Sexta-feira, 5 de Setembro de 2008

Verdade

 

Às tuas perguntas, meu querido,

responderei com a mais pura, luminosa e bela das verdades.

Nem que para isso tenha de inventá-la. 

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 12:28
link do post
13 comentários:
De Cometa 2000 a 5 de Setembro de 2008 às 12:43
:)

Brilhante!
De Ana Vidal a 5 de Setembro de 2008 às 18:48
Obrigada, Cometa. Já fui espreitar o seu espaço e gostei muito. Aliás, conquistou-me logo com o fundo musical do Wim Mertens.
Seja bem-vindo (a?)
De Luísa a 5 de Setembro de 2008 às 15:05
Desconfio, querida Ana, de que as verdades «puras, luminosas e belas» são sempre um pouquinho inventadas. :-)
De Ana Vidal a 5 de Setembro de 2008 às 18:42
Acho que tem razão, Luísa. E que cinzenta seria a vida sem elas, não é? ;)
De mike a 5 de Setembro de 2008 às 19:07
Ou seja, (...) pura, luminosa e bela das verdades. Tenho é que inventar uma. (riso abafado)
De Ana Vidal a 5 de Setembro de 2008 às 20:47
Faça isso, Mike, e verá como a vida fica mais interessante. :))
De JuliaML a 5 de Setembro de 2008 às 15:18



e agora o que respondes à nossa amiga Luisa?

De Ana Vidal a 5 de Setembro de 2008 às 18:44
Júlia, hoje estás exuberante! Gosto de ver-te assim bem disposta...

(já respondi...)
De JuliaML a 5 de Setembro de 2008 às 21:19

risos

digo-te uma coisa: a resposta da Luisa deixou-me arrelampada. corri os olhos à procura da tua resposta e quase te vi tal qual eu.

,saiste-te lindamente! eu não sei me sairia tão airosa

seria capaz de enviar um petardo à Luisa dizendo,

"VOCÊ ESTRAGOU AS VERDADES DO MEU POST",

(brincadeirinha)



o que é verdade mesmo, é que vcs tiveram piada
De Luísa a 6 de Setembro de 2008 às 01:14
Eu nunca poderia estragar as verdades do post da Ana, Júlia, porque há a verdade incontestável da sua pura, luminosa e bela «invenção» (ou concepção). ;-)
De Ana Vidal a 6 de Setembro de 2008 às 01:23
Luísa, :)
De Anytime a 5 de Setembro de 2008 às 22:12
Descobri recentemente este blog, Ana, mas está a tornar-se já uma porta por onde se tem vontade de entrar, todos os dias.

Achei este seu post muito bonito, muito evocador, estimulante. Entre muitas outras coisas, fez-me pensar numa frase de um filósofo que muito admiro, Cioran: “Les "vérités", nous ne voulons plus en supporter le poids, ni en être dupes ou complices. Je rêve d'un monde où l'on mourrait pour une virgule.”
De Ana Vidal a 5 de Setembro de 2008 às 22:40
Obrigada, Anytime, e volte sempre.
As verdades são por vezes muito pesadas, sim. Porque não dar-lhes um pouco de luz?

Respondo-lhe com Marguerite Yourcenar: "Tes yeux doivent rester clairs, afin que le peu de lumière qui leur reste ne soit pas brouillée par tes pleurs."

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds