Terça-feira, 10 de Fevereiro de 2009

Pocket Classic (Crime e Castigo)

Marie Tourvel

 

 

Ei, amigos milionários, sentiram minha falta, não é? Estou de volta. Andei dormindo além do que devia. Escrevo este post e volto ao meu sono. Escrevo este post com os olhos fechando, mas vamos nós, hein? Sou muito generosa, como diz uns e outros.


Espero que tenha feito sucesso com o Ulisses
. Hoje minha lição é sobre Crime e Castigo de Fiódor Dostoiévski. É um crássicão. Meu pai me fez ler com 13 anos. Não, millionnaire amigo, não era nenhuma prodígio, apenas meu pai achava que eu fosse. Reli com 17 anos e aí sim veio a luz. Aos 13, achei que era um policial, aos 17, um tratado psicológico. Hoje, sei lá eu o que quer dizer tudo, só sei que é um livraço. Leitura das boas. Mas sei que você não pode perder seu tempo - porque dinheiro sei que já perdeu o suficiente na queda das bolsas (mas confio em seu poder de recuperação). Pior eu que nem emprego tenho, mas isso não vem ao caso, não é relevante. Fico por aqui ouvindo músicas delirantes e me anestesiando. E, claro, ajudando vocês. Vamos ao resumão para você não fazer feio nas rodinhas dos phodões intelequituais:


Roskolnikóv está com o saco cheio de sua vidinha modorrenta e pobre. Sofre com a mãe viúva. Quer fazer algo em prol da sociedade e pegar uma grana. Resolve matar uma velha agiota com uma machadada. A irmã da velha vai no pacote por acidente. Se arrepende paca. Por influência de Sônia, ele resolve confessar o crime, vai preso e recebe uma pena leve por não ter antecedentes criminais e ter confessado o crime.


Basicamente é isso. O seu problema, querido milionário, é que os intelequituais mais phodões vão querer dissecar você sobre a psicologia intrínseca no romance. Diga que o mais importante no livro não são os assassinatos em si, mas a solução dos dramas humanos que Dostoiévski propõe. Diga que gosta de autores russos particularmente pelo ensaio psicológico que eles fazem de suas personagens. Se perguntarem sobre outro autor russo, cite
Tolstói (pode ir na minha, ele é muito bom, também. Se perguntarem uma obra dele, não invente moda e cite a mais óbvia, Guerra e Paz. Mas não fale nada sobre o romance. Eu estou ajudando, mas é um livro por semana, tá? E não reclama que é de graça.) Não vá muito além disto. Se perguntarem algo mais a você, do tipo: "você não acha que... yada, yada, yada?" Faça um olhar blasé e retribua com outra pergunta: "mas é você quem acha isso, não é?" Sorria marotamente e peça licença rápido. Passe para outra rodinha.


Até a próxima semana.


Adendo 1: Milionário, não tenha preguiça, clique nos linques dos nomes dos escritores e LEIA. É sempre bom estar por dentro da vidinha deles, não é? Pode ser que se aprenda algo com sustância, sei lá.

 

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 01:43
link do post
16 comentários:
De Pitucha a 10 de Fevereiro de 2009 às 09:30
Primeiro ri e depois vi que é isso mesmo. O resumo é esse aí, sem tirar nem pôr!
:-)
Beijos
De marie tourvel a 10 de Fevereiro de 2009 às 10:36
E não é, Pitucha, querida? Acho realmente que os milionários se sairão muito bem proseando com os "intelequituais". :)
Beijo
De Teresa a 10 de Fevereiro de 2009 às 10:10
Já tinha tido o deleite de ler este Crime e Castigo "contado ao povo e às crianças", ai, desculpem, aos milionários! no blogue da Marie.

E isto lembra-me um outro russo famoso, Pushkin, e o seu Eugene Onegin (por acaso até era da ópera de Tchaikovsky que estávamos a falar, mas vai dar ao mesmo). Um amigo meu explicou toda a trama a um outro que não a conhecia numa única frase: «Ela no fim manda-o dar uma volta ao bilhar grande.»
De marie tourvel a 10 de Fevereiro de 2009 às 10:37
Isso, Teresa, querida, seu amigo entrou no espírito da coisa... :)))
Um grande beijo
De Ana Vidal a 10 de Fevereiro de 2009 às 16:02
Teresa, eu pedi à Marie para publicar aqui os 3 Pocket Classic que já existiam, para ficar com a série completa. A partir do 4º já serão originais.

E eu, que já conhecia também estes primeiros, continuo a deliciar-me com eles como da primeira vez que os li.
De marie tourvel a 10 de Fevereiro de 2009 às 10:40
Esse comentário é para mandar um beijo enorme na dona deste blogue, que é uma querida.
(E também para atualizar só um pouquinho o post. Já estou trabalhando novamente. E estou muito feliz. :) )

Beijos!!!
De Ana Vidal a 10 de Fevereiro de 2009 às 16:03
Outro para ti, sócia.
Que boas not+icias!! Fico feliz por ti. Quem sabe não foi o Porta do Vento que te deu sorte... :-)
De marie tourvel a 10 de Fevereiro de 2009 às 21:11
Não tenho a menor dúvida que foi o Porta do Vento que me deu sorte, querida. ;)

Beijinhos
De patti a 10 de Fevereiro de 2009 às 14:56
Eu adorei este livro e você Maria, agora espevitou-me a vontade de o reler.

Esses 'intelequituais' são uns sortudos ao terem estes posts, que lhes espremem a cultura literária todinha!

Bravo de novo!
De marie tourvel a 10 de Fevereiro de 2009 às 15:37
Patti, querida, reler bons livros é sempre bom e se for Crime e Castigo, melhor ainda.

Beijos!
De Shi a 10 de Fevereiro de 2009 às 15:46
O melhor dos teus PCs é que eles acabam tendo serventia dupla: os pobretões, como eu, acabam aprendendo tbm! rs. Confesso que comecei a ler Crime e Castigo, mas parei (não lembro o pq :-S). Quem sabe não recomece agora - aifnal de contas, estou em vias de acertar na mega-sena! rs :-|
Bjo, Marie!
De marie tourvel a 10 de Fevereiro de 2009 às 21:14
ShicaMaria, querida, tenho certeza que você não precisa destes meus conselhos. Você é muito modesta, isso sim. Mas aconselho que retome a leitura do Dostô, insista. Vale a pena, minha amiga. ;)
Obrigada por ter vindo aqui comentar. Você é especial. :)

Beijinho
De Luísa a 11 de Fevereiro de 2009 às 00:36
Querida Marie, não só, como a Patti, fiquei com ganas de fazer revisões, como já dei o seu «post» a ler à minha filhota adolescente, que é uma boa leitora, mas ainda oferece alguma resistência aos velhos clássicos. Pareceu-me que a sua impressão dos 13 anos, de que era um «policial», lhe despertou o interesse. A ver vamos ! Gostei muito deste segundo «Pocket Classic» e fico aguardando pelo terceiro, cheia de curiosidade. :-)
De marie tourvel a 11 de Fevereiro de 2009 às 01:50
Luísa, minha querida, que bom se puder despertar em sua filhota adolescente o desejo de ler Dostoievski. Se ela se interessou por ser um policial, tanto melhor. Eu, nessa idade adorava ler também Agatha Christie -confesso que gosto até hoje. ;)
O próximo já está pronto. Na próxima terça, como diria qualquer jogador de futebol daqui do Brasil-il-il, "tudo faremos para uma boa apresentação". :)

Beijos, querida
De psb a 12 de Fevereiro de 2009 às 16:53
Pois Marie, são um achado estas suas 'sinopses' tipo 'chave na mão'. Os pseudo int. que se cuidem que a concorrência vem aí, com esta aprendisagem cultural.
Um beijinho e parabéns por estas 'dádivas'.
Pedro
De marie tourvel a 12 de Fevereiro de 2009 às 20:24
Ei, Pedro, obrigada. Fico contente por ter gostado. Aguarde o da próxima semana que vou mexer em vespeiro. :)

Beijos.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds