Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2009

Lapsus Linguae

João Paulo Cardoso

 

 

O que fazer depois de morrer

 

Hoje em dia, os chamados "livros de auto-ajuda"cobrem todas as áreas:

"Como Despachar o seu Marido", "Os Segredos do Segredo do Segredo para Além do Segredo", "A Cura Através das Conchinhas de Praia", etc, etc, etc.

Etc.

Et cetera.

Idem.

Ibidem.

Et pluribus unum.

Há dias vi numa livraria o seguinte título:
"O Que Fazer Depois de Morrer"
A sério, este existe mesmo.
Craig Hamilton-Parker é o autor.

O que pode levar à seguinte situação:

Cemitério de Carnide.
Lisboa.

"Olha... engraçado.
Está tudo às escuras aqui e parece que estou dentro de uma caixa...
Bem... vou levantar-me porque tenho mais que fazer."

Forte cabeçada com direito a palavrões Hugo Chavianos.

"Chiça!!
Tu queres ver que eu morri?
Olha que chatice!
Como é que será que ficou o resultado do Sporting ontem?"


Breves momentos de silêncio para pensar na vida que passou depressa demais.

"O que é que eu faço agora?"

Várias batidinhas de percussão e um som estúpido a imitar uma guitarra portuguesa.

"Povo!
Que lavas no riooooooooo!!!!!
E talhas com o teu machado!
As tábuas do meu caixãoooooo."

Outra vez o som ridículo a imitar guitarra portuguesa.

"Pode haver quem te defenda!!!
Quem compre o teu chão sagradoooooo!!!!
Mas a tua vida não!"Pausa para tirar um burrié e colá-lo no tampo do caixão.

Espirro, sem a habitual réplica "santinho".

Valente traque e vontade de abrir uma janela.
Não há.
Paciência.
Cá se fazem, cá se cheiram.

"É verdade!
Onde é que está aquele belo livro do Craig Hamilton-Parker?"

Prospecção no bolso do casaco onde encontra um terço, bilhetinhos escritos por alguém e um rebuçado Dr. Bayard.

"Olha, um rebuçadito.
Ainda bem.
Estava a morrer de fome."Outro espirro.

"Mau!!
Queres ver que estou a chocar uma gripe?"

Mais iniciativas de prospecção.

"Não encontro a merda do livro.
Estou lixado com isto!
O que é que eu faço agora?"

Agora sou só eu que venho aqui escrever que, se não estão a gostar, isto está quase a acabar.
Ah! O nosso herói encontrou o seu telemóvel.

O dele.

O que é que o seu telemóvel estaria a fazer dentro de uma urna no cemitério de Carnide?
Vamos lá a não ser parvos.
"Deixa-me lá ligar para a Maria a ver se ela vem cá trazer a merda do livro."

Vendo computador e impressora usados.
Bom preço.

"Não tenho rede, é o costume!
Isto assim não há condições, para o ano não venho para aqui."

***********
Se gostou deste post-mortem (trocadilho genial, n'est-ce pas?) deve estar mortinho para comentar, não?

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 09:15
link do post
11 comentários:
De Dulce a 13 de Fevereiro de 2009 às 09:53
Vou começar melhor ainda meu fds depois de tanto rir, apesar dos inevitáveis calafrios que o tema sempre me provoca.
Dulce
De Pedro Barbosa Pinto a 13 de Fevereiro de 2009 às 10:11
EHEHEHEHEH! DO MELHOR!
De Rita Ferro a 13 de Fevereiro de 2009 às 13:20
De morte! LOL
De marie tourvel a 13 de Fevereiro de 2009 às 13:40
João Paulo, querido, se ele tivesse lido ao menos um trecho do edificante livro saberia que, se inclinasse um pouquinho a cabeça pra direita, o sinal do maldito celular (telemóvel) voltaria. E a Maria resolveria seu problema. A preguiça custou caro. :)
Muito bom o post. ;)
De Luísa a 13 de Fevereiro de 2009 às 13:51
De repente, João Paulo, lembrou-me Evelyn Waugh e o seu «The loved one». E lembra-me de que convém sempre fazer uma lista do que não se pode esquecer quando se vai de viagem; qualquer viagem. :-)
De Ana Paula Motta a 13 de Fevereiro de 2009 às 17:00
Adorei o texto, veio bem a calhar nessa sexta-feira 13,rs . É verdade escrevem e vendem de tudo hoje em dia.
De João Paulo Cardoso a 13 de Fevereiro de 2009 às 17:48
Achei este texto hilariante.

Este senhor, que desconheço em absoluto, é dono de uma imaginação prodigiosa e de um sentido de humor único, ritmado, contundente, ao mesmo tempo perverso e inocente.

Espero que tenha um futuro brilhante ou, em alternativa, um futuro assim-assim mas que durasse até aos 110 anos.

Ainda hoje, no seu blog "O Eldorado", este brilhante escritor que, repito, desconheço por absoluto, publicou um texto brilhante sobre namorados azarados, demonstrando que alia às suas imensas qualidades, a sagacidade e a oportunidade de dissecar duas datas... estúpidas, de uma só penada.

Muito bom, este JP.
De Ana Vidal a 14 de Fevereiro de 2009 às 09:35
Muito bom mesmo, este JP. E muito modesto também, benza-o Deus.
Boa estreia, hein?
Um beijo.
De carlosbarbosaoli a 13 de Fevereiro de 2009 às 18:28
Gostei do texto, mas não da escolha do cemitério. Carnide fica muito fora de mão...não pode mudar a história para o Alto de S. João?
Bom fds com boas escritas
De Manecas a 13 de Fevereiro de 2009 às 18:46
Espectacular! Parabéns João Paulo.

Já agora o cemitério de Carnide está escolhido a propósito, julgo eu...

É aquele em que a CML gastou não sei quantos milhões de €, e que tem um solo que não decompõe os corpos antes os mantém, por isso o cenário só pode ser em Carnide efectivamente...
De psb a 13 de Fevereiro de 2009 às 23:25
Ora, que grande entrada! Já vi que estou muito bem acompanhado e começo a sentir-me pequenino, pois sou novato nestas lides.
Parabéns JP (se é que assim o posso tratar, como a nossa 'patroa'). Criativo, sensitivo, bem humorado.
Um abraço
Pedro

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds