Segunda-feira, 23 de Março de 2009

Amigo é casa

 

Amigo é casa

 

Amigo é feito casa que se faz aos poucos
e com paciência pra durar pra sempre
Mas é preciso ter muito tijolo e terra
preparar reboco, construir tramelas
Usar a sapiência de um João-de-barro
que constrói com arte a sua residência
há que o alicerce seja muito resistente
que às chuvas e aos ventos possa então a proteger
E há que fincar muito jequitibá
e vigas de jatobá
e adubar o jardim e plantar muita flor toiceiras de resedás
não falte um caramanchão pros tempos idos lembrar
que os cabelos brancos vão surgindo
Que nem mato na roceira
que mal dá pra capinar
e há que ver os pés de manacá
cheínhos de sabiás
sabendo que os rouxinóis vão trazer arrebóis
choro de imaginar!
pra festa da cumieira não faltem os violões!
muito milho ardendo na fogueira
e quentão farto em gengibre
aquecendo os corações
A casa é amizade construída aos poucos
e que a gente quer com beira e tribeira
Com gelosia feita de matéria rara
e altas platibandas, com portão bem largo
que é pra se entrar sorrindo
nas horas incertas
sem fazer alarde, sem causar transtorno
Amigo que é amigo quando quer estar presente
faz-se quase transparente sem deixar-se perceber
Amigo é pra ficar, se chegar, se achegar,
se abraçar, se beijar, se louvar, bendizer
Amigo a gente acolhe, recolhe e agasalha
e oferece lugar pra dormir e comer
Amigo que é amigo não puxa tapete
oferece pra gente o melhor que tem e o que nem tem
quando não tem, finge que tem,
faz o que pode e o seu coração reparte que nem pão.

 

(Para todos os meus amigos: os meus apartamentos, águas-furtadas, lofts, casas de praia, de campo, de cidade, barracas, tendas, mansões, solares, palácios, quintas... enfim, o meu maior luxo é ter-vos como abrigos!)

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 23:50
link do post
13 comentários:
De Mad a 24 de Março de 2009 às 02:01
Aiiiiiii...
De Ana Vidal a 24 de Março de 2009 às 12:16
Lindo, não é? :-)
De Luísa a 24 de Março de 2009 às 02:32
Estava a pensar no que são para mim os amigos, Ana. E são isso mesmo que diz, abrigos de compreensão e de aceitação. Que mesmo quando nos criticam, não nos querem realmente mudar. Nem nós a eles. :-)
Gostei da música e da interpretação. São duas boas vozes.
De Ana Vidal a 24 de Março de 2009 às 12:16
É assim mesmo que os vejo, Luísa, por isso gostei tanto desta canção. Além das vozes da Simone e da Zélia, que adoro. :-)
De Margarida a 24 de Março de 2009 às 09:53
Minha linda Ana, lá vou eu surripiá-la...
Xi-coração do tamanho de... uma casa!!!!
De Ana Vidal a 24 de Março de 2009 às 12:38
Outro, Maggie! :-)
De maria a 24 de Março de 2009 às 11:29
também falei de amigas no blog ainda há uns minutos... porque precisamos e gostamos deles
xi
maria de são pedro
De Ana Vidal a 24 de Março de 2009 às 12:56
A frase é estafada, Maria, mas os amigos são mesmo a família que escolhemos. Por isso são tão importantes (ou mais ainda) do que a nossa própria família. :-)
De Pedro Barbosa Pinto a 24 de Março de 2009 às 12:37
Cada vez gosto menos da cidade!
Nas cidades o que mais se vê são casas podres, que desmoronam ao menor abalo ou até por causa duma simples intempérie.
Pior ainda são as casas reconstruídas, que parecem lindíssimas, mas entramos e logo vemos que afinal apenas a fachada é bonita. Por dentro são apenas casas práticas, adaptadas a vidas apressadas e predispostas a uma mudança rápida se houver conveniência.

Muito bonito o post, Ana.
Beijinho
De Ana Vidal a 25 de Março de 2009 às 20:55
Há casas sólidas e casas podres em todas as paisagens, Pedro! Na cidade também, embora a vida seja mais apressada e o tempo para gozá-las seja menor...

beijinho :-)
De Manecas a 24 de Março de 2009 às 15:55
Com este tema...ainda por cima cantado...!

"Amigo que é amigo não puxa tapete
oferece pra gente o melhor que tem e o que nem tem quando não tem, finge que tem,
faz o que pode e o seu coração reparte que nem pão."

É isso aí minha amiga!

Beijões
De Ana Vidal a 25 de Março de 2009 às 20:56
Sei que sabes, amigo.

Beijos!
De JuliaML a 27 de Março de 2009 às 10:48
que lindo, Ana!...Amigo é o melhor abrigo,sim!

um beijo!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds