Segunda-feira, 18 de Agosto de 2008

Da Atlândida

 

Chega-se e nem por um segundo se duvida: abriram-se para nós as portas de um paraíso perdido, de um mundo de brumas e de lendas suspensas no tempo. Somos os atónitos visitantes a quem foi dado o supremo privilégio de conhecer - pelo menos uma vez na vida - um dos últimos redutos mágicos do planeta. Sim, estamos na Atlântida.

 

Numa ilusão de realidade temporal, bebemos um gin tonic no Peter, mergulhamos nas mornas mas tormentosas águas das piscinas naturais, petiscamos um peixe fresquíssimo ou passeamos pelas estradas debruadas a hortenses. Para não perdermos o pé, agarramo-nos desesperadamente às tábuas de salvação daquilo que dominamos, dizendo que o que nos amolece é o inacreditável grau de humidade, o que nos confunde é o ócio, o que nos deixa mudos é o estranho silêncio. Mas não nos iludamos: o que verdadeiramente nos subjuga, reduzindo-nos à condição de deslumbradas formigas, é a força esmagadora da Natureza, em todo o seu esplendor. É sermos tocados por uma espécie de benevolente sorriso de uma entidade infinitamente maior do que nós, que nos permite, magnânima, levantar a ponta do véu dos seus mistérios insondáveis e penetrar na antecâmara - não mais do que na antecâmara - do seu reino de glória.

 

 

 

Vir aos Açores é aprender uma lição sobre o assombroso poder da Terra-Mãe: disfruta-me, admira-me, maravilha-te, mas nunca te esqueças de que amanhã tudo isto que vês poderá desaparecer para sempre, tal como surgiu aos teus olhos.

 

Vir aos Açores é entender a nossa verdadeira dimensão. O negrume recortado da lava basáltica, o luminoso verde que cobre cada centímetro de terra, o azul profundo do atlântico, não são mais do que engodos. Esta espantosa beleza não é gratuita: o preço é vermo-nos ao espelho da nossa insignificância.

 

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 01:12
link do post
28 comentários:
De Julia a 18 de Agosto de 2008 às 10:52

... ver os Açores através dos teus olhos ele ainda fica mais bonito.

belo texro, amiga!
De Sofia K. a 18 de Agosto de 2008 às 11:22
Ainda bem que já te deste conta de tudo isso. Muito bonito o teu texto!

Os Açores têm a perfeição do paraíso que quase sempre julgamos perdido, mas têm a magia do que nos é próximo... os verdes e os azuis, as hortenses (tal como na casa da minha avó!), as águas... estamos quase sempre na fronteira, entre o sonho e a realidade... que saudades!

beijinhos e boas férias
De Ana Vidal a 19 de Agosto de 2008 às 00:36
Sim, é verdade que estamos sempre na fronteira por aqui. Tudo parece mesmo um sonho, comparando com a destruição que se vê por todo o lado.

O postal já seguiu, miúda.
Beijos para a família de citrinos!
De Meloes a 18 de Agosto de 2008 às 13:43
depois de ler isto aindo fico com mais vontade das ferias. Ja estao marcadas ai mesmo dentro de duas semanas.
Beijos
De Ana Vidal a 19 de Agosto de 2008 às 00:32
Cumprindo uma tradição antiga da casa (mensagens entre viajantes) deixei hoje no Peter, na Horta, uma mensagem para ti. Só tens que pedi-la quando lá chegares (ficou em nome de Melões Melodia) e beber um gin tonic à minha saúde!
Um beijo e boas férias, que vais adorar.
De ritz_on_the_rocks a 18 de Agosto de 2008 às 16:35
... e eu que fiquei para trás,
a ver-vos partir,
acenando um adeus baixinho
porque era tão alto
o meu chorar
R

...abraça-me ...e não me digas nada ....
eh eh eh
De Ana Vidal a 19 de Agosto de 2008 às 00:28
Grande poeta é o povo, Ritz...
Para a próxima não hás-de ficar em terra, prometo...
Beijinhos... e acaba as músicas!
De João Paulo Cardoso a 18 de Agosto de 2008 às 16:58
Doces Açores, que saudades...

Ainda só estive em S. Miguel, em dois verões consecutivos, mas fiquei rendido para sempre.

Pena o paraíso, mesmo que nosso, português, às vezes com sotaque cerrado, custar tão caro.

Beijos e se puderes traz uma daquelas vaquinhas para eu pôr na varanda.
Adoro o leite dos Açores!
De Ana Vidal a 19 de Agosto de 2008 às 00:26
JP, não bebo leite mas a manteiga dos Açores é uma delícia. A vaquinha é que vai ser difícil...

Para a próxima viagem aos Açores recomendo-te o Pico - um verdadeiro diamante ainda em bruto - e, dizem-me, as Flores, que ainda não conheço. (no Pico não há sotaque, é engraçado...).
Tens razão quanto ao preço mas percebe-se que as férias aqui não possam ser muito baratas, pelo alto custo que tem fazer chegar tudo aqui, ao meio do oceano. E até é bom que seja caro, de contrário isto estraga-se muito mais depressa.
De Luísa a 18 de Agosto de 2008 às 17:53
Também me fez muitas saudades dos Açores e daquilo que parece oferecer ainda em «bruto», Ana. Continue as suas maravilhosas descobertas e não deixe de as partilhar connosco. Mas não procure a porta da Atlântida, que, ao que contam o Blake & Mortimer, dá para caminhos perigosos e soturnos, e os sobreviventes do naufrágio do continente já de lá se foram para outras paragens cósmicas. ;-)

De Ana Vidal a 19 de Agosto de 2008 às 00:16
É isso que é mais espantoso aqui, Luísa: o homem não conseguiu (ainda?) dominar a natureza, ou a construção tem sido bem orientada. Até em S. Miguel, a ilha mais cosmopolita, tudo está bem integrado na paisagem, que é deslumbrante. É muito bom descobrir que ainda há sítios assim, e, melhor ainda, que são portugueses.
Quanto à Atlântida, acho que tem razão... o melhor é não procurar muito as portas, que parecem estar por todo o lado...
De psb a 18 de Agosto de 2008 às 18:46
Ana
Não tive oportunidade de te desejar boas férias. Mesmo sem este meu voto, sei que o estão a ser, a avaliar pela descrição, belíssima, como sempre, de fazer inveja ao Eça, e a mim que nunca aí estive e adorava conhecer. Há-de ser qualquer dia.
Diverte-te, aproveita, renova a alma nessa imensa beleza e manda-nos notícias.
Beijinhos.
De Ana Vidal a 19 de Agosto de 2008 às 00:06
A net aqui é intermitente, mas vou dando notícias sempre que puder.
Não deixes de conhecer os Açores, Pedro, é imperdível.
Um beijo
De Cristina Ribeiro a 19 de Agosto de 2008 às 00:47
Querer estar aí também :)
Seis ilhas desconhecidas ainda...
Notícias dessa terra azul é o que lhe pedimos, Ana ...
Beijinho
De Ana Vidal a 19 de Agosto de 2008 às 01:06
Vou dand0, Cristina, sempre que a net o permitir...
Beijinho
De Maria a 19 de Agosto de 2008 às 18:52
> Vir aos Açores é aprender uma lição sobre o assombroso poder da Terra-Mãe

E encontrar os portugueses mais humildes, honestos e simpáticos :)
De Ana Vidal a 19 de Agosto de 2008 às 21:00
Completamente de acordo, Maria. São rudes mas encantadores e têm-nos tratado com muito carinho. :)
De sem-se-ver a 20 de Agosto de 2008 às 13:30
só conheço sao migue.

tenho aprazada - pensada - uma viagem aos açores no proximo ano.

o seu texto está belissimo, e justo.

boas ferias.
De Ana Vidal a 21 de Agosto de 2008 às 11:30
SSV, não deixe de vir. É uma viagem que vale a pena, por todas as razões. :)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds