Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

Ora bolas!

 

O Rato Roeu a Rolha da garrafa do Rei da Rússia.

 

O discurso foi este, mais coisa menos coisa.

 

Que Rato? Esse mesmo, o que a montanha pariu.

Que Montanha? Talvez o Pico, nos Açores...

 

 

(Nota: espero que a montanha se conserve quietinha no mesmo sítio, já que vou estar lá dentro de duas semanas...) 

 

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 20:11
link do post
8 comentários:
De Cristina Ribeiro a 31 de Julho de 2008 às 20:47
Pois...; confesso que não esperava mais...
De Ana Vidal a 31 de Julho de 2008 às 21:07
Eu também não, Cristina... só achei ridículo tanto suspense e tanto secretismo, como se nos esperasse a notícia de um golpe de Estado...
De fugidia a 31 de Julho de 2008 às 22:08
(gargalhadas abafadas)

Sossegue Ana, que não fica sem férias

beijinho.
De Ana Vidal a 31 de Julho de 2008 às 22:45
(risos)
Espero que não, Fugi...
De mike a 31 de Julho de 2008 às 23:08
Eu confesso que não vi nem ouvi o discurso. Mas como pensei, talvez influenciado pelo dia de hoje, que o presidente viria confessar a prática de adultério, tal Clinton embaraçado, achei que me ia sentir incomodado...
De Ana Vidal a 31 de Julho de 2008 às 23:15
(gargalhada)
Mais valia, Mike... sempre teria justificado o suspense e agitado esta silly season tão pouco interessante...
;)
De JúliaML a 31 de Julho de 2008 às 23:27

Tendo em conta a "peça"que é, não esperava mais. acho que foi uma atitude coerente com a personalidade que se lhe conhece ;--)

Pedir ajuda ao povoléu, porque sente o chão fugir-lhe!! ridiculo e provou fraqueza, na minha opinião.
e o povoléu deo bico aberto à espera de grãos de arroz...

De Ana Vidal a 31 de Julho de 2008 às 23:38
A mediatização desvairada transformou-se numa autêntica doença, quanto a mim. Isto está cada vez mais parecido com uma opereta...

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds