Terça-feira, 17 de Fevereiro de 2009

Ventos Amigos (17)


 

Crise 

 

Um vento triste aporta.

 

Vem desconheço de quando.

Martírio e dor transporta.

Bate à porta chorando.

 

Extingue toda ventura.

Por vil capricho do acaso.

Mata quem se aventura.

Castiga caso por caso.

 

E entre chagas feridas.

No bolso batalhador.

As dúvidas aferidas.

Suplantam qualquer valor.  

 

Texto enviado por: Ricardo Ramos Filho

 

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 21:30
link do post
1 comentário:
De Ana Vidal a 18 de Fevereiro de 2009 às 12:53
Obrigada pela participação e pelo poema, Ricardo. Triste, mas infelizmente muito actual.
Um beijo amigo

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds