Segunda-feira, 1 de Dezembro de 2008

Fitas de fim-de-semana

 

Tenho andado em maré de cinema, sempre que consigo arranjar um bocadinho livre. Este fim-de-semana vi dois filmes:

 

1. Reviver o passado em Brideshead, um tira-teimas cujo balanço me faz subscrever, na íntegra, esta crítica certeira. Mesmo assim, acho que valeu a pena ver o filme. Pela estética irrepreensível, em primeiro lugar. E pelo alívio que senti em relação ao meu maior medo: surpreendentemente, não foi do maravilhoso Jeremy Irons que senti falta durante todo o filme, como temia. Matthew Goode é um bom Charles Ryder e constroi uma personagem diferente da que eu tinha na memória, mas igualmente interessante. Absolutamente fatal é Sebastien, uma "bicha" sem qualquer sofisticação ou credibilidade. Que saudades de Anthony Andrews!

 

2. O corpo da mentira, um filme insuportavelmente actual. Espionagem, guerra do Iraque e terrorismo islâmico, é a ficção do que vemos diariamente nos jornais televisivos, esses em versão real. E o facto de as confundirmos já com tanta facilidade mostra bem o grau de insensibilidade que a banalização da violência nos trouxe. É desconcertante, e por isso incomoda. Está bem vista a esquizofrenia tranquilamente integrada de um homem (o big boss da CIA) que passeia, brinca e adormece os filhos pequenos, ao mesmo tempo que comanda, com uma frieza e uma brutalidade assustadoras, operações sangrentas no outro lado do mundo. De resto, o filme provou-me uma vez mais que Leonardo di Caprio é mais do que um palmo-de-cara-bonitinha-de-mais, e que a minha velha embirração com Russel Crowe não se desvanece nem com interpretações convincentes.

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 23:36
link do post
3 comentários:
De fugidia a 2 de Dezembro de 2008 às 05:48
Ah!, eu fui ver "A dupla face" (o Pacino e o De Niro são dois actores absolutamente fabulosos) no sábado e... (sorriso corado)... bom, quis ir ver qualquer coisa romântica (fiz mal, o fim não foi feliz :-( ) e foi mesmo o "Sorriso das estrelas" no domingo :-(

Boa semana :-)
De Paulo Cunha Porto a 2 de Dezembro de 2008 às 15:55
Ainda bem que não errei no que disse do «Brideshead», Querida Ana. E tqambém não aprecio o gladiador Crowe.
Beijinho
De Ana Vidal a 2 de Dezembro de 2008 às 20:45
Acertaste em cheio, Paulo.
Beijinho

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds