Sexta-feira, 13 de Março de 2009

Ventos Amigos (40)

 

Em vão te esperei durante anos. Bastou abrir a porta que sempre me seguiu para onde quer que fosse e vi-te, ora ciclone, ora luminosa brisa. Nasceste vento: por ti lhe abri as portas e me fiz ao mundo. Deste-me a vida, e fechaste a porta. Quem não abre a porta do vento morre na calma podre da tua ausência.

 

Texto enviado por: Luís Serpa
.

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 18:30
link do post
3 comentários:
De Ana Vidal a 13 de Março de 2009 às 21:37
Assim, com duas simples palavras como mote, se faz um belíisimo texto.
Obrigada, Luís.
De Luísa a 14 de Março de 2009 às 14:04
Embora geralmente não os comente – não vá o Luís estar a dirigi-los a alguém em concreto (como será aqui o caso…) e estar eu a meter a foice em seara alheia – não sei se já lhe disse que gosto imenso dos seus «petits poèmes em prose», onde se excede no jogo dos pensamentos e das palavras. Se não disse, fica dito. :-)
De RF a 18 de Março de 2009 às 20:58
Oláaaaa... Temos Escritor!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds