempo,
uno aprende la sutil diferencia
entre sostener una mano
y encadenar un alma,
y uno aprende
que el amor no significa acostarse
y una compañía no significa seguridad
y uno empieza a aprender...
Que los besos no son contratos
y los regalos no son promesas
y uno empieza a aceptar sus derrotas
con la cabeza alta y los ojos abiertos
y uno aprende a construir
todos sus caminos en el hoy,
porque el terreno del mañana
es demasiado inseguro para planes...
y los futuros tienen una forma de caerse
en la mitad.
Y después de un tiempo
uno aprende que si es demasiado,
hasta el calorcito del sol quema.
Así que uno planta su propio jardín
y decora su propia alma,
en lugar de esperar a que alguien le traiga flores.
Y uno aprende que realmente puede aguantar,
que uno realmente es fuerte,
que uno realmente vale,
y uno aprende y aprende...
y con cada día uno aprende

 

(Jorge Luis Borges)

 

 

publicado por Ana Vidal às 18:30
link do post
18 comentários:
De DaLheGas a 1 de Abril de 2009 às 19:18
ohhh pááá precisava de ler isto hoje Vidal. Acertaste na mouche que de ontem a hoje dei em cismar nas derrotas e põe-se-me um nó na garganta que julgo que ando de gravata :) beijo minha flor.
De Ana Vidal a 1 de Abril de 2009 às 19:57
Então ofereço-to, miúda. Mas anima-te: a ti, até as gravatas ficam bem!
beijos
De JdB a 1 de Abril de 2009 às 19:37
Bom, muito bom. Com uma actualidade invejável. Como também é invejável a "simplicidade" e a beleza destas linhas. Subscrevo inteiramente a alegria e a satisfação da DalheGas.
Obrigado,
De Ana Vidal a 1 de Abril de 2009 às 19:59
É um dos meus poemas preferidos, por tudo isso. E um bom guia de vida.
Como só o Borges, e poucos mais...
De Luísa a 1 de Abril de 2009 às 20:16
Ana, depois de uma leitura atenta – com uma única consulta ao dicionário – só tenho a comentar que acabo de fazer mais uma das muitas aprendizagens diárias, e com especial gosto. :-)

De Ana Vidal a 1 de Abril de 2009 às 23:50
Terá sido "acostarse"? :-)
Quanto à aprendizagem, Luísa, ainda bem. Dá gosto quando é feita assim, não é? Porque "los futuros tienen una forma de caerse
en la mitad", o melhor é aprendermos o mais possível, quanto antes... :-)
De Manecas a 1 de Abril de 2009 às 21:12
Obrigado Aninhas, nunca tinha lido mas é uma maravilha.
São daqueles poemas que nos elevam.

Eu fico-me pela admiração.

Tu tens o dom de o interiorizares na tua alma de poetisa.

Beijinhos e muito obrigado!
De Ana Vidal a 1 de Abril de 2009 às 23:52
Pára de me envergonhar, Manecas!
Beijinhos e eu é que agradeço. :-)
De RF a 1 de Abril de 2009 às 22:56
Y uno aprende con ti, Ana...
De Ana Vidal a 1 de Abril de 2009 às 23:56
Con el gran Borges, niña.
De mike a 2 de Abril de 2009 às 00:07
Sabe do que fala, este senhor. E tu sabes escolhê-los a dedo, Ana. :)
De Ana Vidal a 3 de Abril de 2009 às 01:23
Mike :-)
De marie tourvel a 2 de Abril de 2009 às 03:37
Borges sempre maravilhoso. Obrigada por postar, Ana, querida. :)

Beijos!
De Ana Vidal a 3 de Abril de 2009 às 01:23
Beijos, Marie. Já lá vou espreitar isso.
De marie tourvel a 2 de Abril de 2009 às 13:16
Tem um prêmio pra você lá nas minhas "letras". ;)

Beijos!
De Meloes a 2 de Abril de 2009 às 13:57
Muito bom, e que bem encaixa nos dias de hoje.
E e sempre bom lembrar que e assim que quero pensar, sempre.
Obrigado.
Beijos
De Ana Vidal a 3 de Abril de 2009 às 01:27
Um beijo, Meloes. Tens razão, convém lembrar que é assim que queremos pensar.
Beijo
Ainda está muito frio aí em Londres?
De Meloes a 4 de Abril de 2009 às 16:05
Felizmente esta sol e uma temperatura muito agradavel.
Beijos

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds