Terça-feira, 24 de Fevereiro de 2009

Ventos Amigos (24)

 

Portas Entre Abertas

 

Passou a velha cancela cansada de décadas de abandono, onde eram visíveis restos de tinta dos anos em que a vida habitara aquele lugar.

Jarros e malmequeres conviviam no pequeno quintal com maciços de silvas que lhe traziam à memória amoras e amores de infância.

Esquecera-se de como o seu pequeno país era feito de pequenos detalhes. Esquecera-se do calor da cal nas paredes, dos canteiros negligentes, das latas de craveiros encarnados, dos degraus das portas de onde, sentados, se via o mundo.

A verde e plana imensidão do norte europeu, as arrebatadoras fachadas das catedrais, os civilizados louros, arrumos e aprumos cegaram-lhe as reminiscências do que também nunca fora o seu perfeito pretérito.

Olhou para a decadente fachada que já deixara velha há muitos anos. Procurou, em vão, ao redor da casa, as sóbrias latadas que sombreavam a alma e o corpo durante os prolongados estios. Procurou cheiros de verão, frescos das escuras adegas, piar das aves de capoeira, zoadas sonolentas de abelhas e a humidade dos musgos nos espessos muros que ladeavam os caminhos.

Olhou para a decadente fachada e para a porta entreaberta que temia cruzar. Hesitante, empurrou-a, com receio de um escuro capaz de longínquas visões.

O miado e fuga de um gato enregelaram-no, precipitando-o de novo para o exterior.

Na soleira, enquanto acendia um cigarro, atentava nos altos viadutos de uma qualquer auto-estrada que cercavam a terra que o vira nascer e partir, na desconcertante arquitectura de feios condomínios entremeados com velhos campos e stands de automóveis. Deteve-se nas provas irrefutáveis da apregoada modernidade de um povo que tinha dificuldade em reconhecer e que duvidada se reconhecesse a si mesmo.

A nicotina de que tentava fugir inebriou-o, empurrando-o de novo para o interior.

Achou-se no meio da sala, de onde se despedira há quase quarenta anos. Pareceu-lhe infinitamente menor do que na longínqua madrugada em que a deixara, desculpando-se com uma qualquer querela política em tempos de outros regimes. Achou-se ele também vergonhosamente menor ao perceber que as dimensões fantasiadas durante séculos eram humanas e não físicas. Achou-se perdidamente perdido num espaço que lhe diminuía a alma e engrandecia os medos. Não se achava, enfim.

A porta da rua entreaberta permitira a devassa e o saque. Resistira-lhe o velho retrato amarelado de uns não conhecidos antepassados, levados precocemente pela gripe espanhola. Nem bom vento, nem bom casamento.

O longo corredor aliciava-o a percorrer cómodos outrora mais íntimos e incómodos.

Não se achou capaz de achar o passado.

Bátegas de água caiam de um céu cinzento ainda assim mais azul do que o outro europeu. Entre abertas, abandonou a casa.

Partiu, detendo-se, por momentos, na branca magnólia que as rajadas despiram naquela breve hora. O mesmo vento que violento bateu encerrando-lhe a porta e uma vida.

 

Texto enviado por: Luís Castilho

 

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 21:30
link do post
7 comentários:
De Ana Vidal a 24 de Fevereiro de 2009 às 21:57
Obrigada por esta peregrinação que fizeste entrar por esta porta, Luís. Tenho pena de que não tenhas mais tempo para a escrita...
Um beijo
De mike a 25 de Fevereiro de 2009 às 01:08
Belíssimo post!
De Luísa a 25 de Fevereiro de 2009 às 03:01
Também gostei muito. No reencontro com as coisas da infância, mesmo com as que não mudaram, a realidade é, tantas vezes, tão diferente da memória, tão mais estreita e sem brilho...
De Mad a 25 de Fevereiro de 2009 às 03:05
Fou uma pena teres acabado com o blog. Beijos, querido.
De Si a 25 de Fevereiro de 2009 às 11:38
Os pormenores deste texto são tão exactos como o pincel de um artista plástico.
Embrulham-nos nas suas imagens e prendem-nos até ao fim, têm uma riqueza tão grande que nos demoramos a ler e até voltamos atrás várias vezes para saborear a intensidade de cada palavra.
De JuliaML a 25 de Fevereiro de 2009 às 23:46

gostei muito deste texto!

Parabéns ao autor que não conhecia.
De luis a 26 de Fevereiro de 2009 às 00:04
:) obrigado pelas palavras. Obviamente que a "culpada" é a musa inspiradora desta agradável brisa que é a Porta do Vento.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds