Sábado, 2 de Agosto de 2008

Respirar

Encontrei este belíssimo texto no Miniscente, do Luís Carmelo. A qualidade é a de sempre, no que diz respeito ao que por ali se lê. Mas estas palavras tocaram-me especialmente, por tê-las descoberto hoje. Ofereço-as a dois amigos que estão de partida para África, ficando a torcer (com uma pontinha de inveja, confesso) para que se sintam exactamente assim enquanto estiverem por lá.

 

 

"Primeira Respiração"

 

"Estou em África.
 
O ar é maior, enche-me o peito com uma força que me ultrapassa. Há uns dias, quando menos esperava, senti-me a descalçar. E andei. Andei com os pés dentro da terra, num passo arrastado, demorado, sem forma conhecida. Não sabia que podia entrar assim no mundo. O céu é maior…mas não nos esmaga. Preenche todos os espaços. É mais do que cor, mais do que uma ilusão. Há uns dias, quando menos esperava, deitei-me sem tecto. E ouvi. Cada estrela, cada cheiro. Descobri. Que aqui o céu tem… som.
 
Se eu fosse uma árvore era África. Ou um animal. Ou uma pedra. Era África. Seria o meu próprio início. Acho que é verdade."
 

 

 

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 20:06
link do post
14 comentários:
De JB a 2 de Agosto de 2008 às 20:45
O texto é bonito, a fotografia lindíssima e eu gostava de escrever assim, quando sentir aquilo que toda a gente diz ser o fascínio de África - o ar, o cheiro, o céu, o nascer ou opôr do sol.
Adeus, até ao meu regresso.
De Ana Vidal a 2 de Agosto de 2008 às 22:40
Obrigatório mandar relatórios completos de todas essas sensações, João... só não garanto que não vá lá ter com vocês, se as descrições forem deste calibre!
Adeus, até à sua chegada (mas a África)!
:)

De Rita Ferro a 3 de Agosto de 2008 às 11:09
África sou eu quando acordo para aí virada. Mas quase sempre acordo Lisboa ou Nova Iorque, Veneza ou Cairo. Ao diabo, África! Não precisa de mim para nada. Preciso de países que precisam de mim e não o contrário. Lisboa ainda vai ganhando aos outros, é o que é...
De Ana Vidal a 3 de Agosto de 2008 às 11:36
Olha quem interrompeu as férias para aparecer por aqui! Gosto muito, miúda.

África não precisa de ti para nada? E daí? Veneza, o Cairo ou Nova Yorque precisam de nós para alguma coisa? Olha, comigo é o contrário: sou eu que "preciso" de respirar outros ares, com plena consciência de que todos esses sítios passam muito bem sem mim! Eu é que não passo sem eles, sempre que posso...

Beijos, bons banhos, e aparece. Eu não sou África, por isso preciso de ti... lol
De Rita Ferro a 3 de Agosto de 2008 às 13:22
Eu não preciso de países, Ana. Preciso de amigos, de dinheiro para fazer o que me apetecer e ajudar quem me comova, e de ninguém à minha volta a chatear-me. Esta é a súmula. O resto vou inventando para me aceitarem, me amarem quando doer muito, no Inverno, e não morrer num lar com uma brutamontes a lavar-me as partes e a contar anedotas ao mesmo tempo e, sobretudo, com pena de mim mesma.
De Ana Vidal a 3 de Agosto de 2008 às 13:30
Hesito entre a lágrima e a gargalhada ao imaginar-te na cena da lavagem, no lar... pobre da brutamontes que se atreva a tal, vai arrepender-se para o resto da vida...
LOL (escolhi a gargalhada, pronto!)

Beijo!

De mike a 2 de Agosto de 2008 às 22:22
Pode não acreditar, mas sei exactamente do que fala (escreve) o Luís Caramelo. Ou melhor, sei exactamente o que ele sente... cada detalhe e cada segundo. ;)
De Ana Vidal a 2 de Agosto de 2008 às 22:49
O blogue é do Luís Carmelo mas este texto é da Clara Piçarra, que anda a fazer uma volta ao mundo (de um ano) com outro português.

E não duvido de que sabe exactamente o que ela diz e sente, Mike... eu é que não sei... ainda!
Os meus planos de viagem estão a começar a pender perigosamente para o lado de África, com tantos entusiastas a falarem-me dessa terra mágica...
:)
De mike a 2 de Agosto de 2008 às 23:59
A Índia pode esperar... (risos)
De Ana Vidal a 3 de Agosto de 2008 às 00:17
Hum, não sei... a Índia é "a minha viagem" e já espera há muito tempo. Mas é verdade que "entre les deux mon coeur balance"... tenho que pensar nisso melhor.
De Cristina Ribeiro a 2 de Agosto de 2008 às 22:55
Texto luminoso com fotografia como complemento perfeito...
De Ana Vidal a 2 de Agosto de 2008 às 23:09
É verdade, Cristina.
De Luísa a 3 de Agosto de 2008 às 15:28
África é a ligação às origens, a aproximação à terra, «a primeira respiração», sem dúvida. Num Alentejo infinito, povoado de animais selvagens e exóticos, quem não sonha poder passar um dia? :-)
De Ana Vidal a 3 de Agosto de 2008 às 16:38
Luísa, o Alentejo é mesmo um cheirinho dessa força dos primórdios, vivi lá e senti isso. Falta-lhe é dimensão, claro. Suponho que África seja a "terra-mãe" em todo o seu esplendor.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds