Sexta-feira, 9 de Novembro de 2007

Alice no país dos hai-kais



Alice Ruiz: querida amiga, poeta, letrista e mestra de hai-kai, essa subtilíssima arte da palavra fotográfica. Chamo-lhe assim porque um hai-kai é o registo de um momento, imobilizado e fixado para sempre, como numa fotografia (não sei se a definição será muito ortodoxa, mas é assim que eu vejo esta forma de poesia).
O disco Paralelas é o belo resultado de uma parceria bem sucedida: Alice e Alzira Espíndola, letra e música, respectivamente. Além das vozes de ambas (falada a primeira, cantada a segunda), também as de Zelia Duncan e Arnaldo Antunes, a fazer deste trabalho um registo memorável.
Aqui ficam alguns exemplos do talento de Alice (escolhi-os do livro Desorientais, uma recolha exaustiva dos hai-kais da poeta) :







lembra aquele beijo
corpo alma e mente?
pois eu esqueci completamente
*
dançamos em pensamento
a dança dos anos
que nos devemos
*
roubaram a casa
as moscas ficaram
às moscas
*
o menino me ensina
como um velho sábio
o quanto sou menina
*
à beira do insuportável
essa qualidade rara
ser insubordinável
(Alice Ruiz, in Desorientais)


(Alzira Espíndola e Zelia Duncan, cantando uma letra de Alice - É só começar - do Paralelas)

É só começar
ninguém precisa
ter talento
p'ra transformar
caso em descaso
já o contrário
é que é o caso
se você não tem, lamento
é preciso ser forte
é preciso ser fraco
é preciso ganhar
e perder o juízo
sai dessa pose
pára de pensar no prejuízo
e segue em frente
tem hora p'ra chegar
tem hora p'ra se afastar
não sabe como?
é só começar
Etiquetas: , , ,
publicado por Ana Vidal às 01:07
link do post
9 comentários:
De JuliaML a 15 de Novembro de 2007 às 10:41
também conheço virtualmente há anos. Ainda ajudei nas traduções dos seus haikais para o francês. Aliás teve a amabilidade de me enviar os livros dele e um CD.

beijinho
De av a 15 de Novembro de 2007 às 01:51
Conheço o Aníbal Beça, e acho-o muito bom. Participou na antologia que eu organizei e falámo-nos 2 ou 3 vezes por causa disso. É um poeta da Amazónia, inspiração não lhe falta por lá!
De JuliaML a 15 de Novembro de 2007 às 01:17
não aprecio os haikais Ocidentais. Não tem nada a ver..O verdadeiro Haikai, não regista só o momento, deixa qualquer coisa no ar ...na acaba ali, continua na mente do leitor...
Gosto no entanto de poemas minimos edeveria ser assim que eles deveriam chamar-se, apesar damétrica obdecer às regras do Haikai ou Haiku.
Mas os que gostei mais até hoje foram os de Anibal Beça, poeta brasileiro.
De Mad a 9 de Novembro de 2007 às 19:22
Gostei da tua genial descrição de haikai.
De Huckleberry Friend a 9 de Novembro de 2007 às 19:16
Acho que aparece mais vezes haikai, mas também já vi haiku e passei a escrever haicai por causa de um blogue (http://haicaisequetais.blogspot.com) que me explicou o que eram esses seres estranhos e condensados. Aqui há uns anos escrevi um que não respeitava bem as regras... chamei-lhe "hai-kê?".
De ana vidal a 9 de Novembro de 2007 às 18:49
Não é preciso, Marta, acho que se pode usar várias grafias "a la carte". Afinal de contas, a palavra original deve ser japonesa, suponho. Quem sabe qual a grafia mais adequada?
Bjs
De marta a 9 de Novembro de 2007 às 17:32
Boa Tarde Ana


não conheço Alice Ruiz, e já percebi o enorme erro.

mas quanto à ortografia da palavra poderiam pôr-se de acordo?
:)


Beijinho
De ana vidal a 9 de Novembro de 2007 às 13:06
Enganas-te, não foi coincidência. Foram os teus (e foi porque gostei muito deles) que me lembraram a Alice, que é mestra nesta arte cirúrgica de poesia.
Fica dito, e feita a minha propaganda também aos teus.
Beijinhos
De Huckleberry Friend a 9 de Novembro de 2007 às 12:57
Coincidência bonita a de ler estes belos haicais numa semana em que andei a interessar-me por este género. Coincidência feliz logo aproveitada para uma autopropaganda escandalosa: quem quiser que vá ler dois haicais meus (http://codornizes.blogspot.com/2007/11/dois-haicais.html).

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds