Quarta-feira, 1 de Abril de 2009

Sou sincera

Rita Ferro

 

Como é que ninguém

tinha pensado nisto?

 

Além de tudo o que me diverte na promoção deste electrodoméstico espertíssimo – por exemplo: ver os homens sujeitos às mesmas sevícias das senhoras, para disfarçar complexos, ou sabê-los penitentes dos seus caracteres sexuais primários, imaginando-nos repugnadas por eles e a trocá-los por corpos macios, lustrosos e imberbes -  gosto do recurso ao figurino latino para afastar a ideia de que a natureza do serviço pode não ser digna de um macho exuberantemente heterossexual.

 

Não acham amoroso?

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 01:03
link do post
59 comentários:
De Jorge Antunes a 1 de Abril de 2009 às 10:21
Olhe, Rita Ferro.
Confesso que tive alguma dificuldade em ver o vídeo Não pela minha masculinidade - ou ausência dela -, mas porque me distraí com o acento italiano do cavalheiro que fazia a locução. É sempre uma sonoridade inolvidável ...
Depois encantou-me o artefacto: não se imagina um pelo resistente a enrolar-se nos elementos cortantes, não se vislumbra uma pele assanhada, não se prevê uma artrose pela posição menos ergonómica, não se presume uma tarefa demorada. E digo-lhe mais: pela extensão notável que o gingarelho pode assumir, imagino uma turista malcheiroso numa rede brasileira a pedir a uma indígena: faz-me um cafonéééééé E ela, zás! de um estojo em veludo azul escuro retira a máquina, abre-a e, a uma distância confortável, coça umas costas sebosas, para deleite do cavalheiro, que se antevê afagado e depilado.
Irei comprar esta "coisa" para oferecer a um primo que, diziam, tirava a T-shirt e ficava de samarra, tal a floresta na zona dorsal.
De Jorge Antunes a 1 de Abril de 2009 às 10:23
Onde está "uma turista" leia-se "um turista". Obviamente.
De RF a 1 de Abril de 2009 às 11:58
Bom, Jorge, e se esta madame loira, naquele quarto de hotel pindérico, já esboça aquele ar contrariado por abraçar este rapaz atlético, de fraca pilosidade, que reacção teria ante a visão da samarra do seu primo?? Nem quero imaginar! Pelas minhas contas, soltaria o mesmo grito da rapariga do chuveiro, no filme Pshyco, lembra-se? A propósito: o seu primo não é o Tony Ramos, não?
De José António Barreiros a 1 de Abril de 2009 às 10:36
Coitados dos homens que sofrem do complexo da pilosidade, ainda por cima, associando-se os seus efeitos à virilidade e à longevidade. É uma tragédia. Imagine-se o mesmo aplicado às unhas! Então, só cortando-as a cutelo. Arre macho!
De RF a 1 de Abril de 2009 às 12:08
É tudo confrangedor, JAB. Depilamo-nos com medo de que vocês nos achem masculinas, e alguns de vocês fazem-no receando que vos achemos primatas. No entanto somos - vocês e nós - primatas. Triste denegar a nossa natureza, não é? É o que eu digo: não somos daqui... Se fossemos, não nos envergonharíamos do que somos... Ah, a vida. A vida!
De Ana Vidal a 1 de Abril de 2009 às 11:09
Gostei sobretudo dos "finishing touches", com uma ar de vitória final do macho latino, já depenado. E o aparelhómetro pode ser multi-usos: uma esfregona na lâmina e serve para lavar janelas altas! :-)
De RF a 1 de Abril de 2009 às 12:11
Mas olha que para as económicas que se depilam a gilette também poupa muita flexão... Não achas? LOL
De Manuel Bobone a 1 de Abril de 2009 às 11:31
Este tipo de coisas supérfluas mas que podem bem ser desejadas, está sempre mais bem entregue em outras mãos que não as nossas.
Self service , só em ultimo recurso. Só dá trabalho, enquanto que a alternativa pode e deve dar alegria a dois.
Exemplo típico, e não muito distante deste, coçar as nossas costas.
Quão melhor quando não somos nós a fazê-lo!
De RF a 1 de Abril de 2009 às 12:14
Boa ideia, Mané: até podes comprar isto para dares no Natal a uma senhora que faça gosto em depilar-te ou coçar-te as costas - que me dizes? Até já tenho uma ideia! Lembra-me de te sugerir uma voluntária prestável e aprazível...
De DaLheGas a 1 de Abril de 2009 às 12:21
Bela geringonça. Porque quando o tipo de fartar, dá para aparar borbotos de camisolas, lã em tapetes e caracóis a caniches.
De RF a 1 de Abril de 2009 às 12:46
Ah, Dalhe, só tu para me fazeres rir hoje a este decibel! Tosquiar caniches é muito bom! Sê bem aparecida, aqui na Ana! Ó Ana, olha aqui a Dalhe, tão querida, a visitar-nos! Que é feito de ti, raparigo? Não era assim que o teu pai te chamava? Em galego também se usa «rapaça». E penso que em mirandês também. Bom, vou almoçar. Gostas de sopa de tomate verdadeira? Com ovo? Bom, para começar, é claro...
De Ana Vidal a 1 de Abril de 2009 às 12:51
Sopa de tomate?? Com ovo?????? Nããããão! Hoje é melhor não lhe tocares... espera, já lá vou ter. Enlouqueceste?

(pergunto-me o que o que estará a pensar quem nos leia aqui...) :-)
De patti a 1 de Abril de 2009 às 17:53
Eu adoro, Ana! O ovo fica assim a modos que... entre o escalfado e o quente desmaiado.
De DaLheGas a 1 de Abril de 2009 às 14:35
tchhhhh não era para fazeres alarde. devo um texto à Vidal há meses, não me obrigues a confrontá-la. diz que quer uma prosa que fale de portas a bater com o vento, é pá uma coisa tão estranha que nem sei por onde lhe hei-de pegar...
De Ana Vidal a 1 de Abril de 2009 às 21:06
lololol
Já me deves vários, Dalhe... esqueceste-te dos juros? Mas deixa lá... já tudo o vento levou.

De mike a 1 de Abril de 2009 às 21:51
Eo gosto!!! Muito!!! É a minha sopa preferida (e tem que ter ovo). Posso esmagar uma malagueta no prato antes de deitar a sopa? :D
De RF a 1 de Abril de 2009 às 22:05
Nãooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
De mike a 1 de Abril de 2009 às 23:48
Humprfft! :(
Sou sincero: desmancha-prazeres!
De Ana Vidal a 1 de Abril de 2009 às 23:58
LOL
De Luísa a 1 de Abril de 2009 às 12:29
Acho, Rita, acho amorosíssimo: a voz latina, «agigolada», como selo de garantia de masculinidade «praticante». O próprio aparelhómetro também tem um formato um tanto «rude», com o seu cabo grosso e os seus metais, nada da leveza de plásticos que se imaginaria no arsenal de beleza de um «metro» e afins. Mas, apesar de tudo, vendo-lhe a languidez com que se rebola na areia e o gesto irritado com que afasta dos seus vagos tufos de pêlo a mão feminina (fazendo parecer que, mais do que adivinhar a repugnância dela, é ele mesmo que está repugnado), qualquer coisa me diz que temos aqui um homem muito «desencontrado». ;-D
De RF a 1 de Abril de 2009 às 12:48
Ah, Luísa, que subtileza deliciosa a sua! Já tinha ouvido muitas expressões e metáforas, mas «desencontrado» é excelente! Maravilha, Luísa, maravilha! Ahahahahah!
De marie tourvel a 1 de Abril de 2009 às 13:15
Rita, minha querida, eu confesso que gosto dos homens que são homens. E isso inclui pêlos, muitos pêlos, às vezes. Metrossexual comigo não tem muita vez, não. ;)

Beijos!
De RF a 1 de Abril de 2009 às 13:23
Eu ainda vou mais longe, Marie: os homens mais bonitos do mundo são os nossos. Lindos ou feios, com ou sem pêlos. Os nossos, Marie. Os nossos! Beijo para si, querida Amiga que tenho absolutamente que conhecer! Beijo!
De mike a 1 de Abril de 2009 às 13:58
Sou sincero: não acho nada amoroso, ora!
De RF a 1 de Abril de 2009 às 14:50
Um dia veremos qual de nós é mais sincero. Num duelo. Marque dia e hora. Escolha a arma. Ah! Sou sincera: prefiro pistolas ao anoitecer. Pum. Pum. Pum. E de ser a primeira a morrer. Pelo menos até agora tem sido assim :-))
De mike a 1 de Abril de 2009 às 21:49
Sou sincero: não sei se gostei mais do comentário ou do post. Pum. Pum. Pum. Falhei os três tiros que a queremos viva e sincera. :)))
De RF a 1 de Abril de 2009 às 21:55
Urgente: prefere uma cega ou uma assassina?
De mike a 1 de Abril de 2009 às 23:49
Uma assassina cega.
De Ana Vidal a 1 de Abril de 2009 às 23:59
Perigosíssimas, Mike... matam quase sempre a vítima errada! :-)
De mike a 2 de Abril de 2009 às 00:10
Uff! Ainda bem Ana, que eu sou a vítima certa. (gargalhada)
De Ana Vidal a 2 de Abril de 2009 às 01:57
Agora tiveste graça!
De Anónimo a 1 de Abril de 2009 às 15:21
Até parece que são só as senhoras que são sujeitas a sevícias depilatórias. Então e nós (os homens de barba rija) que estamos diariamente espostos à necessidade de fazer a barba para não nos assemelharmos um pouco que seja com o Serge Gainsborough (ou lá como é que isto se escreve)? Admito que usamos para o efeito objectos bem mais prosaicos que os instrumentos usados pelas senhoras e pelo actor do video. Mas a finalidade é a mesma: é sentir a mulher do anúncio às lâminas da barba (um qualquer)a fazer-nos uma carícia e a dizer quão macia se apresenta a nossa cútis facial.
E só para valorisar este meu comentário posso acrecentar que, deste fim do mundo tecnológico em que me encontro, demorei quatro horas (!!!) a abrir as várias páginas até chegar ao filme.
Beijos zimbabweanos
De RF a 1 de Abril de 2009 às 15:47
Grande JdC, tardou mas arrecadou! Com ou sem barba, venha de lá esse abraço! Grande excitação por aqui com o seu comentário, as meninas correram a depilar-se, a esticar os cabelos, a espalhar creme nas pernas e nos cotovelos, a disfarçar as olheiras, a comprar lingerie fina nas Amoreiras, a contornar os lábios com lápis, a substituir as sapatilhas por saltos altos! Não é todos os dias que um diplomata com a sua categoria nos visita, compreende? E como vão os amores em tempo de cólera? Olhe, a propósito, soube hoje pelo blogtailors que o Garcia Marquéz vai deixar definitivamente de escrever - estou de luto. Espero que, pelo menos, você não deixe! Beijos estorilenses eivados de saudades, sua R.
De Ana Vidal a 1 de Abril de 2009 às 21:11
Quanta honra, senhor embaixador! Seja muito bem-vindo a esta humilde palhota... (ups, juro que não era piada!) lol
um beijo intercontinental!
De luis eme a 1 de Abril de 2009 às 17:09
Olá Rita!

nem o que te diga em relação ao filme. devo ser um "macho" à antiga, pois para tirar pelos chega-me o rosto...

a minha experiência diz-me que não devemos passar muito cartão às pilosidades, caso contrário, aumentam as comichões e as taras semanais...

felizmente não tenho conhecido (ou pelo menos disfarçam...) mulheres que gostam de homens sem pelo...

bjs
De RF a 1 de Abril de 2009 às 18:28
Boa, Luís, mantém-te com essas mulheres! E obrigada pela visita! Estou sempre por aqui, às quartas! Abraço para ti, e... bons livros!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds