Domingo, 15 de Fevereiro de 2009

Ventos Amigos (15)


 

 

Blind Date 

 

Ao transpor a entrada daquele bar, sentiu-se despida. “Já não tenho idade para isto, já não tenho idade para isto”, repetia, metodicamente, obedecendo aos seus naturais impulsos autodestrutivos, tendência que conservava desde a adolescência e não tinha esperança de corrigir. Nada de contacto visual significativo com os poucos homens que não tinham companhia. “Mau sinal”, pensou ela já com vontade de se ir embora. “Espero cinco minutos”.

Em fundo ouviam-se os Sétima Legião: “Hoje, num vento do norte, fogo de outra sorte, sigo para o sul, sete mares…” Deixou-se embalar pelas recordações felizes que aquela canção lhe invocava enquanto se sentava a uma das mesas, procurando descontrair. Mas antes que tivesse tempo de pousar a mala uma voz interpelou-a:

- Boa noite… Gabriela?

Reconheceu-lhe imediatamente a voz. Era muito sensível a vozes e esta tinha-a impressionando o bastante para desejar aquele encontro, apesar dos avisos da Marta: “Mais fácil passar um camelo por um buraco de uma agulha…”

Virou-se.

Ah, se ela fosse mosca! Parecia que a estava a ouvir: “… ou é cromo ou coiro ou putanheiro”.

- Olá, Sérgio, muito prazer.

Se ela fosse mosca já se estaria neste momento a rebolar de tanto rir, a parva! - pensou.

- Estava sentado ali atrás daquele pilar, por isso é que não me viste quando entraste. Quando cheguei era a única mesa disponível…

- Pois é, apesar de ser 4º feira o bar encheu.

- Como?

- O bar encheu.

- O bar cresceu?

No blog e nos comentários que lhe deixava e depois nos emails e sms, por fim ao telefone parecia-lhe tão interessante…

Sentada à sua frente, a sua alma gémea blogosférica tentava quebrar o gelo, mas ela só pensava: “Baixo, gordo, careca, desajeitado e ainda por cima surdo que nem uma porta! A sacana da Marta vai-se fartar de gozar à minha custa!”

 

 

Texto enviado por: Teresa Ribeiro

 

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 22:30
link do post
13 comentários:
De mike a 15 de Fevereiro de 2009 às 23:29
A Marta vai fartar-se de gozar e eu fartei-me de rir. :)
De tcl a 15 de Fevereiro de 2009 às 23:45
e eu também me fartei de rir com este...
acontece aos melhores. é da crise, sei lá...
De Ana Paula Motta a 15 de Fevereiro de 2009 às 23:48
Os Ventos Amigos estão mesmo cada dia mais surpreendente. Cada dia um estilo, uma novidade.
Parabéns Teresa pelo ótimo texto e Ana pela iniciativa. É muito bom ler e também escrever cá nessa Porta do Vento.
Beijinhos as duas.
De Ana Vidal a 16 de Fevereiro de 2009 às 00:21
Obrigada pelo divertido texto, Teresa. Imagino a quantidade de vezes que isto deve acontecer por aí...
Um beijo
De Pedro Correia a 16 de Fevereiro de 2009 às 00:49
Gostei muito.
De Teresa Ribeiro a 16 de Fevereiro de 2009 às 01:16
Obrigada, Ana, pelo convite. E a todos pelos comentários. Foi um prazer escrever na Porta do Vento!
De Luísa a 16 de Fevereiro de 2009 às 01:39
Mais do que um risco, Teresa, diria que é praticamente uma certeza. Com almas gémeas, a nossa imaginação peca, invariavelmente, por um grande excesso de generosidade. ;-)
De Teresa Ribeiro a 16 de Fevereiro de 2009 às 21:20
O síndroma do príncipe encantado está sempre pronto a atacar, Luísa :))
De Pedro Barbosa Pinto a 16 de Fevereiro de 2009 às 08:03
Que saudades deste humor e desta escrita!!
Tenho que arranjar maneira de conseguir entrar no Corta-Fitas sem ter que levar com os catequistas do Passos Coelho.
De Teresa Ribeiro a 16 de Fevereiro de 2009 às 21:26
Olá, Pedro! Gosto em encontrá-lo também por aqui :))
De CNS a 16 de Fevereiro de 2009 às 17:25
Há coisas que estão destinadas a não vistas nem materializadas...

Adorei o texto
De Teresa Ribeiro a 16 de Fevereiro de 2009 às 21:26
Obrigada, Cristina :))
De patti a 16 de Fevereiro de 2009 às 22:03
Depois da desilusão estética, só se fosse mesmo muuuuuuuuuuuuuuuito interessante!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds