Quarta-feira, 10 de Dezembro de 2008

Poemas escolhidos - 12




Transforma-se o amador na cousa amada,
Por virtude do muito imaginar;
Não tenho logo mais que desejar,
Pois em mim tenho a parte desejada.


Se nela está minha alma transformada,
Que mais deseja o corpo de alcançar?
Em si sómente pode descansar,
Pois consigo tal alma está liada.
 

Mas esta linda e pura semideia,
Que, como o acidente em seu sujeito,
Assim co'a alma minha se conforma,




Está no pensamento como ideia;
[E] o vivo e puro amor de que sou feito,
Como matéria simples busca a forma.
 (Soneto - Luís de Camões)    (Pinturas sobre o corpo - Ema Hack)

 

publicado por Ana Vidal às 20:59
link do post
12 comentários:
De fugidia a 10 de Dezembro de 2008 às 21:04
:-) (pelo poema)
:-) (pelas imagens)
:-) (pela conjugação das duas)

Beijinho
De Ana Vidal a 11 de Dezembro de 2008 às 00:33
:-) (pela visita)!

Beijinho
De Luísa a 12 de Dezembro de 2008 às 01:02
Pois eu direi mesmo mais:
:-D (pelo poema)
:-D (pelas imagens)
:-D (pela conjugação das duas)
(Nota: os meus sorrisos são um bocadinho mais rasgados só para introduzir um dado novo ao comentário da nossa Fugidia).
P.S: As pinturas são muito bonitas, românticas e é extraordinário que não apareçam deformadas pelas curvaturas do corpo.
De Ana Vidal a 12 de Dezembro de 2008 às 11:07
A Ema Hack é extraordinária, de facto. Tenho mais imagens em arquivo, um dia destes ponho aqui o resto.
:-D
De BENTO a 10 de Dezembro de 2008 às 21:46
Tive um acidente na net...e esbarrei neste blog,,,vou ficar aqui internado...a convalescença em boa companhia não é uma fatalidade...é uma benção...parabéns pelo conceptualismo gráfico...
De Ana Vidal a 11 de Dezembro de 2008 às 00:36
obrigada...volte sempre... :-)
De mike a 11 de Dezembro de 2008 às 02:01
E não é que gostei deste post?... mesmo sendo avesso a poesia? :-)
De Ana Vidal a 11 de Dezembro de 2008 às 11:32
E não é que isso não me espanta nada??... ;-)
De Margarida Pereira a 11 de Dezembro de 2008 às 15:30
Rever estas imagens envolvidas nas palavras Vintage do vate é saborosíssimo...
Há algo de gustativo na Arte.
Nas Artes.
E, também, nos sentimentos.
Emocional e intenso.
Muito 'Ana v.'...
:)
De Ana Vidal a 11 de Dezembro de 2008 às 15:42
Concordo, Margarida: a Arte é muitas vezes uma espécie de gourmandise irresistível. Obrigada pelo elogio.

Um beijinho
De Paulo Cunha Porto a 11 de Dezembro de 2008 às 23:40
Pois eu retirei uma lição mais comezinha:
o Amor deixa-nos de todas as cores...
Beijinho
De Ana Vidal a 12 de Dezembro de 2008 às 01:02
E deixa mesmo, Paulo. Tornamo-nos um arco-iris ambulante...
beijinho

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds