Quarta-feira, 4 de Março de 2009

Alice no país das maravilhas

 

A poeta e letrista brasileira - e minha querida amiga -  Alice Ruiz, rendeu-se finalmente ao mundo dos blogues. É este o novíssimo endereço de Alice, para "visitas, sugestões, comentários, palpites e críticas", como ela própria anuncia. Não se admirem da lentidão das entradas e comentários, Alice ainda está a "engatinhar" neste universo. Mas, se bem a conheço, bem depressa passará de caracol a gazela.

 

Bem-vinda à blogosfera, amiga.

 

Deixo aqui dois aperitivos da sua arte poética, na forma de um poema (que está na minha antologia A Poesia é para Comer) e de um delicioso haikai, modalidade em que é mestra consagrada:

 

I.

 

SEM RECEITA*

 

Primeiro, lenta e precisamente,

arranca-se a pele

esse limite com a matéria.

Mas a das asas melhor deixar

pois se agarra à carne

como se ainda fossem voar.

As coxas, soltas e firmes,

devem ser abertas

e abertas vão estar

e o peito nu

com sua carne branca

nem deve lembrar

a proximidade do coração.

Esse não.

Quem pode saber

como se tempera um coração?

 

Limpa-se as vísceras,

reserva-se os miúdos

para acompanhar.

Escolhe-se as ervas,

espalha-se o sal,

acende-se o fogo,

marca-se o tempo

e, por fim, de recheio,

a inocente maçã,

que tão doce, úmida e eleita

nos tirou do paraíso

e nos fez assim:

sem receita

 

II.

 

Lembra aquele beijo
Corpo alma e mente?
Pois eu esqueci completamente
 

 

 

* Nunca me canso de ouvir este belíssimo poema da Alice, sumptuosamente musicado por José Miguel Wisnick. Ouçam aqui.

 

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 14:00
link do post
8 comentários:
De Ana Paula Motta a 4 de Março de 2009 às 20:47
Que a Alice Ruiz seja muito bem-vinda!! Adoro seus poemas e letras de canções.
De RAA a 4 de Março de 2009 às 22:30
Excepcional, vizinha!
Vou voltar a ler
De Ana Vidal a 5 de Março de 2009 às 10:29
A Alice tem coisas lindas, vizinho. Um dia destes ponho aqui mais coisas dela. E é uma letrista de mão cheia.
De mike a 5 de Março de 2009 às 00:08
Quem escreve assim devia escrever em prosa. ;)
E a maçã não é assim tão inocente, ora. Vou dar um salto até à morada da Alice, que fiquei curioso apesar... da poesia, pois. :)
De Ana Vidal a 5 de Março de 2009 às 10:31
O blogue dela ainda está muito no início e a navegação é complicada. Mas vai lá, sim, e diz que vais da minha parte. :-)
De marie a 5 de Março de 2009 às 02:22
Belíssimo poema e belíssima novidade esta do blogue da Alice. vou lá visitá-la. :)

Beijos!
De Ana Vidal a 5 de Março de 2009 às 10:32
Boa, Marie. Ela vive em São Paulo também.
De mike a 5 de Março de 2009 às 22:02
Oh, Sampa... as saudades que tenho de Sampa. :)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds