Quarta-feira, 5 de Novembro de 2008

The end

 

Na melhor nódoa cai o pano.

 

Já era tempo.

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 08:15
link do post
18 comentários:
De SC a 5 de Novembro de 2008 às 10:27
Só em Janeiro, mas é um facto: tem os dias contados! (yeah! :) )

Um beijinho
De Ana Vidal a 5 de Novembro de 2008 às 11:27
Yessss!
Beijinho
De Mialgia de Esforço a 5 de Novembro de 2008 às 11:00
Eight years too many!
Goodbye and good riddance, Dubya!
De Ana Vidal a 5 de Novembro de 2008 às 11:31
Tempo de mais, realmente. Oito anos negros na história dos EUA e do mundo ocidental, que deixarão marcas durante muito mais do que oito anos. Digo o mesmo: Good riddance, Dubya!
De filomeno a 5 de Novembro de 2008 às 11:31
Con España se portó bien en el Conflicto del islote Perejil, julio de 2002........
De Ana Vidal a 5 de Novembro de 2008 às 11:41
Amigo Filomeno, ele que guarde bem essa medalha, porque não terá muitas mais para pôr na lapela...
De Grande Jóia a 5 de Novembro de 2008 às 13:13
Hip Hip Hurra!
De Ana Vidal a 5 de Novembro de 2008 às 16:11
Que vá pela sombra...
De mike a 5 de Novembro de 2008 às 13:46
Eu, sempre cauteloso... não vá haver ocasião para se dizer atrás de mim virá quem bom de mim fará. Acho que não será o caso, contudo... ui, quanto cepticismo e cautela aqui para estes lados. ;-)
De Ana Vidal a 5 de Novembro de 2008 às 15:49
Não vejo como isso possa acontecer, Mike... qualquer um é melhor do que ele, por muito mau que seja.
De mike a 5 de Novembro de 2008 às 18:13
Hey, we never know, Ana. :-)
De Ana Vidal a 5 de Novembro de 2008 às 22:12
Sometimes we do, Mike... :-)
De RAA a 5 de Novembro de 2008 às 19:46
...na melhor nódoa. .. Lindo.
De Ana Vidal a 5 de Novembro de 2008 às 22:08
Gosto de subverter os provérbios, vizinho... ;-)
De Luísa a 5 de Novembro de 2008 às 23:38
Ana, também sou dos que viram, desde sempre, em Bush o rapazinho que nunca cresceu e que ainda levaria para o emprego, escondidos na pasta, os seus soldadinhos de chumbo e os seus livros de banda desenhada. Mas sobre a «presidência Bush» (que não foi só feita por ele, mas por uma equipa) não tenho opinião tão formada. Do meu fraco conhecimento, há quatro aspectos (circunstâncias) muito negativos a considerar: o 11 de Setembro, que não foi responsabilidade dele; a crise económica, que, tanto quanto sei, foi gerada pelos seus antecessores, e que ele não soube controlar, é certo, mas que ninguém, no resto do mundo, também soube; a invasão do Iraque, sobre que condeno a aldrabice das armas, mas cujos efeitos não são ainda, segundo os entendidos, avaliáveis; e o combate ao terrorismo, sobre que, por ser feito subterraneamente, não existe informação disponível que permita apreciar os progressos (sendo certo que, no Ocidente, se tem podido respirar nestes últimos tempos). Se calhar, só daqui a uns anos será possível ter alguma perspectiva... Para já, acho que penso pior da administração que ordenou o lançamento da bomba atómica.
De Ana Vidal a 6 de Novembro de 2008 às 00:20
Querida Luísa, não posso concordar com tanta bonomia a classificar o "rapazinho", quando os soldadinhos de chumbo com que ele tem brincado são de carne e osso e vão morrendo como tordos num campo de batalha que não é propriamente o recreio da escola...
Mas é claro que, na comparação que faz, a bomba atómica ganha a todos os outros brinquedos de guerra, e ainda não houve gesto que se comparasse ao seu lançamento. Felizmente. :-(
De miguel - o bota-abaixo a 6 de Novembro de 2008 às 07:22
Luísa: subscrevo, palavra por palavra o seu comentário. Tenho talvez um nadinha menos de dúvidas.É que, de momento, não tenho uma percepção globalmente negativa da administração Bush. Talvez quando se fizer a história, mude de opinião.

E lá estou eu contra a corrente, aqui no " Porta do Vento :)
De Ana Vidal a 6 de Novembro de 2008 às 12:31
No teu caso, Miguel, o bota-abaixo já é uma questão de atitude, não é? :-)
Mas tudo bem, é sempre bom haver quem nos provoque...

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds