Sexta-feira, 25 de Julho de 2008

Mundos

 

Pelo número de vezes que entrei em capelas mortuárias, só neste último ano, dou-me conta de que há um mundo conhecido que está a desaparecer a uma velocidade impressionante. Mas a Vida renova-se, e outros mundos vão nascendo. Chegarei a conhecê-los bem? Não sei.

 

publicado por Ana Vidal às 14:46
link do post
10 comentários:
De fugidia a 25 de Julho de 2008 às 15:53
Hum...

Venho só desejar um excelente fim-de-semana, Ana.
O Sol já volta...
Beijinhos.
De Ana Vidal a 25 de Julho de 2008 às 21:26
Para si também, Fugi.
Há-de voltar, claro. Obrigada.
beijinhos
De João Paulo Cardoso a 25 de Julho de 2008 às 18:37
Ana,

Faz parte da vida, de vez em quando, entrar numa capela mortuária e ficar ali sentado, a homenagear quem morre.

Tal como faz parte da morte, uma única vez, entrar numa capela mortuária e ficar ali deitado, a homenagear quem vive.

Melhores dias virão.

Beijos e bom fim de semana.
De Ana Vidal a 25 de Julho de 2008 às 21:21
És sábio, JP. Mesmo quando não estás a brincar...

Bom fds para ti também.
De Júlia a 25 de Julho de 2008 às 21:14
nem me digas nada, amiga...

os mundos mudam mesmo, depois da morte de alguem que faça parte da nossa vida. Encerra-se um ciclo, podes crer...

beijo grande e olha, o meu b.q

ps- o teu blogue não gosta de mim. abro os comentários e aparece erro., vezes seguidas..
valeu-me a persistência.
De Ana Vidal a 25 de Julho de 2008 às 21:23
Nada disso, Júlia. Este blog gosta muito de ti e eu também. E ambos gostamos de pessoas persistentes!

Beijinhos
De CNS a 25 de Julho de 2008 às 22:06
A morte tem esse efeito. Reposicionar-nos no nosso frágil sistema de eixos a que chamamos vida. E ficamos. Tentando ver para além do ómega.

Um beijo e bom fim de semana

De Ana Vidal a 25 de Julho de 2008 às 22:22
E neste caso, Cristina, o exemplo de vida de quem morreu dá-nos uma responsabilidade muito especial nessa reflexão. A obrigação de elevar a fasquia...

Beijinho, bom fim de semana.
De mariav a 27 de Julho de 2008 às 23:24
É verdade, Ana. O último ano foi cheio destas imagens de saudade. Esperemos que o que aí vem seja mais de vida que de morte. Espero a chegada de 5 bébés 5 que vêm a caminho para me mostrar a renovação de que falas, e um deles, pelo menos, também vai ser uma espécie de teu "sobrinho-neto".
Um beijo
De Ana Vidal a 28 de Julho de 2008 às 00:53
5 bebés 5 já é caso para dizer: nada se perde, tudo se transforma...

Beijo

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds