Segunda-feira, 22 de Setembro de 2008

Ponto de fuga

 

Um dia destes ganho coragem e salto a janela. Passo uma perna, sem pressas, sobre o peitoril familiar; depois a outra, talvez ainda mais devagar, avaliando o risco e todas as consequências futuras dessa loucura, uma por uma. Ou então faço tudo de repente, com a urgência dos cobardes e dos desistentes, que se precipitam no vazio porque temem arrepender-se. E porque preferem entregar-se à sorte, pensando que ao menos terão a fatalidade como álibi e o destino como culpado a quem apontar o dedo. Um dia destes aproveito uma qualquer pedrada certeira para acabar com as dúvidas e estilhaçar utopias, feitas dos pálios e das fanfarras que sustentaram no seu pedestal uma ilusão de liberdade. Um dia destes atiro para uma mala todas as lembranças, todas as memórias, todos os sonhos vividos, desejados ou apenas temidos, e levo tudo comigo para a derradeira aventura. Não faltarão cheiros, cores, sabores intensos, sol e chuva, terra e mar, muito mar. Tudo isso irá comigo, porque tudo isso se me colou à pele com os anos e já faz parte de mim. Um dia destes reaprendo a dizer lareira, mesa, pão, vinho, consoada, linho, lã, aconchego. Está decidido. Um dia destes salto a janela e volto para casa.

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 13:30
link do post
32 comentários:
De mria.musqueteira a 22 de Setembro de 2008 às 16:12
...e só o espelho da vida fica no chão. o resto voa... sabe-se lá qual a direcção. há também linguagens assim na mestria das cores. boa semana: av!
De Ana Vidal a 22 de Setembro de 2008 às 18:31
Para si também, Maria, uma óptima semana e muita inspiração!
De JuliaML a 22 de Setembro de 2008 às 18:55
olha,Ana, eu salto para dentro de um livro,se me dás licença :-)

De Ana Vidal a 22 de Setembro de 2008 às 22:51
É um salto tão bom como o que se dá para dentro de casa, Júlia... :)
De JuliaML a 23 de Setembro de 2008 às 07:12
é melhor, a csa às vezes não chega. para a evasão, a casa tambem pensa.

este texto étem imagens belissimas. olha saltei novamente para aqui, para reler.

vou guardar....
De Leonor a 22 de Setembro de 2008 às 19:42
Fiquei assustada, Ana, mil beijos e promete que se saltares da janela voltas mesmo para casa.
De Ana Vidal a 22 de Setembro de 2008 às 22:50
Prometido, Leonor!
Beijinhos
De fugidia a 22 de Setembro de 2008 às 23:49

Hum... mas a porta era melhor, não... menos perigosa... parece-me...

Beijinho
De Ana Vidal a 23 de Setembro de 2008 às 00:42
O perigo é a minha profissão, Fugi. Gosto mais de janelas!

Beijinho
De Paulo Cunha Porto a 23 de Setembro de 2008 às 00:00
Querida Ana,
uma resolução dessas é o que chamo a inversa do Complexo da Mosca: não se bate impotentemente contra a vidraça e há penates a que retornar. Mas quando é escrita com tal Sensibilidade revela também ter asas, de Ave, não de mero insecto.
Beijinho. Vou atrás, claro. Ouvi dizer que há casa à venda nas vizinhanças...
De Ana Vidal a 23 de Setembro de 2008 às 00:40
Só tu, Paulo, para descobrires o "complexo da mosca"! lol
Eu pergunto no condomínio se há uma casa livre para ti, fica descansado. :)
Beijinho
De baterdeasas a 23 de Setembro de 2008 às 07:43
lol
De mike a 23 de Setembro de 2008 às 00:01
E onde tem a menina andado? Está na hora de ir para casa, sim senhora. A janela é de um rés-do-chão, certo? ;-)
De Ana Vidal a 23 de Setembro de 2008 às 00:41
Espero que seja, Mike, ou parto uma perna e arrependo-me logo de ter voltado... :)
De Anytime a 23 de Setembro de 2008 às 01:20
Reaprenda, cara Ana Vidal, reaprenda a dizer lareira e aconchego e essas palavras todas tão bonitas.

Mas reaprenda a dois, verá que é mais fácil.
De Ana Vidal a 23 de Setembro de 2008 às 02:08
Mais fácil? Disso é que eu duvido muito... será mais bonito, mais apetecível, mais aconchegante, mas... tudo menos "mais fácil", caro Anytime. :)
De Luísa a 23 de Setembro de 2008 às 02:34
Querida Ana, nunca pensei que fosse preciso ter coragem para voltar para casa, sempre vi esta como o último reduto, sempre achei inevitável um regresso às origens. Mas agora me apercebo de como deve ser difícil essa decisão de abandonar os «cheiros, cores, sabores intensos, sol e chuva, terra e mar, muito mar» que nos acompanharam e acompanham na conquista da vida, nem que seja por troca com «lareira, mesa, pão, vinho, consoada, linho, lã, aconchego». Gostei muito de a ler. E gostei da surpresa do final inesperado. Até à última linha, esperei que a Ana nos fosse anunciar a intenção de começar de novo nalgum «swiss chalet». :-)

De Ana Vidal a 23 de Setembro de 2008 às 02:49
É isso mesmo, Luísa... os pratos da balança ficam muito equilibrados com tudo isso. Temos que esperar que um grão de areia faça pesar mais o prato do mar, ou uma pena de edredon faça pesar mais o da casa...
Mas desde que haja muito para pôr na mala de viagem, um regresso a casa sabe sempre bem.

Um chalet suiço? Não... gosto mais de casas portuguesas!
;)
De ritz_on_the_rocks a 23 de Setembro de 2008 às 11:04
Estava a pensar dar-te um empurrão ...
eh eh eh
bj
R
De Ana Vidal a 23 de Setembro de 2008 às 17:27
LOL
Bjs
De Sofia K. a 23 de Setembro de 2008 às 11:28
Com a tua elegância a cair, mesmo que seja do degrau do passeio, aposto que será um bom voo. É bom voltar a casa... ;-)

Tinha saudades de te ler assim!

beijinhos
De Ana Vidal a 23 de Setembro de 2008 às 17:27
E eu te ver por aqui, miúda!
Beijinhos
De Sofia K. a 23 de Setembro de 2008 às 17:42
Eu ando sempre a pairar por aí... mas a minha barriga nem sempre me deixa aterrar!

beijinhos

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds