Domingo, 30 de Novembro de 2008

To whom it might concern

 

 

 

 

Ter mau perder é uma chatice.

Exibir o mau perder em forma de despeito, é um espectáculo triste.

Transformar o despeito numa espécie de superioridade moral, é insuportável.

Pensar que nesse moralismo não se vê o despeito que o gerou, é confrangedor.

Ficar eternamente a destilar fel, a fermentar vinganças e a disparar setas envenenadas, à sombra de uma mal disfarçada arrogância e de uma pose de virtude ultrajada, é verdadeiramente patético.

 

Proteja-nos Deus dos que se julgam santos, que são muito mais perigosos do que os pecadores.

 

PS: Sim, é um recado. E só interessa a quem se dirige.

 

(Imagem: "Anjodemo", de Escher)

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 02:12
link do post
12 comentários:
De JuliaML a 30 de Novembro de 2008 às 08:41

Amen!

´é falta de dignidade.
De Ana Vidal a 1 de Dezembro de 2008 às 12:56
É, Júlia. E de carácter.
De Anónimo a 30 de Novembro de 2008 às 11:13
Sem nenhuma outra intenção que não seja a de repor o título correcto da tua entrada,
leia-se:
TO WHOM IT MAY CONCERN
De Ana Vidal a 30 de Novembro de 2008 às 13:07
Agradeço a correcção, caro(a?) Anónimo(a?), mas prefiro deixar a expressão idiomática como está.
De marie tourvel a 1 de Dezembro de 2008 às 02:34
Olha que esse recado pode servir não só para quem é direcionado, mas para um monte de gente. Eu conheço pelo menos três pessoas a quem serviria. :)
Perfeito, querida!

Beijos!
De Ana Vidal a 1 de Dezembro de 2008 às 12:54
Há muito mau perder por aí, Marie...

Um beijo.
De Paulo Cunha Porto a 1 de Dezembro de 2008 às 14:06
Bem, com a injunção para mão comentar outras figuras, cinjo-me à figura do Escher: a articulação do branco e preto - anjo/morcego, faz lembrar aquele célebre jarro branco/dois rostos virados um para o outro dos testes psicológicos. Mas enquanto que nesse a apreensão mais imediata me parece ser a da cor clara, aqui é o negro que primeiro se faz ler.
Beijinho, Querida Ana
De Ana Vidal a 1 de Dezembro de 2008 às 22:26
Não necessariamente, Paulo. O anjo também pode ser muito visível, e eu gostaria bem de saber se há algum significado no facto de ver primeiro um ou outro. Se calhar é perfeitamente aleatório...

O Escher era mestre na arte da ilusão óptica, os quadros dele são espantosos.

Beijinho
De fugidia a 1 de Dezembro de 2008 às 14:17
Querida Ana,
recebe um sorriso pela parte que me toca na satisfação de te ler.
:-)
De Ana Vidal a 1 de Dezembro de 2008 às 22:28
E aqui tens outro, de volta: :-)
De Mad a 2 de Dezembro de 2008 às 20:21
Ora bolas! E eu que vim aos comentos de propósito para ver se havia alguém com tanto mau perder, mas TANTO que se tivesse descaído...

:)
De Ana Vidal a 3 de Dezembro de 2008 às 00:33
Cusca!!!!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds