Sábado, 7 de Março de 2009

Claves de Sempre

Manuel Fragoso de Almeida

 

A música que vos proponho hoje faz parte do baú das recordações daqueles que nasceram nos anos cinquenta… Os que têm mais de cinquenta… pronto!

O vídeo que acompanha esta memória faz-nos rir se o compararmos com os actuais vídeo-clips, mas é talvez dos melhores da época…

 

É quase como os filmes que os nossos pais nos faziam, carregando as inevitáveis super-8 da época, e que, por regra, passavam por pôr os meninos e meninas a correr aparecendo de surpresa (?) da esquina do quintal ou, quando eram filmagens mesmo no exterior, de trás de alguma árvore do jardim do Casino do Estoril, ou do Jardim da Estrela…

 

Bom, mas a música dos Procol Harum tem o condão de nos transportar às garagens das festinhas de Verão, preparadas a preceito com o gira-discos portátil último modelo, os LPs, os inúmeros Singles, emprestados por uns e outros, e os magníficos e científicos jogos de luzes que mais não eram do que uma vestimenta a celofane das precárias luzes das ditas garagens…

 

Já nessa altura tínhamos preocupações ambientalistas e de poupança de energia, desligando alguma lâmpada ou abusando dos papeis encarnados e azuis com que as vestíamos. Não raro, estas preocupações que, curiosamente, nasciam na preparação da festa e terminavam com ela, motivavam o aparecimento dos donos da casa para verificação da luminosidade do ambiente, das melodias tocadas, e da ousadia dos pares nos slows mais longos.

 

O “A Whiter Shade Of Pale” cumpriu o seu papel a preceito nas férias de Verão (e nas outras festinhas dos anos sessenta e setenta…), e dele nasceram seguramente os primeiros namoros de alguns de nós, ou pelo menos a melosa e aconchegada dança com um par escolhido no momento ou já fisgado nos dias anteriores.

 

Este post tem dedicatória assumida à Isabelinha aqui da casa, que ainda hoje recorda, deleitada, uma das festinhas da Costa da Caparica em que ,embalada pelos Procol Harum, selou o seu primeiro sim com o arrojado namorado.

 

Mas ouçam e vejam… e voltem uns anos atrás, àquela festinha de despedida de mais um Verão, com a ternura, o improviso, a aventura, os pedidos de namoro, e as promessas de amor misturadas nas lágrimas de mais um adeus…    

 

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 09:31
link do post
9 comentários:
De Ana Vidal a 7 de Março de 2009 às 10:56
Tens toda a razão, Manecas. Para nossa geração, esta música evoca sempre alguma coisa... a mim, por exemplo, lembra um primeiro namorado (ambos com 12 ou 13 anos) em S. Martinho do Porto. Já lá vão uns anitos...
Beijo
De Manecas a 7 de Março de 2009 às 19:26
Pois...São Martinho do Porto guarda seguramente muitas melodias...muitas festinhas e sobretudo namoradas e namorados.

Também por lá andei...

Muitos beijinhos para a excelência!
De Luísa a 7 de Março de 2009 às 13:35
Não consigo fazer nenhuma associação a essa música, Manecas, embora me lembre dela. Se calhar, nunca cheguei a dançá-la «melosa e aconchegadamente», do que não me perdoo. ;-)

De Anónimo a 7 de Março de 2009 às 19:28
Bem tenho de descobrir umas musicas mais recentes para o imaginário das bloguitas mais jovens...!

Bjs
De Manecas a 7 de Março de 2009 às 19:30
Perdão, o anónimo sou eu, mas com a pressa e a idade...não assinei!
De Luísa a 7 de Março de 2009 às 20:02
Onde é que estão essas bloguistas mais jovens, Manecas? ;-)
Eu lembro-me muito bem desta música. Só não fui - lamentavelmente - tão precoce como a nossa Ana... ;-D
De mike a 7 de Março de 2009 às 14:48
Um clássico, sem dúvida. Mas a minha memória não me consegue transportar tanto para trás. (risos)

Luísa, calculo que quando tinha 12 / 13 anos, em S. Martinho do Porto, o DJ da Bonnie and Clyde que a embalava a si e ao seu namorado era eu. ;)
De Manecas a 7 de Março de 2009 às 19:33
A década de 60 e inícios de 70 contem muito do que de melhor se fez na música ligeira...

Uma pena para os mais jovens, sem dúvida...

1 AB
De mike a 7 de Março de 2009 às 19:46
Luísa não... Ana. As minhas desculpas. :)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds