Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

A minha gente

 

Almocei ontem com três amigos que não via já há algum tempo. Um deles, há longos anos. Mas as amizades sólidas têm isto de bom: não há tempo de ausência, por muito longo que seja, que consiga anular a naturalidade e o à vontade que voltam a ligar-nos em meia dúzia de minutos.

 

Três cérebros de eleição, habilitações académicas de luxo e carreiras profissionais bem sucedidas até onde isso foi o mais importante. Isto porque dois deles, afastados prematuramente do mortífero stress de uma mega-empresa que lhes sugou a alma durante anos, têm agora uma vida mais calma (o terceiro é empresário, não pode ainda dar-se ao luxo de abrandar). Merecidíssima calma, diga-se. E o que fizeram? Entregaram-se ao tédio, às pantufas, à depressão e à lamúria dos injustiçados? Nada disso: reavaliaram prioridades, puxaram pelos (muitos) neurónios para encontrar um equilíbrio possível e satisfatório entre uma actividade que os mantenha produtivos, a família, os amigos, e... o voluntariado em causas humanitárias! Assim mesmo, porque sabem como isso é importante, não só para a comunidade a que pertencem como para si próprios, para o seu bem-estar interior.

 

Sobre tudo isso conversámos, entre divertidos e comovidos. Houve gargalhadas, histórias antigas e novos projectos. Houve Amizade, sobretudo. E gostei muito de constatar, mais uma vez, que continua a haver gente que esta voragem de egoismo e mera sobrevivência em que vivemos ainda não conseguiu desumanizar e engolir. Esta é, e será sempre, a "minha gente".

 

Queridos Teresa, Manecas e João, para vocês um beijo especial. Para o próximo almoço espero que "venham mais cinco", como cantava o outro. Falta-me rever tantos, ainda!

 

(Como se o reencontro não fosse presente suficiente, ainda ganhei um CD, que adoro: "Bebo & Cigala - Lágrimas negras". Em cheio. Encontrei no You Tube uma faixa deste outro encontro de amigos - uma interpretação fantástica de uma canção de sempre - que deixo aqui como homenagem à Amizade) 

 

 

(Eu sei que vou te amar - Bebo & Cigala)

 

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 10:40
link do post
14 comentários:
De Alf a 31 de Julho de 2008 às 12:07
Que maravilha de disco.

Também existe lá por casa em versão DVD ao vivo. Igualmente fabuloso.
De Ana Vidal a 31 de Julho de 2008 às 18:41
Fabuloso mesmo, Alf. Já conhecia, mas não tinha. Agora vou ouvir ainda mais...

De Cristina Ribeiro a 31 de Julho de 2008 às 12:21
Bem, Ana, vê-se mesmo, porque chega até aqui esse sentir, que foi um encontro "cheio"... ;
a merecer ser sublinhado por música assim.
Beijinho
De Ana Vidal a 31 de Julho de 2008 às 18:43
Cristina, estes encontros com amigos são sempre uma delícia. Que não dispenso, cada vez mais...
Beijinho
(e o blogger, já parou com a birra? Já lá vou espreitar...)
De Cristina Ribeiro a 31 de Julho de 2008 às 20:12
Não, Ana; mantém-se inabalável- valha-me o outro blogue, para "alimentar" o vício :)
De baterdeasas a 31 de Julho de 2008 às 14:34
é uma das minhas canções preferidas. bela interpretação.
De Ana Vidal a 31 de Julho de 2008 às 18:40
Originalíssima, não é?
De baterdeasas a 31 de Julho de 2008 às 22:07
sim, sóbrio e sensível. As outras versões que já ouvi são mais ligeiras e não expressam desespero nem tão pouco tristeza. Esta está mais perto do conteúdo.
De JúliaML a 31 de Julho de 2008 às 16:23

A primeira vez que ouv isto foi no blog da Sabedoria , já há uns anos..
Há dias coloquei-o no Privilégios, não viste!!

eheheh
De Ana Vidal a 31 de Julho de 2008 às 18:39
Vi, vi... e podia ter escolhido outra faixa do cd no You Tube (são todas óptimas) mas adoro esta!
De manecas a 31 de Julho de 2008 às 17:59
Ai ai, que a gente zanga-se!!!

Onde é que tu foste buscar essa dos cérebros de eleição?
Eu bem sei que tinhas de me devolver o embaraço que te provoco com os elogios permanentes à tua escrita, mas "cérebros de eleição???" Endoideceste?

Quanto à amizade que construímos tens toda a razão.

Tive o privilégio de pertencer a um grupo de colegas de curso em que o principal nunca foi a competição , mas sim exactamente a camaradagem, a boa disposição, a boémia, os programas que fazíamos em conjunto entre nós todos, e também com algumas pessoas que tivemos o prazer de agregar ao grupo e que posso personificar superiormente na tua pessoa.

Profissionalmente saí da empresa pelo meu pé porque disse: não!

Creio num outro conceito de empresa e acredito que posso construir outro caminho, pugnando por uma nova ideia de sistema económico e de valores novos para uma sociedade mais feliz.

O centro da organização da sociedade, o objectivo dos sistemas económicos, não pode ser outro que não as pessoas.
Andamos enganados quando tudo tem por finalidade o lucro.
Andamos enganados porque subjugamos a própria pessoa humana aos objectivos económico-financeiros definindo estes unicamente duma forma redutora pelo lucro.

Bom, espero que leias os teu mails . Já estamos a preparar um encontro com mais gente.

Afinal são sempre momentos de felicidade quando amigos se encontram!

Sobretudo quando entre eles existem pessoas - a menina Ana neste caso - com o dom elevado de criar escrevendo, eternizando os momentos e emocionando-nos com a expressão dos sentimentos. (Toma!!! Esta é para me vingar dos cérebros ")

Um beijão e fica bem
De Ana Vidal a 31 de Julho de 2008 às 18:17
(Gargalhada)

Não endoideci nada e não retiro uma única palavra, ó "cérebro de eleição"! Pelo contrário, até acrescento uma expressão que me faltou: "coração de eleição". Toma!
(e se continuas a dizer às pessoas que eu sei cantar, chamo-te... sobredotado!!!!
(mais risos)

Beijos
De João Paulo ~Cardoso a 31 de Julho de 2008 às 18:22
A amizade é um orgasmo que se pode ter em qualquer lugar, sem necessidade de tirar a roupa.

Beijos.
De Ana Vidal a 31 de Julho de 2008 às 20:00
Ora aí está uma boa definição, JP. Mas da amizade esperamos sempre uma duração um bocadinho maior, já agora...

Beijo!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds