Segunda-feira, 16 de Março de 2009

Beethoven ao pequeno-almoço

Vejam aqui o que é possível fazer-se com a 5ª sinfonia de Beethoven.

 

A história é simples: uma família japonesa discute o que vai comer ao pequeno-almoço (asagohan). Todas as opções incluem arroz, como seria de esperar, mas mesmo assim não há consenso. Finalmente, quando estão quase, quase a chegar a um acordo, já é hora de almoçar.

 

O sentido de humor japonês ultrapassa-me completamente, confesso. Mas a qualidade vocal deste grupo é excelente.

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 09:30
link do post
7 comentários:
De João Paulo Cardoso a 16 de Março de 2009 às 13:59
De facto é impossível encontrar algum sentido no sentido de humor dos japoneses...

Principalmente quando uma dezena deles, de máquina fotográfica em punho, desata a rir para o Mosteiro dos Jerónimos...

Duvido que fizessem melhor (mais pequeno, concerteza...) mas eles olham e riem sem parar.
Enfim...

Beijos.
De Ana Vidal a 16 de Março de 2009 às 14:33
JP, lembro-me dos filmes japoneses que ganhavam os festivais publicitários quando eu andava nessa vida, que invariavelmente me deixavam com cara de parva... muito bons tecnicamente, mas quase sempre incompreensíveis.
De mike a 17 de Março de 2009 às 00:00
A mim há muitas coisas que me ultrapassam, mas por manifesta diferença cultural, já que os japoneses são um povo que admiro. Mas lembro-me sempre daquele momento em que estamos a ver um filme e os ouvimos... tôôôkiôtô, tamikamurá, kôiámitáá, shiiimáázutô... e na legenda aparece... vou já. ;)
De Ana Vidal a 17 de Março de 2009 às 00:51
lol.
Sim, o problema é exactamente a diferença cultural... que inclui as diferenças no sentido de humor!

De fugidia a 17 de Março de 2009 às 00:03
lol lol lol lol lol

ai Mister, o que eu estou farta de me rir...
sorry, ana, nem consigo comentar; este Mister não existe :-)
De Luísa a 17 de Março de 2009 às 02:01
Convivi uma vez com um japonês (foi, na verdade, a única vez que convivi com japoneses) e achei-lhe um extraordinário sentido de humor. A minha dificuldade era apenas distinguir nele os sorrisos maliciosos ou bem-humorados dos sorrisos meramente polidos. Até que lhe descobri aquele brilhozinho na frincha dos olhos… :-D
Nota: Este japonês trabalhava há vários anos na sede japonesa de uma multinacional britânica e tinha contactos permanentes com a casa-mãe. Era um homem muito culto, cosmopolita, e divertidíssimo!
De mike a 17 de Março de 2009 às 19:44
Um descarado, era o que ele era... (risos)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds