Sábado, 14 de Fevereiro de 2009

Ventos Amigos (14)

 

 Aporta em mim 'vez em quando
Vontade de me fazer ao mar
Que me leve p'ra outras gentes
Outras paragens mais quentes
Pr'á pevide laurear.

Mas com jeito vou vivendo
Com paciência - há qu'ir tendo.
Saudades de ventoínhas
Desejos de caipirinhas
Nelas me quero afogar.

Já calçava umas chinelas
brancas, que o barco é novo
Vou mas é subir as velas
Despedir-me do meu povo
E adeus, que vou navegar.
 
Bartolomeu, querido barco
O Jack que te despache
Um bloco, qu'o espaço é parco
Um lápis da Caran d'Ache
E ala!, vou viajar.
 
Água, comida e uma parka
Uns bikinis numa arca
E uns livritos, claro está
Uma ligação à net
E mais pr'aquê? A andar!
 
O medo é algo óbvio
Com que temos de lidar
O Diogo não é pacóvio
Tirou carta de alto mar
E eu lá aprendi a nadar...
 
Respeitinho - é bonito
E devemo-lo ao mar
Por maior que seja o grito
Por mais que se fique aflito
Ele não é p'ra brincar.
 
Quem vive no mar s'aperta
Nem sempre nele se dorme
As estrelas dão a coberta
A casa nem é tão grande
Mas a piscina é enorme!
 
Ó vento, leva-me embora
P'ra onde bem desejares
Já me tarda a tua hora
Já me custa este esperar
Preciso de novos ares!

Por mais que tenha vontade
De no Bartolomeu zarpar
Até posso ir pr'ó Inferno
Mas pr'ó Brasil nem pensar!
Mas é que nem a brincar!


 

Texto enviado por: Madalena Vidal


 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 19:30
link do post
3 comentários:
De mike a 15 de Fevereiro de 2009 às 01:47
Ah, o mar, Madalena... Gostei de ler este seu zarpar. Mas ia p'ró Brasil, para São Paulo. :)
De Luísa a 15 de Fevereiro de 2009 às 02:15
É a poesia de que gosto, Madalena, leve, alegre, bem rimada e ritmada, quase ao balanço do mar. Mas por que não o Brasil como destino? Para mim, confesso, o destino das Berlengas já seria uma provação, pois o «mal de mer» costuma manifestar-se logo a dois metros de terra firme. Mas a Madalena parece uma experiente navegadora de Bartolomeus… :-)
De Ana Vidal a 15 de Fevereiro de 2009 às 10:05
Mad, é melhor explicares essa alergia ao Brasil para as pessoas perceberem a razão. Aqui há bons e queridos amigos brasileiros, não quero que se sintam ofendidos. E o que dizes das tuas saudades das caipirinhas, havaianas, praia, etc? Tudo isso é Brasil, não? Além disso, não disseste que é precisamente de lá que vem o Bartolomeu...
Beijo :-)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds