Terça-feira, 18 de Novembro de 2008

Jardim encantado

Depois de dez anos em obras (!!!), abriu ontem ao público, finalmente, um dos reinos encantados da minha infância: o Jardim da Preta. Fica no Palácio Nacional de Sintra (o "Palácio da Vila") e merece uma visita. Está aberto entre as 10:00 e as 17:00 horas, todos os dias, e é gratuito para os residentes no concelho. É uma boa sugestão para uma tarde de domingo soalheira, como as que temos tido neste Outono glorioso.

 

 

 

 

(Nota: Agradeço a informação ao senhor Adriano Filipe, que, sem me conhecer, simpaticamente ma enviou por e-mail, provavelmente por ter lido o meu post antigo aqui na Porta do Vento).

 

publicado por Ana Vidal às 11:07
link do post
20 comentários:
De Cristina Ribeiro a 18 de Novembro de 2008 às 12:56
E parece ser bem bonito...
De Ana Vidal a 18 de Novembro de 2008 às 23:36
É pequeno mas muito bonito, Cristina, e tem um charme muito especial.
De carlosbarbosaoli a 18 de Novembro de 2008 às 13:50
Obrigado pela informação. Parece-me uma excelente proposta e já a apontei no meu Mouleskine"
Obrigado, Ana!
De Ana Vidal a 18 de Novembro de 2008 às 23:37
De nada, Carlos. Se ainda não conhece o Jardim, aproveite. E revisite o Palácio, que está um brinquinho. :-)
De fugidia a 18 de Novembro de 2008 às 14:38
Ana, e que tal uma excursão de bloguistas?
Podiamos fazer um pic-nic!
:-D
De Ana Vidal a 18 de Novembro de 2008 às 23:39
Aí está uma excelente ideia! Não me parece que nos deixem comer lá, mas podemos visitar o Jardim e depois "aterrar" na Piriquita, que é mesmo ali ao lado... ups! :-)
De Paulo Cunha Porto a 18 de Novembro de 2008 às 16:59
Lembro-me bem da odisseia que foi a Tua franquia do espaço encerrado ao Público e da hesitação em como gratificar a funcionária que To permitiu, com o desfecho osculatório universalmente invejado.
Beijinho
De Ana Vidal a 18 de Novembro de 2008 às 23:40
Que bela memória, Paulo! O desfecho osculatório é que ela não esperava, mas achou graça.
beijinho
De JuliaML a 18 de Novembro de 2008 às 22:33

Ana...reconheci logo, só cliquei no link para ter a certeza que seria aquele do post que jamais esqueci :-)

bom,isso!

beijinho
De Ana Vidal a 18 de Novembro de 2008 às 23:42
Também tens boa memória, Júlia... Vem cá ter também, vais connosco ao jardim.
De mike a 18 de Novembro de 2008 às 23:30
Ana, não me apetecem jardins... :-(
Vou aos Pastéis de Nada, pronto... tenho fome, ainda estou a trabalhar e não jantei, bolas! ;-)
De Ana Vidal a 18 de Novembro de 2008 às 23:43
Petiscos? Hummm... isso lembrou-me um post que ando para fazer há uns tempos. Mas é mais para as meninas, sorry... :-)
De mike a 19 de Novembro de 2008 às 01:16
Amiga da onça!
De Luísa a 19 de Novembro de 2008 às 03:09
Ana, lembro-me perfeitamente da sua reportagem fotográfica, e não deixarei de visitar o jardim quando me deslocar a Sintra… o que já não acontece, aliás, há demasiado tempo! :-)
De Ana Vidal a 19 de Novembro de 2008 às 12:49
Venha, Luísa, e avise. Sintra vale sempre a pena.
De Mialgia de Esforço a 19 de Novembro de 2008 às 11:55
Já visitei o Palácio da Vila para aí umas 300 vezes (nem tantas, talvez), mas não conhecia o Jardim. Fica para a próxima. Estou em crer que foi por pudor que o Jardim esteve tanto tempo encerrado. Os magníficos relevos da Preta e do Fidalgo sugerem-me uma história de lascívia.
De Ana Vidal a 19 de Novembro de 2008 às 12:55
300 vezes, Mialgia?? É fétiche ou foi por razões profissionais?

A história é a de uma paixão tórrida e condenada entre um fidalgo da corte e uma lavadeira preta... lascívia e tragédia, portanto. Mas, por estranho que pareça, não aparece referida em nenhum livro sobre o Palácio ou sobre Sintra. Fiz uma pesquisa e não encontrei nada, a não ser a lenda mantida pela tradição oral, que conheço desde miúda.
De Mialgia de Esforço a 19 de Novembro de 2008 às 15:24
Pronto, 300 não foram. Talvez umas 10. Por motivos pessoais e profissionais (mais estes). É que periodicamente é preciso acolher umas reuniões internacionais, de 2-3 dias, e tem que se organizar também um programa social. Como não há muito tempo livre, dá-se uma voltinha pelos arredores: leva-se os cámones a passear a Sintra, ao Cabo da Roca e almoça-se ou janta-se na zona do Guincho.

Juro que não sabia da história, mas palpitou-me que havia ali "a little bit of rogering". Que não foi só fruto da imaginação da minha cabecinha perversa.

Ela nisto e o pobre do Preto a esfalfar-se a fazer queijadas...
De Ana Vidal a 19 de Novembro de 2008 às 20:11
LOL. Essa é óptima, Mialgia! Nem me tinha lembrado do Preto das queijadas, coitado...

Então anda a passear camónes e sus muchachas aqui nos meus domínios? Muito me conta... para a próxima diga-me que eu arranjo-lhes um programa diferente, cheio de lendas e narrativas. :-)
De Mialgia de Esforço a 20 de Novembro de 2008 às 00:27
Dito assim até parece que sou um sucedâneo do Zézé Camarinha :-)

Obrigado pela disponibilidade. Para a próxima recorrerei aos seus valiosos préstimos, embora não saiba quando será. Contenção orçamental oblige.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds