Terça-feira, 5 de Agosto de 2008

Observatório

 

 

« Lisboa, 2 de Agosto de 2008

 

Querido Hélder

 

Foi com muita alegria que recebi hoje a notícia de que vou passar a ser teu Padrinho.

 

Esta era uma vontade que eu tinha há muito tempo e, quando recebi a tua fotografia, fiquei todo contente porque o Menino Jesus ouviu o meu pedido e enviou-te para seres meu Afilhado.

 

Primeiro, quero dizer-te que és um Menino muito giro, com esses grandes olhos pretos que deixam adivinhar uma curiosidade enorme por tudo o que está à tua volta. É natural. Com esses teus dois aninhos ainda és pequenino e deve haver muita coisa que, para ti, ainda é novidade.

 

Acredito que esta agora, a de teres um novo Padrinho, é mais uma e, como não me conheces e ainda não me viste, não sabes como eu sou. Por isso, se calhar, deve fazer-te alguma confusão.

 

Mas vamos já resolver isso. Junto desta carta, mando-te uma fotografia da minha Família, que não é pequena como podes ver, pois sou casado e tenho cinco Filhos. Para além disso, a minha Filha mais velha também já tem duas Filhas, o que faz de mim um Avô de duas Netas.

 

Vou passar a apresentá-los: o mais velho sou eu e chamo-me Pedro (1). Tenho 52 anos e já tenho muitos cabelos brancos, como vês. Mas acho que ainda não sou velho. O que é que te parece? Depois, ao meu lado, está a minha Mulher que se chama Teresa (2). Podes habituar-te a chamar-lhe Tété, que é como todos lhe chamamos. Depois vem a minha Filha mais velha, a Filipa (3), que é casada com o Pedro (4) e que são Pais da Pilar (5) e da Luizinha (6). Depois vem a Rita (7), o Simão (8), o Tomás (9) e o Francisco (10), que são os outros meus Filhos.

 

Como vês é muita gente. E sabes uma coisa? Ficaram todos muito felizes quando lhes contei que tinha pedido para ter um Afilhado de São Tomé e, agora quando recebi a tua fotografia, ficaram ainda mais contentes por te conhecer. Todos disseram que és um Menino lindo e todos ficaram radiantes por passares a pertencer, assim como meu Afilhado, à nossa Família.

 

Eu sei que ainda não sabes ler, porque és muito pequenino. Mas a quem te ler esta minha carta, pede-lhe para me escrever quando puder, a contar-me coisas sobre ti e do que é que tu gostas. Quero saber também o teu tamanho para poder enviar-te um presente de roupas bonitas e, muito importante, o tamanho do teu pé, para te mandar uns sapatos que te sirvam. Vais ver que vais gostar.

 

Como também ainda não sabes escrever, mando-te agora um livro e uns lápis de cor para poderes pintar, que isso eu sei que tu gostas de certeza, não é? 

 

Bom! Vou acabar agora, enviando-te um grande beijinho e um abraço muito apertado, ficando à espera de uma carta tua assim que for possível.

 

 

Do Padrinho Pedro »

 

Pedro Silveira Botelho

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 15:37
link do post
14 comentários:
De Cristina Ribeiro a 5 de Agosto de 2008 às 18:30
Carta linda, Pedro. Certamente o Hélder vai gostar de ouvir da família que lhe caiu do céu.
De Mad a 5 de Agosto de 2008 às 19:21
Uma grande beijoca ao Pedro (e aposto que ele não se lembra de mim).
De mike a 5 de Agosto de 2008 às 23:15
Ele não sabe ainda, mas eu arrisco-me a dizer que o Helder tem a felicidade, não de ter apenas um padrinho, mas por tê-lo como padrinho. Porque é felicidade que leio nas palavras do padrinho dele.
(Também tenho, acho que a Teresa não vai apreciar o verbo utilizado... (risos), uma Teté cá em casa, mas chama-se Tâmara e é a minha mais velha).
Abraço, meu caro.
De fugidia a 5 de Agosto de 2008 às 23:31
Mais do que só um padrinho, o Helder recebeu uma família...
De Ana Vidal a 5 de Agosto de 2008 às 23:54
E uma família muito especial, Fugi.
:)
De lord broken pottery a 5 de Agosto de 2008 às 23:41
Oi Anna,
Passei para matar as saudades e me deparei com esse texto do Pedro. Com certeza será um bom padrinho.
Beijo
De Ana Vidal a 5 de Agosto de 2008 às 23:53
Oi, milord, seja muito bem-vindo!

Não resisto:

Allez, venez, Milord!
Vous asseoir à ma table
Il fait si froid, dehors,
Ici c`est confortable...

Ah, sim, e o Hélder vai ter o melhor padrinho do mundo! :)

Um beijo, amigo
De sofia k. a 6 de Agosto de 2008 às 11:10
Parabéns Pedro, pelo afilhado! Ele ganhou uma boa família!

beijinhos a todos

p.s. Já sei que este ano não nos vamos encontrar no sítio do costume... vão fazer falta, até porque é ano olímpico!
De JuliaML a 6 de Agosto de 2008 às 22:24
bonito e ternurento de se ver!

é bom ser padrinho/madrinha. é bom ter um padrinho que gosta de o ser :-)

parabéns ao afilhado que foi escolhido e escolheu tão bem.

ps- tenho dzenas de afilhados, uma canseira :-))
De Ana Vidal a 6 de Agosto de 2008 às 22:37
Dezenas não tenho (bolas!) mas também tenho vários, Júlia. Este será mais um, mas especial...
De SC a 7 de Agosto de 2008 às 01:21
Linda, a carta.

Que sorte, a do Helder e a do Rik !
De SC a 7 de Agosto de 2008 às 01:22
(sorte pelos padrinhos, bem entendido. Que a vida, essa, não deve ser nada fácil. Agora um pouco melhor, com a vossa preciosa ajuda.)
De Ana Vidal a 7 de Agosto de 2008 às 01:32
Espero que os ajude, pelo menos um bocadinho,,,
De psb a 7 de Agosto de 2008 às 17:46
Peço desculpa de o fazer assim, mas englobo-os a todos num agradecimento pelos vossos comentários. Férias salteadas (sem net), com dias de trabalho pelo meio atafulhado em papel, não me dão muito mais espaço de manobra.
Mas aproveito para comentar que o sortudo sou eu. É que, de facto, enriquece-nos por dentro pensar que, com tão pouco, podemos fazer tanto (espero eu) por quem nada tem. Acima de tudo, ficaria imensamente feliz se puder proporcionar ao Helder alguma expectativa de um futuro melhor do que o presente em que nasceu, por infortúnio.
Distribuo beijos e abraços, juntos com o meu agradecimento renovado.
E para ti também, Mad. Claro que não me lembro muito bem de ti, pois se eu era um miúdo e tu és bem mais nova que eu. Mas tenho-te acompanhado nas tuas deambulações bloguistas. É quase também como se te conhecesse de toda a vida.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds