Terça-feira, 15 de Abril de 2008

Até que enfim

Miguel Vieira (um conceituado estilista português, para quem não conhece o nome) afirmou há tempos, numa entrevista, que "na moda portuguesa não existe anorexia". Eu já tinha ouvido dizer o mesmo a Fátima Lopes (a estilista, não a apresentadora). E a afirmação que ambos sustentam, obviamente falsa, é ainda mais grave porque vem de pessoas que são co-responsáveis por uma realidade dramática que só elas parecem não ver.
Revolta-me a indiferença, ou, o que é pior, a lúcida cumplicidade no crime. Os distúrbios alimentares são um dos grandes flagelos com que se debatem as sociedades ocidentais, hoje em dia. A nossa também, como é evidente. Talvez menos do que outras, comparativamente, mas não é por isso menos preocupante. Não existe anorexia??? Por favor! E, mesmo que não existisse "no interior" do mundo da moda (o que é falso), o que dizer do mundo "cá fora", a quem a moda se destina? Ou será que a influência daquelas figurinhas cadavéricas (que dão pelo nome de manequins) nos adolescentes, também é inexistente? É só ter a coragem de ir até ao Hospital de Santa Maria, por exemplo, e ver... com olhos de quem quer ver. Mais: não é apenas um problema feminino. Cada vez mais está a afectar os rapazes também.

Se pensarmos que é exactamente do mundo da moda que pode vir a solução para resolver uma boa parte deste terrível problema, não me parece exagerado falar em atitude criminosa. A Organização Mundial de Saúde anda, há anos, a apelar repetidamente aos grandes costureiros e opinion leaders da moda internacional - que ditam como devemos ser por fora - que promovam uma imagem feminina mais saudável, o que passa naturalmente por um peso equilibrado. Só Espanha, inteligentemente, lhe deu ouvidos (A Moda Madrid, com a exigência de um peso mínimo para as manequins, conseguiu a atenção do mundo inteiro e muita publicidade de borla para os desfiles, além da simpatia geral). É incompreensível que todos os países não lhe tenham seguido o exemplo. Seria tão fácil! Os gurus da moda têm um poder tal, que bastaria a sugestão de uma mulher mais "cheia" como ideal de beleza, para que todas as mulheres do ocidente quisessem parecer-se com ela.
Isto para não falar de outra aberração: a de utilizar esquálidas rapariguinhas de 13 e 14 anos (autênticas Lolitas autorizadas), produzidas como se fossem adultas, desfilando roupas que se destinam a gente muito mais madura, que é a que tem poder de compra. Esse é outro escândalo, que deveria também ser visto com atenção. Até porque ambos estão intimamente ligados: numa idade em que os corpos não estão ainda completamente formados, as carências alimentares - e também as drogas e o álcool que elas usam para iludir a fome - impedem o normal desenvolvimento e causam outras doenças graves. É irónico, sobretudo se pensarmos na ilusória duração destas carreiras, mesmo as (poucas) bem sucedidas.

É por isso que é inadmissível que se continue a tapar o sol com a peneira, fingindo que está tudo bem. Em Portugal ou em qualquer lado, ainda por cima em nome de inutilidades. E é por isso também que me alegrou agora esta boa notícia. Finalmente, parece que algum bom senso iluminou os grandes do mundo da Moda. França, a capital desse mundo, a dar o exemplo, depois de Espanha ter aberto o caminho. O meu aplauso. Até que enfim.
publicado por Ana Vidal às 11:40
link do post
15 comentários:
De Sofia a 16 de Abril de 2008 às 11:36
A Fugidia tem razão...

A propósito 'dessa' boa notícia, ontem na televisão, um desenhador de moda português dizia que o número ideal para a roupa de mulher é o trinta e seis! Só assim dá para perceber o corte da roupa e o modelo... era qualquer coisa assim! Confesso que fiquei orgulhosa! E eu agora ainda tenho desculpa! Mas sei bem o que é passar fome para ser mais magra... cheguei a comer um pacote de bolachas e um iogurte, por dia! Cheguei a vestir o 32 e às vezes ficava largo! Foi há quatro anos... depois deixei-me de tretas e rendi-me aos prazeres da carne... não estou arrependida!

Beijos
De psb a 16 de Abril de 2008 às 15:02
Sofia
E a mãe Teresa não te deu 2 açoites bem pregados naquele 'rabo escanzelado'?
Ainda bem que ganhaste juízo.
Uma Mulher quer-se com curvas qb no sítio certo.
Beijinhos
De Sofia a 16 de Abril de 2008 às 15:46
Não, dizia só que eu estava feia de magra... LOL! Era bem pior do que os açoites! Mas isso também não era verdade! Descansa que me pus boa num instante!

beijinhos
De Ana Vidal a 16 de Abril de 2008 às 15:05
Ainda bem que não estás arrependida, miúda. Tomaste a atitude inteligente, e outra coisa não esperava de ti.
Beijocas
De fugidia a 16 de Abril de 2008 às 10:43
Como dizia alguém, nunca ouvi falar no pecado dos ossos, só da carne...
:-)
De Ana Vidal a 16 de Abril de 2008 às 15:06
Essa é óptima, Fugidia!
De av a 16 de Abril de 2008 às 02:13
LOL
Admira-te...
De PSB a 16 de Abril de 2008 às 02:07
Só pode haver uma explicação (para as magras, não para a data): é para pouparem nos tecidos, lol...
De av a 16 de Abril de 2008 às 01:53
Pedro, esse é o maior mistério para mim: quando perguntados sobre o tema, são raros os homens que gostam de mulheres muito magras. E no entanto são essas que são apresentadas como ideais, pela Moda. Não posso deixar de concluir que a moda é feita por e para gente que não gosta das (ou de?) mulheres!

Já lá fui rectificar o mês. Nem sei como fiz essa habilidade...
De PSB a 16 de Abril de 2008 às 01:43
Rectifico: cabide
De PSB a 16 de Abril de 2008 às 01:38
Em acordo absoluto. Aliás, do meu ponto de vista, as magrelas que personificam o esterotipado ideal de beleza por essas passereles, não têm mesmo interessezinho nenhum. Parecem penduradas num cabibe sem volume, qual pau de virar tripas. Vivam as curvas!
PS. Reparaste que andaste um mês para a frente na data deste post? Estás muito acelera...
Beijos
De av a 16 de Abril de 2008 às 00:55
Claro que há outras causas e outros problemas, Júlia. Mas não devo estar enganada quando digo que a Moda tem a maior fatia de responsabilidade e também a solução para a mudança, que é tão urgente. Basta que mude o arquétipo da beleza feminina, e todo o mundo irá atrás!
De Júlia Moura Lopes a 16 de Abril de 2008 às 00:37
junto-me a ti!

Não podemos também esquecer as outras formas que existem de anorexia...porque a doença pode ter outras causa que não a da procura da perfeição.
No ano passado o JN teve um artigo muito bom sobre a anorexia.

beijinho
De O Réprobo a 16 de Abril de 2008 às 19:09
Querida Ana,
concordo inteiramente na opsição do uso de menores, coerente com a minha condenação da pedofilia, noutro campo.
A dúvida que pôs, de poucos homens desejaram esqueletos mas todos os costureiros os pagarem a peso de ouro, talvez se explique por, na mentalidade feminina, o ideal ter de ser perto de inatingível. Ora como dizem ser mais fácil engordar do que emagrecer...
No resto, tenho uma discordância. E sobre ela postarei mais loguinho. Reze para que a bola corra bem, ou serei muita bruto...
Beijinho
De Ana Vidal a 16 de Abril de 2008 às 19:50
Muito bem, Paulo, fico à espera. E rezando para que o Benfica ganhe, não venha o meu amigo por aqui dentro de bomba em punho...

Mas eu também discordo de si: quem impõe os modelos de beleza são os grandes costureiros, e esses são maioritariamente homens. Não são as mulheres, então, que escolhem ser magras de mais. Por isso digo que esses homens da moda não gostam de mulheres, se assim as querem desfear aos olhos dos outros homens... e por aqui me fico, que isto daria uma longa conversa!
Beijinho e boa sorte para o jogo!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds