Domingo, 8 de Fevereiro de 2009

Ventos Amigos (8)

 

O vento é uma entidade volátil, que se auto-fatia em pedaços bem definidos, revelando-se num desígnio muito próprio.

 

As fatias de vento espessas e arrebatadoras, disparam pela porta dos furacões, tornados e ciclones, arrasando mares, montanhas e vidas.

 

As fatias de vento traiçoeiras e prolongadas, rompem pela porta das tempestades, ceifando gente num segundo, agitam humores marítimos de Adamastores e transformam homens simples da água salgada, em heróis.

 

As fatias de vento bruscas, repentinas e incisivas, atravessam pela porta das ventanias, invertendo estendais de roupa e guarda-chuvas, desmancham perucas recém-penteadas e resolvem cabeças confusas e amores trocados.

 

As fatias de vento breves, suaves e consoladoras, deslizam pela porta das brisas, enlaçam namorados em arrepios súbitos, baixam sob esplanadas em finais de tardes de verão, refrescam pensamentos e arejam almas inseguras.

 

As fatias de vento efémeras, ínfimas e escassas, dissipam-se pela porta do sopro, murmuram segredos ao ouvido, diluem perfumes frescos e insinuam rasgos de inspiração.

 

 

Texto e imagem enviados por: Patti

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 12:10
link do post
12 comentários:
De Ana Vidal a 8 de Fevereiro de 2009 às 12:39
Obrigada por estas deliciosas fatias de Vento, Patti!
Um beijinho.
De patti a 9 de Fevereiro de 2009 às 14:29
Pois podes escolher a fatia que mais gostares. Gostei muito de participar.
De Ana Paula Motta a 8 de Fevereiro de 2009 às 21:20
Patti , muitas vezes um vento forte, desses que nos "bagunça" a vida, é muito bem vindo. Muitas vezes são os tais bons ventos...
De patti a 9 de Fevereiro de 2009 às 14:29
É verdade, é só ver de que porta ele chega.
De Luísa a 9 de Fevereiro de 2009 às 00:17
De repente, Patti, faz-me descobrir que a rica diversidade da vida também se revela no vento e que, se há ventos que me despenteiam e eu detesto, há ventos que me refrescam e eu adoro... Pronto, já estou reconciliada com o fenómeno. ;-D

De patti a 9 de Fevereiro de 2009 às 14:30
São os vários lados, de tudo o que nos rodeia, Luísa.
De filomeno a 9 de Fevereiro de 2009 às 09:49
Da Espanha, nem bom vento, nem bom casamento
De Ana Vidal a 9 de Fevereiro de 2009 às 11:01
Ora, Filomeno, você é a prova dea injustiça desse provérbio! Quanto aos ventos, pelo menos... ;-)
De patti a 9 de Fevereiro de 2009 às 14:33
Pois, das portas de onde saem os ventos espanhóis, pouco sei.
Mas acredito que sejam iguais a todas as outras, só dependem da visão que o Homem lhe queira dar.
De mike a 10 de Fevereiro de 2009 às 00:02
Nunca tinha provado tão deliciosas fatias de vento, Patti. Nem sabia que o vento podia servir-se assim... às fatias. :)
De patti a 10 de Fevereiro de 2009 às 10:41
Claro que pode. É só escolher.

A natureza está ao nosso serviço, nós é que não nos damos conta.
De marie tourvel a 10 de Fevereiro de 2009 às 11:16
Patti, querida... simplesmente lindo. Parabéns.

Beijos

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds