Domingo, 28 de Setembro de 2008

Percurso

 

Da Praça do Império à Praça da Alegria.

Da pompa à circunstância.

Da formalidade à surpresa.

 

O percurso da inevitabilidade?

 

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 10:28
link do post
9 comentários:
De mike a 28 de Setembro de 2008 às 11:06
A inevitabilidade tem vários percursos, sim. Esses poderão ser alguns. ;-)
De Anytime a 28 de Setembro de 2008 às 11:31
Deve ser inevitável, esse percurso, cara Ana, porque
a) Os impérios não costumam desaguar na alegria;
b) as "coisas" tradicionalmente começam nas circunstâncias e só depois vão para a pompa;
c) tal como começam na surpresa e acabam na formalidade.

Um percurso que nasce de tantas heterodoxias deve ser inevitável. Tem que ser...



De Ana Vidal a 28 de Setembro de 2008 às 11:41
Bem visto, Anytime, e bem argumentado.
De Paulo Cunha Porto a 28 de Setembro de 2008 às 14:36
E, contudo, a Praça do Império é posterior e menos atravancada. Mas eu não prezo as surpresas, salvo uma esplanada do nome onde encontro uma Pessoa que estimo, na Poça. E acho que Ortega, ao dizer que o Homem é ele mais a su acircunstância, talvez errasse o mesmo sentenciando que o é, mais a sua pompa.
Beijinho
De Ana Vidal a 28 de Setembro de 2008 às 15:23
Ou ambas, Paulo.
E eu gosto de surpresas, ao contrário de ti.
Beijinho
De maria.musqueteira a 28 de Setembro de 2008 às 16:40
.... e não termina esse percurso da inevitabilidade... na rua braancamp?... no prédio das "carinhas?"....(digo eu: pensando na maratona do dia). um beijo AV.
De Ana Vidal a 28 de Setembro de 2008 às 17:15
É uma boa dica, Maria... mas esta maratona foi ontem!
Um beijo :)
De Luísa a 29 de Setembro de 2008 às 04:32
Deus a oiça, minha querida Ana, e faça desse percurso (tal como o leio e com surpresas agradáveis, naturalmente) uma inevitabilidade. :-)
De Ana Vidal a 29 de Setembro de 2008 às 23:00
Pois... espero que sim, Luísa. Os percursos que começam ao contrário muitas vezes são os mais interessantes.
Beijinho ;)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds