Quinta-feira, 11 de Setembro de 2008

Nine eleven


Porque é impossível esquecer.

 

 

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 23:56
link do post
2 comentários:
De Paulo Cunha Porto a 12 de Setembro de 2008 às 20:58
Querida Ana,
suponho que todos nós ficaremos sempre marcados por essa imagem. Nenhum afecto me ligava aos edifícios ou ao seu significado. Mas vê-los desabar foi sentir que nos desagregávamos um pouco, observando instrumentos para a paz, como avióes civis, usados para matar.

E que dirá do facto alguém como o grande nadador australiano Ian Thorpe, que tencionava visitar as torres nesse dia, mas, tendo-se esquecido da máquina fotográfica o hotel, voltou para procurá-la, à hora da tragédia.
Beijinho
De Ana Vidal a 12 de Setembro de 2008 às 21:22
Foi, sobretudo, o fim de uma era de ilusória segurança do mundo ocidental. Vi ontem um documentário sobre este dia em que era entrevistado um cozinheiro do restaurante panorâmico de uma das torres, que nesse dia não foi trabalhar porque estava mal-disposto. Haverá eleitos, afinal, ou só acasos??

beijinho, Paulo.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds