Quarta-feira, 3 de Setembro de 2008

Línguas

 

Ele era muito bom em línguas: era fluente em seis,

e com a sétima era um mestre.

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 00:09
link do post
12 comentários:
De espumante a 3 de Setembro de 2008 às 11:33
Estou a tentar perceber... para além de ter percebido a torre da Babel nada mais descortinei. Deve ser da idade
:))
De Ana Vidal a 3 de Setembro de 2008 às 11:45
Isso é porque está a tentar descortinar o que não está lá, caro Espumante... a frase pode ter uma leitura perfeitamente inocente, se considerarmos que a sétima língua é o português! ;)
De mike a 3 de Setembro de 2008 às 20:17
Ah, pois... leitura inocente... pois... (risada)
Então e que língua é a sétima? (riso contido)
De Ana Vidal a 3 de Setembro de 2008 às 22:12
A sétima língua é sempre a mais difícil de dominar, Mike. Como a portuguesa, toda a gente sabe isso... :)
De Luísa a 3 de Setembro de 2008 às 21:02
Mas é precisamente porque há várias interpretações possíveis, Ana, que é necessário que nos identifique a chamada «interpretação autêntica», ou do autor. ;-D
De Ana Vidal a 3 de Setembro de 2008 às 22:09
Ah, não, Luísa, pelo contrário: prefiro entreter-me com as vossas interpretações, que é muito mais interessante! ;)
De baterdeasas a 3 de Setembro de 2008 às 16:37
NA Antiga lenda da Torre de Babel, pessoas do mundo inteiro fracassaram no sonho de construir uma torre até às alturas porque não falavam a mesma língua ...
De Ana Vidal a 3 de Setembro de 2008 às 22:15
Pois, parece que sim... se tivessem usado a linguagem gestual, por exemplo, nada disso acontecia. :)
De João Paulo Cardoso a 3 de Setembro de 2008 às 12:51
Eu também comecei desde cedo a gostar de línguas... de gato.

Beijos.
De Ana Vidal a 3 de Setembro de 2008 às 13:21
JP, em que idade passaste às... de gata?
De JuliaML a 4 de Setembro de 2008 às 15:03

falta ainda outra língua " a lingua de perguntador" que minha mãe falava quando eu inquiria tudo.

beijo?

De Ana Vidal a 4 de Setembro de 2008 às 17:32
Essa também é muito o meu género, Júlia.

Beijo!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds