Quarta-feira, 14 de Janeiro de 2009

Explicação

 

Querem saber porque não tenho escrito ultimamente?

Aqui está a resposta. Ainda tenho algum sentido de auto-crítica, felizmente.

Quem sabe se a inspiração volta, um dia destes? Ou a falta do tal sentido de auto-crítica, o que vai dar no mesmo...

 

(Nota: roubei a imagem à Mad)

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 12:08
link do post
11 comentários:
De Margarida Pereira a 14 de Janeiro de 2009 às 12:54
Diazito mau?!
"Beixinhos"
De Ana Vidal a 14 de Janeiro de 2009 às 13:18
Não é mau, é só desértico de ideias, Margarida...
:-)
Beijinho
De mike a 14 de Janeiro de 2009 às 14:36
Entendo-te, mas olha que isso combate-se... se deixamos que isso nos tome... :-)
De Ana Vidal a 14 de Janeiro de 2009 às 14:59
Eu sei... hei-de ficar mais auto-complacente, deixa lá... é só uma questão de tempo. :-)
De Mialgia de Esforço a 14 de Janeiro de 2009 às 14:57
Protesto! Mas o que é isto? Apesar de não ter comentado últimamente, nem por isso tenho deixado de aqui vir. Primeiro, o Paulo; agora a Ana!? Anda aí alguma virose no ar?
O que fazia aqui falta era o Chato d'Os Contemporâneos para a chamar à razão! :-)
Não desista, por favor!

De Ana Vidal a 14 de Janeiro de 2009 às 15:03
Olá, Mialgia! Só para fazer Vexa aparecer de novo, já valeu a pena ter estado calada...
Não desisto, prometo. É só uma pausa. :-)
De Mialgia de Esforço a 14 de Janeiro de 2009 às 15:17
Só para ler estas palavras de Sexa valeu a pena ter refilado :-)
De Pedro Barbosa Pinto a 14 de Janeiro de 2009 às 16:54
Subir ao telhado e tocar um pouquito de violino não ajudará? Hoje calhava bem porque o vento sopra para os meus lados.
De Ana Vidal a 15 de Janeiro de 2009 às 00:24
Nem isso, Pedro...
(sem metáforas, soubesse eu tocar violino e seria feliz!)
De Carlos Barbosa de Oliveira a 14 de Janeiro de 2009 às 18:50
De uma maneira ou outra, o importante é que volte. E depressa!
De Ana Vidal a 15 de Janeiro de 2009 às 00:25
Eu sou como o filho pródigo, Carlos: volto sempre, é uma questão de tempo.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds