Terça-feira, 3 de Fevereiro de 2009

Novidades II

Desde o primeiro momento em que a blogosfera me seduziu que os blogues do Brasil me chamaram a atenção, pela originalidade e variedade. Há-os excelentes, de todos os géneros e temas (como os portugueses ou outros quaisquer, dir-me-ão), mas neste caso escritos naquele irresistível português com açucar de que falava o nosso Eça. Posso mesmo dizer, sem qualquer favor, que foram alguns deles os principais responsáveis por essa sedução que me manteve por aqui até agora. Encontrei amigos e amigas inestimáveis do outro lado do oceano - não vou referir nomes, eles estão referenciados na barra lateral deste blogue - que já não dispenso. Espero conhecê-los ao vivo um dia destes, quando as braçadas atlânticas o permitirem e nos apanharem mais ginasticados, num ou noutro sentido da viagem.

 

Uma dessas amigas chama-se Marie Tourvel (um nick que vale, por si só, o meu aplauso), e conheci-a através de outra querida amiga, a MEG (autêntica referência da blogosfera do Brasil). No blogue da Marie descobri um dia uma pérola que me fez rir com vontade num dia em que estava bastante cinzenta, e só por isso já lhe estaria grata. Com o curioso título de Pocket Classic, o post apresentava-se como uma espécie de curso intensivo de literatura para milionários ignorantes, com vontade de brilhar nas rodas de intelectuais mas sem tempo nem vontade para se cultivarem a sério. A ideia pareceu-me deliciosa e lembrou-me uma colecção de livrinhos ingleses que ensinam dicas superficiais para conversação sobre vários temas, com o título genérico de "Bluff your way in...". Tenho alguns desses livrinhos na minha casa de banho, junto com um livro de citações de filósofos - há sempre livros na minha casa de banho - para que os meus hóspedes e convidados brilhem sempre, sem constrangimentos, em todas as conversas cá de casa (estou a brincar, claro, os meus convidados não precisam de provar nada a ninguém, muito menos a mim...). Mas, voltando à Marie e ao seu Pocket Classic, achei a ideia um verdadeiro achado e convidei-a para passar a postar aqui os seus textos sobre esse tema específico. Ela aceitou - obrigada, querida Marie! - e, assim, tenho o prazer de oferecer aos leitores deste blogue a escrita inteligente, culta, divertida e irónica com que nos brindará todas as terças-feiras. Cada semana o Pocket Classic apresentará um livro diferente, essencial em qualquer biblioteca que se preze. Milionários que me lêm, aproveitem!

 

Para verem que não minto nem exagero, aqui vai o primeiro post da série, já de seguida.

 

E está feita a minha terceira contratação, que vem repor o equilíbrio de géneros neste blogue. Ainda que, notem bem!, aqui não haja quotas. Era o que faltava...

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 21:33
link do post
12 comentários:
De mike a 3 de Fevereiro de 2009 às 23:20
Que se lixem as quotas, Ana. (Peço desculpa pela linguagem desbragada). Esta tua ideia é fantástica e o texto da Marie é um portento.
:-)
De Ana Vidal a 4 de Fevereiro de 2009 às 00:09
Obrigada, Mike, também acho. E que se lixem as quotas em qualquer circunstância... em relação a quase tudo, acho-as mesmo ofensivas.
De Fernando a 4 de Fevereiro de 2009 às 01:08
Bela contratação. Marie é uma jóia rara...
De Ana Vidal a 4 de Fevereiro de 2009 às 01:16
Sem dúvida, Fernando.
De marie tourvel a 4 de Fevereiro de 2009 às 10:24
Aninha, querida, o Fernando é suspeito. ;) É um amigo e tanto.

Beijos aos dois
De Pedro Barbosa Pinto a 4 de Fevereiro de 2009 às 10:36
Futebolisticamente falando, para ter a certeza que todos os blogo'spectadores entendem, é mais ou menos o equivalente a ter contratado um Ronaldinho seja ele Carioca, Gaúcho ou Madeirense.
De Ana Vidal a 4 de Fevereiro de 2009 às 11:10
Ora nem mais, Pedro! O "plantel" vai-se compondo (vê como eu também sei falar futebolês?).
De Grande Jóia a 4 de Fevereiro de 2009 às 16:03
Ana, que bom para o ego de todos nós.
Numa época em que só se fala de desgraça haver alguém com iniciativas e coisas bem feitas.
bj
De Ana Vidal a 4 de Fevereiro de 2009 às 20:11
Obrigada, GJ. Acho que estamos todos a precisar de rir de vez em quando, não é? E de arejar.

Um beijo
De Luísa a 4 de Fevereiro de 2009 às 19:48
Ana, estou a gostar muito desta revolução. :-)
De Ana Vidal a 4 de Fevereiro de 2009 às 20:14
Também eu, Luísa! De vez em quando é preciso agitar as águas, coisa que gosto muito de fazer. E é óptimo estar entre amigos, por isso me tenho divertido muito a "contratá-los". :-)
De marie tourvel a 4 de Fevereiro de 2009 às 20:30
Estar com vocês por aqui é muito bom. Estou muito feliz em fazer parte da equipe. E... tudo faremos para uma boa apresentação.

Estão vendo? Eu entendo um pouco de futebolês. Principalmente das entrevistas que os jogadores concedem. ;)

Beijos a todos.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds