Sexta-feira, 29 de Agosto de 2008

Procura-se

 

Cavalheiro:

 

Livre como Agostinho da Silva

Criativo como Garcia Marquez

Aventureiro como Lawrence

Intenso como Hemingway

Fiável como Maugham

Visionário como Verne

Persistente como Steinbeck

Doce como Vinicius

Sonhador como Camões

Divertido como Eça

Cáustico como Wilde

Sensível como Rilke

Romântico como Cervantes

Lúcido como Huxley

Profundo como Marai

Humano como Borges

Prático como Vatel

 

e inteligente como todos eles.

 

Se se revê neste perfil, é favor apresentar-se nesta Porta (de preferência como anónimo, que este blogue tem muitas leitoras e você é um exemplar único...)

 

Atenção: Não se aceitam candidatos que não preencham TODOS os requisitos mencionados.

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 22:08
link do post
27 comentários:
De RAA a 29 de Agosto de 2008 às 23:46
...e um homem sem qualidades, não?
De Ana Vidal a 29 de Agosto de 2008 às 23:52
O que não é certamente o seu caso, caro vizinho... ;)
De pedro a 30 de Agosto de 2008 às 02:47
E qual a graça de ter tudo isso num só?
De Ana Vidal a 30 de Agosto de 2008 às 11:03
Bem visto, Pedro...
De Luísa a 30 de Agosto de 2008 às 05:33
Há uns anos, Ana, tinha, em relação à figura do homem ideal, a teoria do «apanhado». Nenhum correspondia integralmente às minhas exigências e, por isso, seleccionava aspectos de vários, com que fazia uma síntese perfeita. Entretanto casei e a teoria ruiu. Neste seu «apanhado», Ana, muito bem apanhado, só tenho a fazer um pequeníssimo reparo à omissão dos atributos menos etéreos. ;-) Mas trata-se, naturalmente, um «apanhado» muito especial.
De Ana Vidal a 30 de Agosto de 2008 às 11:01
Ambas sabemos já, querida Luísa, que não o "homem ideal" não existe, até porque o conceito é variável inclusivamente para a mesma pessoa, ao longo da vida. O homem ideal é aquele que amamos, com todos os defeitos e qualidades que tiver.
Este "apanhado" é mesmo especial, tão especial que até dispensaria os atributos físicos, caso existisse!

(mas enfim, assim de repente e mantendo a construção do "boneco" usando escritores como referência, dar-lhe-ia talvez o charme de David Mourão-Ferreira e a voz de Manuel Alegre. ;)
De manecas a 30 de Agosto de 2008 às 11:23
A Porta do Vento tem a resposta...

Quem quiser ter alguma coisa que nunca teve, vai ter de fazer alguma coisa que nunca fez.

Não me perguntes, o quê...!

Muitos Beijinhos
De Ana Vidal a 30 de Agosto de 2008 às 11:55
Não pergunto, Manecas. Fica o mistério.

(a Porta do Vento tem sempre mais perguntas do que respostas, meu amigo...)

beijinhos!
De fugidia a 30 de Agosto de 2008 às 12:50
Hum... ainda bem que não queremos todas a mesma coisa... (muitos risos)


Boa sorte, querida Ana, nas respostas...
Beijinhos
De Ana Vidal a 30 de Agosto de 2008 às 13:03
Ainda bem, é verdade...
Os candidatos serão aos milhares, tenho a certeza!

beijinho
De Luísa a 30 de Agosto de 2008 às 17:01
Ana e Fugi, não resisto a citar aqui uma amiga minha de longa data, que costumava dizer, a propósito do tal «homem ideal» (desculparão a crueza dos termos): «O que eu quero é um homem bom na cama, porque para intelectualidades tenho os colegas de trabalho.» ;-D
De Ana Vidal a 31 de Agosto de 2008 às 01:25
Nada como um espírito pragmático, Luísa!
Eu, que sou mais utópica, quero o "all in one"...
;)
De SC a 30 de Agosto de 2008 às 18:15
Este post fez-me lembrar um amigo que dizia, em tempos, para uma amiga comum, que ela era tão exigente na escolha para namorado, ficando com uma janela de interesse tão estreita, que nem o homem ideal passava. :)

Eu não quereria um homem com esse perfil, não saberia como lidar com ele!

Beijinho, bom fim-de-semana!
De Ana Vidal a 30 de Agosto de 2008 às 18:22
Oh, Catarina, acho que nunca terei esse problema (o de lidar com um homem assim) porque ele simplesmente não existe...
O que nos vale é que é inteiramente verdade aquela máxima que diz que o Amor é cego. Felizmente! Mas tudo isto é uma brincadeira, nada cansa mais do que a perfeição!

beijinho
De anónimo a 31 de Agosto de 2008 às 00:16
Que pena não me rever neste magnífico perfil... é que ele não inclui ser bonito como o Brad Pitt, charmoso como o Georges Clooney e rico como o Bill Gates... se incluísse, teria muito prazer em candidatar-me... Há que ter consciência que, afinal, não sou um exemplar único. Será caso para se abrir uma excepção?
De Ana Vidal a 31 de Agosto de 2008 às 00:51
Caro anónimo,
já que o desvio ao perfil é tão insignificante e os predicados que acrescenta, não sendo relevantes, também não são impeditivos, acho que posso fechar os olhos e aceitar a candidatura...
De anónimo a 31 de Agosto de 2008 às 01:12
É muita bondade da sua parte cara ana v. Fico grato por considerar a minha candidatura no seu blog, um blog repleto de leitoras e, pela qualidade dos comentários posso concluir que são excelentes leitoras.
De baterdeasas a 31 de Agosto de 2008 às 20:52
Infelizmente não são as "virtudes" que mexem na escolha dum parceiro. E talvez até seja melhor assim, pois há muito "lobo" a fazer-se passar por "cordeiro". Por estranho que pareça, eu guio-me pelo olfacto.
De Ana Vidal a 1 de Setembro de 2008 às 14:26
Pelo olfacto, Joana? Isso não é perigoso????
lol
De tcl a 1 de Setembro de 2008 às 01:49
Oh Ana, minha querida... mas isso que tu queres não há... de todo! E pensando bem, estou com o Pedro, que graça tem isso tudo num homem só? Devo dizer no entanto que te faltou enumerar uma virtude para o teu cavalheiro dilecto: ser BNC...!
De Ana Vidal a 1 de Setembro de 2008 às 02:17
Pois é, TCL, parece que sou ligeiramente exigente... ;)
Quanto à tua virtude essencial, ça va sans dire! (além disso não seria muito elegante nomear um escritor como comparação, já que teria de ser com conhecimento de causa...)
De anónimo a 1 de Setembro de 2008 às 13:52
Como não existe? A minha candidatura está feita, é credível e legítima. Posso ser uma raridade mas sou de carne e osso, ora.
De Ana Vidal a 1 de Setembro de 2008 às 14:24
Querido anónimo/raridade, a sua candidatura está em ponderação atenta, e se eu digo que você não existe é só para disfarçar e não despertar a cobiça alheia... por isso faça o favor de continuar incógnito, sim? ;)
De tcl a 1 de Setembro de 2008 às 17:05
Bom, ainda bem que dizes isso Ana, que eu já ia convidar o anónimo para se candidatar lá no meu cantinho
De Ana Vidal a 1 de Setembro de 2008 às 21:19
Querida TCL, pode ser que o anónimo tenha um primo... lol
De sem-se-ver a 2 de Setembro de 2008 às 10:14
está muito giro! :-)
De Ana Vidal a 2 de Setembro de 2008 às 18:14
:)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds