Sexta-feira, 6 de Fevereiro de 2009

Ventos Amigos (5)


 

Ana, a participação crítica à sua adivinha teria sido ainda maior se eu, que corri atrás da minha banda para libertar o silêncio e poder assim recuperar as palavras, ao chegar-me a ela não me tivesse deparado com um Mozart felicíssimo, travestido de majorette, que enquanto apontava a batuta na mão esquerda para o negro do saxofone dando-lhe ordem de entrar, esticava o indicador da mão direita perpendicularmente sobre os lábios recomendando-me silêncio. Lembrei-me então que a Ana “gosta e precisa” do silêncio. E lembrei-me depois de como eu gosto das irregularidades das suas postagens. De como eu gosto de sentir a ansiedade da dúvida de haver novidade, durante os breves momentos que passam entre o clique no ‘Porta do Vento’ e o encher do ecrã com aquela cor que a natureza não distribuiu por todos, recortada pelas suas palavras que, ainda que sejam já de vésperas, me sabem sempre deliciosamente. Gosto de mandar umas bocas pela janela dos comentários e deixar-me acoitado, qual Cyrano de Bergerac, à espera das réplicas sempre simpáticas e bem-humoradas com que nos brinda, a mim e tantos outros e outras que nos deixamos apaixonar pela sua escrita. Assim permanecerei, mandando as minhas bocas, enquanto a Ana não correr comigo. E mesmo sabendo que às quintas e sábados recebe visitas e poderá não ter tempo para nós, ainda assim aqui virei… nunca se sabe.

 

 

Texto de:  Pedro Barbosa Pinto

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 13:24
link do post
8 comentários:
De Ana Vidal a 6 de Fevereiro de 2009 às 13:35
É impossível não ficar envaidecida e grata com estas palavras, Pedro. Espero que volte sempre com as suas "bocas" à Cyrano, e não tenciono nunca correr consigo.
Obrigada, um beijo
De Pedro Barbosa Pinto a 6 de Fevereiro de 2009 às 15:31
Valeu a batota pela promessa no comentário, Ana.

Um beijinho
De Ana Vidal a 6 de Fevereiro de 2009 às 19:51
eu avisei... :-)
De adelaide a 6 de Fevereiro de 2009 às 17:12
Belas e merecidas palavras, Ana.
Deixando um beijo.
De Ana Vidal a 6 de Fevereiro de 2009 às 19:51
Querida Adelaide, conto com o seu vento amigo também, viu?

Outro para si!
De marie tourvel a 6 de Fevereiro de 2009 às 22:03
Belíssimo, Pedro. Parabéns pelo texto.

Beijo
De Luísa a 7 de Fevereiro de 2009 às 03:16
Faço minhas as palavras do Pedro, ressalvando a substituição da palavra Cyrano pela palavra Roxane… ;-)
De Ana Vidal a 7 de Fevereiro de 2009 às 16:02
:-)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds