Segunda-feira, 9 de Março de 2009

Poemas escolhidos - 13


 

 

Vodka e Valium 10      


Quem me espera não me espera,
Quem me ama já esqueceu. 
Quem me toca dilacera                                                          
Esta estranha primavera                                         
Que o mês de Maio me deu. 
 
Eu já nem sei o que tenho, 
Se febre, se mal ruim, 
Se este sentimento estranho     
De não ser de onde venho,                    
Comigo longe de mim.                            
  
E assim fico sentado, 
Com as algas a boiar, 
De queixo na mão pousado,    
Ó meu barquinho parado,                                      
Sem porto para ancorar.          
 
Quem me espera não me espera, 
Quem me ama já esqueceu. 
Quem me toca dilacera                           
Esta estranha primavera                                         
Que o mês de Maio me deu.    

 

 

(António Lobo Antunes)

 

 

 

publicado por Ana Vidal às 17:33
link do post
6 comentários:
De Pedro a 9 de Março de 2009 às 17:59
E Kátia Guerreiro canta-o muito bem! :)
De Ana Vidal a 9 de Março de 2009 às 19:43
É verdade, Pedro. :-)
De Margarida a 9 de Março de 2009 às 18:48
Ana, que coisa linda...
Preciso, em absoluto, de o 'roubar' daqui...
Amanhã, se entretanto não apresentar os seus protestos...
Abraço daqui.
De Ana Vidal a 9 de Março de 2009 às 19:36
Protestos? Ora, Margarida, ele é tanto seu como meu... leve-o, claro.
Beijinho
De mike a 9 de Março de 2009 às 21:33
O mês de Maio faz mesmo mal ao homem, Ana... safa... nem porto para ancorar? ;)
De Grande Jóia a 10 de Março de 2009 às 00:23
Ó Ana, postar o meu petit texto a seguir ao António Lobo Antunes...

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds