Sábado, 30 de Junho de 2007

Burricada no deserto


Acabo de ver nas notícias da noite que os habitantes de Almada trocaram, por um dia, o seu transporte habitual pelo saudoso burrico, tão português. Só para evocar velhos tempos, em que estrangeiras enchapeladas e vestidas de folhos e rendas sentavam os traseiros turistas em albardas lusas, e assim se deixavam maravilhar pela paisagem verdejante e o mar azul da nossa Caparica.
Mas tudo isso foi antes do big bang fatal, que transformou a margem sul no deserto que é hoje. Agora, infelizmente, só o camelo aguenta a travessia árida das areias escaldantes que se estendem até à entrada da ponte.
E foi por isso, afinal, que os burros passaram a ser uma raça em extinção.
publicado por Ana Vidal às 22:31
link do post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds