Sábado, 29 de Novembro de 2008

Premonição

 

Do excelente documentário de Patrick Jeudy que acabei de ver na RTP 2 sobre a vida e morte de Marilyn Monroe, retive um pormenor que me impressionou, por resumir e condensar em si toda a dimensão de uma tragédia: quando a explosão de popularidade começou a ameaçar seriamente a sua privacidade, para se proteger e preservá-la Marilyn dava sempre um número de telefone falso. Esse número era o da morgue de Los Angeles.

 

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 01:05
link do post
17 comentários:
De Margarida Pereira a 29 de Novembro de 2008 às 13:42
Belíssimo documentário...
E pairando sobre arranha-céus cinzentos, palmeiras brilhantes e uma vida tão magoada, aquela soberba voz em francês, que ali ficava tão bem..., como se longínqua e terna, a palavra romanceada adoçasse o tão triste fim. A tão dolorida existência.
Se já sentia carinho pela Norma Jean, este vislumbre de outro prisma (via psicanalista) ainda me faz compreendê-la melhor; sentir mais o seu sofrimento tão prolongado.
Mais uma constatação de que por mais bonito o embrulho, o que importa é o que guarda lá dentro.
Às vezes são só sustos, mágoas, fantasmas e um desejo incontrolável de fim.
De Margarida Pereira a 29 de Novembro de 2008 às 13:46
... era bom que às vezes pudéssemos combinar assistir a algo e depois comentarmos todos... :)
Gostei muito de poder dizer isto aí em cima e - lá está - se não houvesse sintonia, não teria o mesmo reflexo.
Assim, foi como se tivéssemos visto o documentário juntas! Com chocolate quente e uma lareira suave.
Gostei mesmo muito do programa...
Momento houve em que me senti 'lá'. em que quase me ouvi a consolá-la.
em que me apeteceu abraça-la.
Muito.
Muito.
Linda, triste, perdida Norma Jean, criança dos céus...
De Ana Vidal a 29 de Novembro de 2008 às 13:54
Senti o mesmo, Margarida.
Marilyn (ou, mais correctamente, Norma Jean) tinha um ar tremendamente desprotegido e carente que nos fazia querer salvá-la da voracidade do mundo. Ou de si própria, talvez, já que toda a vida dela foi um ensaio geral para o fim trágico que a esperava.
Este episódio do número de telefone mostra bem isso, uma premonição cheia de um lúgubre significado.

Acho essa ideia engraçada, a de combinarmos ver alguma coisa e depois comentarmos. Por mim, alinho.
De carlosbarbosaoli a 29 de Novembro de 2008 às 17:16
O documenário era excelente e vem repôr alguma justiça à memória d Marilyn, por muitos considerada uma actrisz "menor".
No final, retive-me durante bastante tempo a recordar uma canção que na juventude trauteava constantmente, sem perceber muito bem a razão:"I'm sorry".
De Pedro a 29 de Novembro de 2008 às 19:05
Curioso, infelizmente não o vi, mas ainda hoje o meu pai falou-me dele. Fica para uma próxima.
De Ana Vidal a 29 de Novembro de 2008 às 23:07
Há-de passar outra vez, Pedro, a 2 repete imenso os programas.
De JuliaML a 29 de Novembro de 2008 às 21:58
impressionante, realmente!

talvez ela tenha tido sempre pensamentos suicidas..
De Ana Vidal a 29 de Novembro de 2008 às 23:06
Segundo o seu psicanalista, teve-os desde muito cedo.
De JuliaML a 30 de Novembro de 2008 às 23:08

eu não vi, Ana...e com muita pena...
De luis eme a 29 de Novembro de 2008 às 22:50
também vi e achei curioso, Ana.

mas pode ter várias interpretações, menos mórbicas, como por exemplo: «não me chateies que eu não existo para ti.»
De Ana Vidal a 29 de Novembro de 2008 às 23:05
Sim, é verdade. Mas no caso de Marilyn não me parece que houvesse essa leveza de espírito, Luís. Tudo nela era trágico, ao contrário do que dava a entender o seu ar leve e fútil.
De Mialgia de Esforço a 30 de Novembro de 2008 às 00:29
Não vi o documentário, mas o comentário da Margarida vale por mil imagens. Grande Beijoca para Ela.

Pobre Norma Jean que apenas pretendia uma coisa que parece tão simples: ser feliz.

Eu com a minha mania da música julgo que este blues do Grande Albert King (disponível no YouTube) lhe assenta na perfeição:

Born under a bad sign
I was down since I began to crawl
If it wasn't for bad luck
I would have no luck at all
De Ana Vidal a 1 de Dezembro de 2008 às 13:01
Assenta mesmo, Mialgia!
Se puder apanhar uma repetição do documentário, não perca. É mesmo muito bom, e redime uma figura trágica que muitos consideram apenas uma "tonta". Que não era, de todo. Era apenas profundamente infeliz, e a sedução (a beleza como arma) era uma forma de tentar agradar a qualquer preço, porque tudo o que queria era que gostassem dela. Parece tão simples, não é? E afinal pode ser tão difícil...
De Paulo Cunha Porto a 1 de Dezembro de 2008 às 14:10
E no entanto...
...não seria o wishful thinking de não querer ser jamais encontrada nesse local pouco aprazível?
Diria o cínico o mesmo que de Bond se poderia tirar para o Lino Ministro: " Never say never again".
Beijinho
De Ana Vidal a 3 de Dezembro de 2008 às 00:44
Quem sabe, Paulo...
De Teresa Ribeiro a 2 de Dezembro de 2008 às 14:26
Infelizmente não o vi. Ignorava esse detalhe do telefone, tão revelador!
De Ana Vidal a 3 de Dezembro de 2008 às 00:45
E tão premonitório, Teresa!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds