Terça-feira, 2 de Dezembro de 2008

Se cá nevasse...

 

Escandinávia? Áustria? Rússia? Canadá?

 

Nada disso: Castro d'Aire, Portugal. Este fim-de-semana.

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 12:38
link do post
24 comentários:
De Margarida Pereira a 2 de Dezembro de 2008 às 13:29
Terra do meu avô paterno, o grande, maravilhoso, terno e saudoso sr. Ayres...
Saudades brancas.
Mas calorosas.
De Ana Vidal a 2 de Dezembro de 2008 às 22:04
Um beijo, Margarida.
Terra bonita, a do seu avô.
De Paulo Cunha Porto a 2 de Dezembro de 2008 às 15:57
Ainda neste fim de semana falei desta terra. A foto quase podia ser um representação da Belém da História Sacra...
Beijinho
De Ana Vidal a 2 de Dezembro de 2008 às 22:05
O que é estranho é ser em Portugal, Paulo...
Beijinho
De patti a 2 de Dezembro de 2008 às 16:06
Que lindo Ana!
Quem me dera ter assistido, adoro o frio.
De Ana Vidal a 2 de Dezembro de 2008 às 22:06
Eu também adoro o frio, mas com uma lareira e boa companhia!
De João Paulo cardoso a 2 de Dezembro de 2008 às 16:08
Castro d' Aire, Alto Alentejo?

Bem... ainda seria mais extraordinário se fosse em Castro Marim, Algarve.

Beijos.
De João Paulo cardoso a 2 de Dezembro de 2008 às 16:12
Não sei como, confundi Castro d'Aire com Cabeço de Vide... deve ser do frio.

Beijos.
De Ana Vidal a 2 de Dezembro de 2008 às 22:07
Confundiste a beira da estrada com a estrada da Beira, é o que é...

beijos
De miguel a 2 de Dezembro de 2008 às 17:50
Trabalhei 2 anos em Ansião. Também toda essa região ( perto de Coimbra, onde é muito raro nevar) está sob um manto de neve e as pessoas sobre esse manto. Tanta neve que até deu para cortar estradas.
Vão fazer 2 e 3 anos que nevou aqui , na região de Lisboa.
Paradoxos do aquecimento global....
De Ana Vidal a 2 de Dezembro de 2008 às 22:08
É verdade, Miguel. Nesse dia fui para a janela ver nevar, como acho que toda a gente em Lisboa, e o que mais me impressionou foi ver a loja de chineses em frente de minha casa que não fechava a porta, nem com a neve a entrar lá para dentro!
De carlosbarbosaoli a 2 de Dezembro de 2008 às 18:57
Fotografia fabulosa. Gostava de ter podido presenciar a partir de uma janela, nuam sala bem aquecida. Tenho horror ao frio, mas adoro neve!
De Ana Vidal a 2 de Dezembro de 2008 às 22:09
Só assim, Carlos, também acho.
De Ana Paula Motta a 2 de Dezembro de 2008 às 20:22
Que linda cena. Que "inveja" e eu aqui nesse calor insuportável...
De Ana Vidal a 2 de Dezembro de 2008 às 22:11
Ninguém está contente com o que tem, Ana Paula, não é verdade? Por mim, não me importava de ter um bocadinho mais de calor por aqui. Mas concordo que os espectáculo é muito bonito.
De JuliaML a 2 de Dezembro de 2008 às 20:57
sou do Distrito, passava sempre por aí a caminho de Viseu.

De Ana Vidal a 2 de Dezembro de 2008 às 22:11
Indo eu, indo eu, a caminho de Viseu...
Beijo, Júlia
De Cristina Ribeiro a 2 de Dezembro de 2008 às 23:09
Cá em cima houve um nevão daqueles...; tudo branquinho.
A fotografia é lindíssima.
De Ana Vidal a 3 de Dezembro de 2008 às 00:15
Imagino que bonito, Cristina!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds