Quinta-feira, 5 de Fevereiro de 2009

Observatório

Pedro Silveira Botelho

 

 

Por Lá e Por Cá

 

Tenho andado muito desblogado. Não sei se é da crise, de que por aí falam, não sei se é do lodo, em que alguns estão atolados, não sei se é da descrença, em que todos navegamos. O facto é que me sinto cinzento. Como este País, como estes dias, que não ajudam. Não só os dias, as notícias destes últimos meses (desde que tenho andado desblogado que não as comento) têm sido de uma miséria franciscana (porventura, nem eles serão tão míseros).

 

Por lá, começaram os preços de matérias-primas essenciais e bens alimentares essenciais a subirem a galope. Falou-se em especulação, que a culpa também era dos chineses e dos indianos, que, mais ricos, desataram a comer à tripa forra, tirando-nos o pão da boca. Por cá, antes da crise por lá, começou a dizer-se que o pão ia aumentar um absurdo, por causa das farinhas e outros pós. Cá chegou. E foi o pão e a manteiga e o galão, que o pequeno-almoço fora tornou-se um luxo caro.

 

Por lá, começaram a ruir companhias e impérios, fruto de malfeitorias bem feitas por aldrabões sem escrúpulos, camuflados por sistemas de controlo não controlados, que se surpreenderam quando os gigantes partiram os pés de barro e se estatelaram no chão. Por cá, os nossos aldrabões engravatados de serviço também não estiveram a dormir e a onda deste choque também provocou estragos. Falirem empresas, há muito que já nos habituáramos. À falência de bancos, pois... teremos que nos habituar. Para já vão dois, amanhã logo se verá. Se ainda pudéssemos dormir descansados com a ‘constância’ da supervisão a quem compete, mas qual quê, parece que está mais a dormir que nós.

 

Por lá, no meio das trevas, abriu-se uma luz de esperança. Fará Obama a diferença? Terá força para suster a vaga e inverter o estado do mundo? Será que o deixam? Promessas não faltam, coragem tão pouco e força de carácter que baste, sobra-lhe. Por cá, enfim... bebemos também um pouco desta esperança, como no tempo da coca-cola importada. Todos acreditamos que se ele for bem sucedido, as migalhas hão-de cá chegar. A chatice é que isto está cheio de portugueses... e de muita trama, muita névoa, muita mer... a querer vir ao de cima.

 

Mas não. Deus é grande! Haverá sempre alguém a evitar que a trampa transborde...

 


Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 09:00
link do post
10 comentários:
De Ana Vidal a 5 de Fevereiro de 2009 às 09:35
Bem-vindo, Pedro. Gosto de ter-te por cá outra vez. Mesmo que seja assim desanimado, como andamos todos nós, portugueses.

Um beijo
De Ana Paula Motta a 5 de Fevereiro de 2009 às 11:51
Pois é Pedro, aqui no Brasil a situação não é muito diferente. Diziam que cá a crise não chegaria (piada de mau gosto) e que seria só "uma marolinha". Já se vê a diminuição do crédito,as demissões nas grandes fábricas, o aumento absurdo dos derivados de trigo.Infelizmente é só o começo.
De marie tourvel a 5 de Fevereiro de 2009 às 16:34
Como disse a Ana Paula Motta, a crise nem começou aqui no Brasil. A partir do final do primeiro semestre acho que já teremos uma idéia do que será a crise. Vamos pagar caro pelo estrondoso gasto público que assistimos nosso desgoverno cometer. E quem vai pagar a conta? Nós, naturalmente. :(

Ótimo texto, Pedro, querido.

Beijos
De lord broken pottery a 5 de Fevereiro de 2009 às 18:08
Preparo-me para ir ao cinema. É como tenho combatido a tristeza geral: fugindo da realidade.
Abraços
De mike a 5 de Fevereiro de 2009 às 21:09
Andou um tempo desblogado mas arremessa-nos com um post desta categoria, Pedro. Sabe o que acho? que Deus não é assim tão grande para isto... cheio de portugueses.
De observador do observatório a 5 de Fevereiro de 2009 às 23:00
Já fazia falta, PSB!
Bom filho a casa torna, e ainda bem.
De Anónimo a 6 de Fevereiro de 2009 às 11:56
Feliz regresso, o observatorio era muito esperado por aqui. Espero que agora não desapareça outra vez porque gostamos de lê-lo.
De Luísa a 6 de Fevereiro de 2009 às 16:52
Acho que só Deus, mesmo, poderá evitá-lo, Pedro. Felizmente, tenho fé! ;-)
Seja bem reaparecido.
De psb a 7 de Fevereiro de 2009 às 01:08
Ana, é bom estar de volta e sentirmo-nos em casa, nesta tua casa.
A ideia de 'refrescamento' com novas participações e colaborações fez-me sentir saudades e apanhar a boleia. Naturalmente enriquecido com as novas 'contratações de luxo', este espaço de troca de ideias e sentimentos, histórias e experiências, mantém sempre o cunho brilhante do teu punho. É sempre um prazer ler-te.
A todos os que tiveram a gentileza de comentar esta minha entrada, agradeço, pedindo desculpa de não o fazer individualmente.
Beijos e abraços para todos.
De Ana Vidal a 7 de Fevereiro de 2009 às 16:27
A casa é tua também, Pedro. E agora até está mais divertida, tem outros hóspedes. E vêm aí mais...

beijos

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds