Sexta-feira, 16 de Novembro de 2007

Amor # Paixão (4)


O amor sabe.
A paixão inventa.

(Jacques Brel - Quand on n'a que l'amour)

publicado por Ana Vidal às 23:30
link do post
7 comentários:
De Huckleberry Friend a 19 de Novembro de 2007 às 11:32
Caros Miguel, Ana e Mad:
muito embora avesso a generalizações, essa lei desse Murphy pareceu-me quase tão acertada como as do outro... mas talvez a realidade não seja tão estanque e se o amor fosse tão espartilhado entre um sexo e outro (ainda mais) difícil que os unisse como une!

Quando a os homens inventarem e as mulheres saberem, tenho mais reservas... há mulheres que sabem inventar muito bem, só é preciso que não pensem que sabem tudo. E os homens também sabem coisas, que não devem esquecer quando se põem a inventar... Até já!

sobre a tua proposta, nada descabida, temperá-la-ia apenas com a tal coisa das excepções que confirmam a norma. Isto porque há mulheres capazes de inventar e muito bem, desde que não se convençam de que sabem tudo. E não faz mal aos homens basearem as suas invenções no pouco que sabem...
De av a 17 de Novembro de 2007 às 23:22
Olha, a miúda voltou do retiro! Li o mail, mas estou em plena mudança. Já vou responder-te.
bjs
De Mad a 17 de Novembro de 2007 às 21:41
Hummmm... não. A paixão venta mais do que inventa.

Miguel, não concordo nada contigo: quem sabe são os homens; as mulheres normalmente é que inventam os castelos no ar.
De av a 17 de Novembro de 2007 às 20:25
Miguel, sintonizaste!!! Boa!
E logo com uma óptima questão: haverá um amor de género? Não sei, mas não me parece que o amor esteja assim tão dividido em dois. O que há, com certeza, é muitos géneros de amor.
Quanto a essa máxima do Público, acho que ambos os "nunca esquece" se aplicam aos dois também. Depende das circunstâncias em que se "podia ter tido" e "não se pode ter", mas a dificuldade em esquecer acontece a todos.
De miguel a 17 de Novembro de 2007 às 15:11
E esta?... que vem hoje no jornal " Público" da autoria de um tal Edward Murphy.
" Uma mulher nunca esquece o homem que podia ter tido, um homem nunca esquece a mulher que não pode ter".

Haverá um amor de género? Talvez, com as excepções habituais, sem as quais é impossivel a norma. Aliás, e pegando na proposta de hoje da Ana, acho que, nesta questão de amores e paixões, a mulher sabe e o homem inventa, ou, pelo menos, sou eu que o acho.
De av a 17 de Novembro de 2007 às 01:06
Obrigada, Tecla. Sobretudo pela paciência das explicações. Vou pensar nisso.
:)
De Quem tecla não chora a 17 de Novembro de 2007 às 00:46
Olá:
Explicando os memes...tu estás a fazer uma série sobre amor/paixão.
Se quisesses inventar um meme,era só pegar numa das tuas imagens(o coração,por ex)e escreverum desafio a 5 pessoas que tu escolhes:
-E tu descreve uma frase sobre o amor versus a paixão!
... e depois delega a 5 amigos....uma corrente em que nós fazemos o tema...:(será que fui mais explícita?
kkkk
bjjj:)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds