Quarta-feira, 4 de Março de 2009

Sou sincera

Rita Ferro

  

 

Turn off the light,

take a deep breath…

and relax




Homenagem a Gottfried Helnwein
,

poeta dos meus pesadelos.

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 09:30
link do post
26 comentários:
De anonima a 4 de Março de 2009 às 11:37
Não tem piada. De coisas horríveis já basta a política e a crise. Se vem aqui uma vez por semana para ainda nos deixar mais deprimida (o)s, não vale a pena.
De Rita Ferro a 4 de Março de 2009 às 13:04
Tem toda a razão, desculpe. Deixo-lhe uma alternativa:
http://www.youtube.com/watch?v=Fp5X4MBIbLs
De Ana Vidal a 4 de Março de 2009 às 13:12
LOL
De Jorge Antunes a 4 de Março de 2009 às 14:33
Acho tudo deprimente: a minha ignorância - quem é Gottfried Helnwein (parece prima do Häagen-Dazs, não dá para pronunciar com a boca cheia de bolachas de araruta) - o comentário da gentil anónima (a tristeza com a crise já justifica tudo, inclusive as minhas disfunções gástricas), a resposta da senhora bloguista. Nado, no fundo, ultrapassa em depressão a cançoneta interpretada pelo Sr. Denver e pela Sra. Andrews. Tragam-nos o Christopher Plummer, a família Von Trapp, a baronesa, a noviça alegre. Aposto que não ha edelweiss no Colorado. Obrigado por esta depressão - acelerou-me a digestão.
De Rita Ferro a 4 de Março de 2009 às 14:42
Eu cá não acho nada deprimente: ainda bem que há gente que não gosta do amarelo, ainda bem que há quem enfrente os seus fantasmas e ainda bem que há pessoas como você, caro Jorge, suficientemente divertidas para me lembrarem que nem tudo é trabalho e que já são mais que horas de petiscar qualquer coisa! DUAS E QUARENTA E DOIS E EU SEM ALMOÇAR??? FOGO!
De Ana Vidal a 4 de Março de 2009 às 14:44
Grande Jorge Antunes! Hoje não "se me ocorre" dizer mais nada, a não ser: LOL
De Rita Ferro a 4 de Março de 2009 às 14:46
Ana, que horror: será que engoliste um berlinde?
De Ana Vidal a 4 de Março de 2009 às 14:56
Antes um berlinde do que um sapo... :-)
De Rita Ferro a 4 de Março de 2009 às 15:14
Não te importes: quando isso acontecer passas para o blogspot - ahahahahahahhahahahahahahahahhahahahhahahahahahahahahahahahahahahahahaahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahhahahahahahahahahahahahaha!
De Ana Vidal a 5 de Março de 2009 às 02:46
Já venho de lá... e estou muito bem aqui. Este Sapo é um príncipe, e dos verdadeiros.
De Luísa a 4 de Março de 2009 às 19:39
Estas imagens, Rita, interpelam-nos de formas diversas – já se viu – e proporcionariam certamente (noutra sede) interessantes e renhidas discussões. A mim, sugeriram-me, assim de repente, duas ordens de pensamentos:
1. Sobre os pesadelos propriamente ditos: só na infância os «antropomorfizei». Sonhava persistentemente com o diabo na sua versão elegante, mefistofélica, da pêra e da capa, que me inspirava, na verdade, mais temor reverencial do que medo. Depois, na adolescência e na idade adulta, os pesadelos passaram a traduzir-se, invariavelmente, em situações de «suspense», com perspectivas de má finalização, de sonhos românticos. Nada de monstros, nem de aberrações, apenas ameaças de descalabro amoroso. Espero que a Rita não saiba fazer a leitura psicológica destas coisas… ;-D
2. Sobre os outros pesadelos: confesso que nunca consegui apreciar este tipo de imagens, qualquer que seja a modalidade artística que as utiliza. Na literatura, faço leitura muito rápida e aldrabada das páginas com descrições pormenorizadas de qualquer forma de sofrimento, violência ou tortura. E no cinema, fecho os olhos, claro. Mas fez-me agora pensar no que só podem ser limitações minhas na apreciação e compreensão da arte em geral. A minha filha, quando lhe recomendo um livro, pergunta sempre se tem romance. E eu tento explicar-lhe que a qualidade da obra não está apenas no conteúdo, mas também na forma de contar e de escrever, na técnica, no rasgo e no brilho da criatividade, etc., etc., etc. Mas parece que afinal, também eu, trinta anos mais velha, continuo ainda condicionada por uma hipersensibilidade a conteúdos. Se isso significasse juventude de espírito, seria óptimo. Mas desconfio de que não… desconfio de que é apenas falta de cultura ou gosto pouco educado. :-(
De Rita Ferro a 4 de Março de 2009 às 22:28
Sabe, Luísa, as coisas são feias ou belas consoante as ideias que nos inspiram. Na «história do feio», dirigida por Humberto Eco, ele lembra-nos que a imagem de um Cristo crucificado, sangrado e humilhado, que, a nós, cristãos, causa simpatia ou comoção, a outras religiões e culturas pode assustar ou horripilar. Não é que eu não seja provocadora e não goste, de facto, de incomodar - não lhe vou mentir. Mas a verdade é que os trabalhos que vos tentei mostrar hoje, mesmo desagradando-vos e até ofendendo-vos, são muito mais ricos, políticos e complexos do que uma simples sucessão de imagens abomináveis trazidas propositadamente para chocar. Se deprimem não sei; eu aguento bem este tipo de estaladas e enfio o barrete de todas os recados que o artista nos pretende fazer chegar. Acho-o genial, por oposição ao mundo de «beautiful people», que já enjoa! A crise e a política pertencem a outro plano, talvez ainda não o da Arte ou o da transcendência.
De Rita Ferro a 5 de Março de 2009 às 10:03
Errata 1) Umberto Eco
Errata 2) «...os trabalhos que tentei mostrar-vos»
Errata 3) tudo o resto que não detectei

(Lol: os cavalos também se abatem)
De Luísa a 5 de Março de 2009 às 16:52
Rita, aguardo, com curiosidade, a próxima «provocação», que é sempre um prazer ser forçada a pensar. :-)
De RF a 5 de Março de 2009 às 18:30
Vc é tão doce, Luísa. Só espero é que seja amada como merece. Eu cá tb sou (doce). Mas oscilo :-))
De Ana Vidal a 5 de Março de 2009 às 18:39
A Luísa é doce, sim, mas firme como uma rocha. Não te iludas, Ritinha...
Beijos às duas trouxas de ovos da casa, para além da dulcíssima Marie, toda ela um "doce de leite" :-)
De mike a 5 de Março de 2009 às 22:51
Ou seja, eu cá oscilo mas também sou doce. (muitos risos... que, sim eu sei, me vão custar caro por meter foice em seara alheia) :)))
De Francisca a 4 de Março de 2009 às 23:27
Parabéns atrasados Rita!

Deixo aqui um link que espero ser do seu agrado.

E, veja bem, Ana, é um dos seus actores favoritos a citar o seguinte:

"A lot of it is the way he's approached life. And it doesn't take someone knowing him to know that. You take one look at the paintings and you say "this guy has been around." You can't sit in a closet - and create this. "
[Sean Penn at the Helnwein show at the San Francisco Fine Arts Museums 2004 ]

http://www.helnwein.com/presse/interviews/artikel_1456.html



De Rita Ferro a 5 de Março de 2009 às 00:04
Obrigada, Francisca! Não conhecia o site, mas fui lá espreitar e traduzo livremente as palavras de Sean Penn: «o mundo é uma casa assombrada e Helnwein um bom cicerone»! Enfim. Só para quem enfrenta as trevas e a ironia negra:-))
De Ana Vidal a 5 de Março de 2009 às 10:38
É mesmo, Francisca. Um actor e peras!
Volte sempre.
De mike a 5 de Março de 2009 às 00:14
Sou sincero: gostei! E espero que ninguém me pergunte porquê. Mas não apaguei a luz... bbrrrr... ;)
Ah, Rita, e para ser dos seus pesadelos só podia ser poeta. (risos)
De Rita Ferro a 5 de Março de 2009 às 07:39
Ainda há homens :-))
De mike a 5 de Março de 2009 às 00:16
A Ana engoliu um berlinde... a Ana engoliu um berlinde... nã nã nã nãããã... em forma de sapo... nã nã nã nãããã... (muitos risos)
De Ana Vidal a 5 de Março de 2009 às 02:47
Não me provoques, Mike... a vingança será terrível!
De mike a 5 de Março de 2009 às 09:53
Mas tu não és vingativa... (sorriso cândido)
De Ana Vidal a 5 de Março de 2009 às 10:39
Não sou, mas aprendo depressa! :-)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds