Quarta-feira, 3 de Setembro de 2008

Diálogos improváveis

 

 

- Desculpa a minha letra, é ilegível.

- Pelo contrário, leio muito bem a tua letra.

- A sério?

- A sério. Ilegível és tu.

 

 

 

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 22:15
link do post
13 comentários:
De JuliaML a 3 de Setembro de 2008 às 23:10

sim, não duvido, é sempre mais dificil ler alguém do que uma caligrafia :-)

inhos
De Ana Vidal a 3 de Setembro de 2008 às 23:58
Pois é.
Beijinhos, Júlia.
De Cristina Ribeiro a 3 de Setembro de 2008 às 23:13
Nem mais!...
De Ana Vidal a 3 de Setembro de 2008 às 23:57
:)
De sum a 3 de Setembro de 2008 às 23:44
Estou a ver que as férias fizeram bem a toda a gente.
De Ana Vidal a 3 de Setembro de 2008 às 23:56
Olá, Sum! As férias fazem-nos sempre bem, não é?
:)
De mike a 3 de Setembro de 2008 às 23:50
Ela deve ser a ilegível... vai uma aposta? ;-)
De Ana Vidal a 3 de Setembro de 2008 às 23:55
Isso terá de perguntar a ele, Mike...
De mike a 3 de Setembro de 2008 às 23:58
Ora bolas, agora quem está a ser ilegível é a Ana... (risos)
De Ana Vidal a 4 de Setembro de 2008 às 02:21
como a minha letra, Mike...
;)
De Luísa a 4 de Setembro de 2008 às 01:58
Muita clareza na forma e algum mistério no conteúdo são uma boa receita de sucesso, Ana. Com o tempo e a convivência, contudo, convém ir reciclando o mistério – ou mesmo reduzindo a dose - para não ter de se ouvir, nesse tom que pode ser de interesse, mas também pode ser de enfado, que se é ilegível. :-)
P.S.: A propósito, acho que a apregoada incompreensão entre os sexos é mais uma arma de arremesso que ambos usam na sua folclórica guerra, do que uma realidade. Pela minha parte, considero os homens verdadeiros «livros abertos». ;-D
De Ana Vidal a 4 de Setembro de 2008 às 02:18
Luísa, nem sempre, mas com muita frequência, os homens são "livros abertos" para nós. Mas já o contrário não é assim: nós somos quase sempre linguagem cifrada para eles, mesmo quando julgamos ser lineares. E talvez seja esse, mais do que qualquer outro, o nosso grande trunfo na eterna e folclórica guerra dos sexos que gostamos, muito mais do que eles, de alimentar... ;)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds