Terça-feira, 28 de Outubro de 2008

Luzes da ribalta

 

Dois dias seguidos, dois belíssimos filmes que finalmente consegui ver: Caramel e Irina Palm.

 

Do primeiro (um filme libanês) direi que poderia ser um Almodôvar, apenas um pouco mais exótico. Apaixonada como sou pelo espanhol-maravilha, não posso fazer-lhe maior elogio. É um filme de mulheres e para mulheres, devo no entanto avisar. Não digo que não haja homens que o saibam apreciar, mas não é para todos.

 

O segundo (uma co-produção de 6 países) tem, além de um argumento originalíssimo, uma surpresa adicional: a cantora Marianne Faithfull como protagonista, numa  interpretação inesquecível.

 

Ambos são de 2007.

Ambos são de uma sensibilidade notável.

Ambos foram premiados e louvados internacionalmente.

Ambos nos deixam a "olhar para dentro", um dos efeitos de que mais gosto num filme.

Ambos falam de valores que andam muito esquecidos hoje em dia: generosidade extrema, entrega, despojamento, solidariedade.

 

Assim, vale a pena ver cinema.

 

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 23:57
link do post
12 comentários:
De Mialgia de Esforço a 29 de Outubro de 2008 às 11:48
De Irina Palm tinha boas referências e já estava na minha lista de filmes a ver. De Caramel tinha a percepção de ser uma fita neura, de conversa de cabeleireiro. Depois de ler o seu endorsement, vi um excerto no YouTube e gostei. Mais um para a lista!
Giras, as libanesas!
De Ana Vidal a 29 de Outubro de 2008 às 12:59
Mais do que giras, Mialgia: as mulheres do médio oriente têm fama, e as libanesas em especial. A protagonista do Caramel é uma beleza.
De Luísa a 29 de Outubro de 2008 às 13:35
Não vi nem um, nem outro, pelo que dou aqui por reproduzidas, fielmente, as palavras do Mialgia… salvo as três finais (que reservo para próxima oportunidade). ;-)
P.S.: Também vi a apresentação do «Caramel» no YouTube e a referência a quatro amigas fez-me logo pensar no «Sexo e a Cidade». A sua referência a Almodôvar, por sua vez, sugere-me «Mulheres à beira de um ataque de nervos». Será que pode situar-se algures, entre os dois?
De Ana Vidal a 29 de Outubro de 2008 às 14:52
Luísa, o Caramel não tem nenhum ponto de contacto com "O sexo e a cidade", a não ser o facto de se passar num universo quase exclusivamente feminino. Com o "Mulheres à beira de um ataque de nervos" sim, já lhe encontro várias afinidades. Embora os problemas e o dia-a-dia das mulheres árabes (mesmo num país relativamente ocidentalizado como o Líbano) estejam ainda a uma grande distância dos das espanholas, o ambiente e a abordagem são parecidos.
Espero que goste das minhas sugestões, já que faz tanta fé no meu gosto cinéfilo! :-)

De Paulo Cunha Porto a 29 de Outubro de 2008 às 15:32
Cá fico com as injunções, mais do que sugestões, tratando-se de Ti. Agora, deste-me um desgosto com o Almodôvar: tanto que gostei do «Matador» e, daí para cá, tem vindo sempre a descer...
Muitos dotes, pouco aproveitamento sério deles.
Beijinho
De Ana Vidal a 29 de Outubro de 2008 às 15:57
Nada de acordo, Paulo. Para mim, os filmes dele têm vindo sempre a melhorar (excepto o Mala Educacion, de que não gostei especialmente))... a obra prima é o Hable con Ella, e acho que dificilmente fará melhor.
Muitos dotes só ganham com amadurecimento e experiência, meu amigo. :-)
beijinho
De João Paulo Cardoso a 29 de Outubro de 2008 às 15:49
E eu que pensava que o "Caramel" era sobre as belas mulheres da minha região!! (Pinhal Novo, nação caramela).

Reconheço, no entanto, que as libanesas são mais bonitas e sinto um calor do caraças ao imaginar como serão as iraquianas debaixo das suas burkas.

Uma lanterna, por favor.

Beijos.
De Ana Vidal a 29 de Outubro de 2008 às 20:37
Só de lanterna mesmo, JP... mas consola-te, que as tuas caramelas estão pelo menos mais à mão!

Bjs
De marie tourvel a 29 de Outubro de 2008 às 20:16
Agora me deu vontade de assistir a esses filmes, Ana, querida. E Almodôvar? Também gosto demais. :)
Um beijo.

PS: acho que terei de declamar mais poemas de Ana Vidal lá no "Letras". Ando recebendo e-mails para me perguntar mais sobre a autora de tão belo poema. ;)
De Ana Vidal a 29 de Outubro de 2008 às 20:40
Simpatia sua, Marie, e dos seus amigos. :-)
Mas declame os meus poemas que quiser, para mim é um prazer. Há vários deles no
www.violinosnotelhado. blogspot.com
De mike a 29 de Outubro de 2008 às 21:55
Uma coisa devo confessar-lhe. Não fosse a Ana a autora da crítica aos filmes e ambos não me despertariam a atenção ou a tentação de os ver. Por preconceito, dirá. E eu responderei afirmativamente. Sendo a menina, as coisas mudam de figura. :D
De Ana Vidal a 29 de Outubro de 2008 às 22:14
Só posso agradecer a confiança, Mike, mas agora a minha responsabilidade aumentou... espero que não me venha pedir o dinheiro de volta, se não gostar... ;-)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds