Sexta-feira, 20 de Março de 2009

Lapsus Linguae

João Paulo Cardoso

 

 

De volta aos neons

 

Já terminou o prazo para os que ainda entregam o IRS em papel, um dos momentos menos edificantes da história colectiva de escrita manual, muito distante do que representou, por exemplo, salvar o manuscrito dos "Lusíadas" da sanguinária voracidade intelectual dos tubarões, há cinco séculos.

 

Pergunto-me como é que hoje somos um número, ou uma soma deles, quando antes éramos delirantes traços multicolores nas paredes da sala dos nossos pais.

Fomos neons exuberantes, somos meros post-its.

 

No meu caso, tudo começou no ventre materno.

Sabem alguns que a minha mãe foi operada em Fevereiro.

Médicos-arqueólogos descobriram nessa ocasião alguns gatafunhos escritos entre 1970 e 1971 e há até quem jure ter lido a expressão "Abaixo Salazar".

Sim, porque nesta altura, ao invés de dentadura, eu tinha ditadura e havia que tomar posição desde cedo.

 

Vieram depois os grafitis nas paredes do quarto e da sala.

Os tais neons de infância, rapidamente censurados pela esponja azul do papá e da mamã, gente sem sensibilidade artística que ao invés de bater palmas ao meu belo traço verde, batiam com o chinelo no meu rabo até este ficar vermelho.

 

Foi sobretudo nas escolas que aprendi a escrever coisas como "a, e, i, o, u" ou o clássico "pa-ta, pe-ta, pi-ta, po-ta" e o resto que soube depois.

 

Foi também nas escolas que comecei escrever bilhetinhos às meninas mais engraçadas e não, não estou a falar das que contavam anedotas ou escorregavam em cascas de banana.

 

Podiam ser pedaços de emoções pouco eficazes ao nível da mensagem, mas um primor em matéria de correcção ortográfica, bem diferente de um "Vamox kurtir bué" em sms, que depressa pôs fim ao charme de uma declaração de amor em imperceptível caligrafia de autor.

 

Eu não gostava de ser um sms.

Se me fosse dado a escolher, também não seria um nome no recenseamento eleitoral, uma assinatura numa declaração de amizade pós-acidente de viação, um número no modelo de IRS, nem sequer uma mensagem romântica em tarja arrastada no céus por avião pago com assinatura em cheque generoso.

 

Não seria tão pouco letrinha valiosa no tal manuscrito dos "Lusíadas", rascunho de Shakespeare ou notas amestradas numa pauta de Mozart.

 

Não.

Procurando contribuir para voltar a edificar a história colectiva de escrita manual, eu gostava era de ser um autógrafo do Tony Carreira na maminha de uma fã.

 

Ou, melhor, uma cábula nas pernas de uma universitária de saia curta, com preferência para uma frequência de Química, daquelas que exigem a transcrição de fórmulas desde o tornozelo até à rendinha da lingerie Triumph.

Tal qual um neon.

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 09:30
link do post
4 comentários:
De RF a 20 de Março de 2009 às 10:17
Estou a ver a cena: tranformado numa cábula dessas - longa, sinuosa, vertical - era a menina a copiá-lo e o professor a querer imitá-la, desorbitado! Tenha dó, João Paulo! LOL
De Pedro Barbosa Pinto a 20 de Março de 2009 às 10:22
Hummmm....

Lerei nas entrelinhas que na verdade, verdadinha, o que o João Paulo gostaria de ser era uma Elsa Raposo? Uma Cinha Jardim? Uma Lili Caneças?... Gostaria de andar por aí na boca dos homens todos?

Um abraço´:-)
De Ana Vidal a 20 de Março de 2009 às 16:04
U k tu keres sei eu... :-)

bjs
De Luísa a 21 de Março de 2009 às 12:19
Escreva as suas memórias, João Paulo, nessa abordagem mista de realidade e sonho, post-it e neon, que já tem compradora (diria até que já tem mercado!). ;-D

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds